Domingo, 4 de Maio de 2008
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e Irmãos Andrade (V)
Domingo, 04 Mai, 2008

Talvez em nenhuma arte a manifestação do talento natural dependa tanto da sua prática generalizada na sociedade como acontece na música. Depois de se ter tornado um hábito, quase um vício dos portugueses, sobretudo das classes mais abastadas, surgiram na ópera em Portugal não apenas compositores de grande valor mas também alguns intérpretes de enorme qualidade. Neste quinto capítulo de 'A ópera em Portugal', Daniel de Sá recorda dois nomes que fizeram história, à época: Luísa Todi e os Irmãos Andrade.

                    

Em baixo: "A Ópera em Portugal - Os intérpretes"
Sete vidas mais uma: Daniel de Sá
         

Parte I : As origens da ópera

Parte II : Introdução da ópera em Portugal

Parte III : Primeiros tempos / o triunfo

Parte IV : Marcos Portugal: vida e obra

Parte V:  Os Intérpretes

Luísa Todi

O nome artístico mais famoso do primeiro século do canto lírico em Portugal, e talvez de sempre, foi o de Luísa Todi. Luísa Rosa de Aguiar nasceu em Setúbal em 1753, e devido à sua intuição para a arte dramática representou aos catorze anos, em Lisboa, um papel declamado na peça Tartufo, de Molière. Essa sua característica viria a ser determinante no êxito da carreira lírica, por conseguir aliar uma voz notável à capacidade de incarnar o sentimento das personagens. Depois de ter participado com sua irmã em algumas óperas cómicas, casou-se com Francesco Saverio Todi, um violinista de Nápoles que a levou a estudar com David Pérez, também napolitano mas de origem espanhola, que D. José tinha chamado a Portugal, onde se fixou até à morte. E foi precisamente no desempenho de um papel da ópera Demofonte, daquele compositor, que se estreou em 1722 no Teatro do Corpo da Guarda, no Porto.
A partir de então a carreira de Luísa Todi transforma-se num acumular constante de êxitos, começando a sua fama internacional com a estreia em Londres, em 1777, de Vittorina, de Nicola Piccini, outro compositor napolitano que, em Paris, provocou sérias disputas entre os seus partidários e os de Gluck. E é nessa capital, no ano seguinte, que Luísa Todi continua e consolida o seu percurso no estrangeiro cantando nos Concerts Spirituels.

Vêm a seguir Turim e o seu Teatro Régio; Potsdam, na Alemanha, onde a aplaude o imperador Frederico II; o mesmo acontece em Viena, em relação ao imperador José II. Depois de uma passagem por Lisboa, em 1783, vai para Paris, e aí canta ao lado de Gertrude Mara, o que inicia uma rivalidade no público que logo se divide por uma ou por outra, já consideradas as maiores cantoras líricas do seu tempo, reconhecendo os críticos à portuguesa a vantagem da sua capacidade expressiva.

Na corte de Sampetersburgo, aonde a chamou Catarina da Rússia, entre outras obras canta Polimnia, cujo libreto ela mesma escreveu, e é nomeada professora das princesas. Participa depois na inauguração do magnífico Teatro Ermitage, com a ópera Armida, de Giuseppe Sarti, o que provoca o aparecimento da rivalidade com o “castrato” Marchesi.

Continuou a somar êxitos até cerca doa cinquenta anos, tendo em 1789, na última vez que cantou em Paris, recebido o título de “la Chanteuse de la Nation”. A sua despedida no estrangeiro foi em Nápoles, em 1799. Supõe-se ter cantado em público pela última vez no Teatro de S. João, no Porto, tal como se presume, pelas notas graves que conseguia obter, que terá sido meio-soprano. Morreu cega, em 1833, em Lisboa, onde vivia com algumas das filhas.

 

Irmãos Andrade

 

Em 1859 nasceu em Lisboa Francisco de Andrade, um dos maiores barítonos do seu tempo. A sua estreia foi em San Remo, em 1882, cantando na Aïda. Durante trinta e cinco anos foi aplaudido nos melhores teatros da Europa, notabilizando-se principalmente na interpretação da figura do D. João, de Mozart, e merecendo a atenção especial de reis e imperadores de Portugal, da Inglaterra e da Suécia, da Rússia e da Alemanha. Dele disse Viana da Mota o seguinte: “As mais intensas impressões músico-dramáticas que recebi foram as de Bayreuth e as das representações de Francisco de Andrade.”

Seu irmão António não terá sido, como tenor, menos brilhante do que ele, embora a maior abundância de cantores com este registo de voz não lhe concedesse um primeiro plano tão evidente. Um digno sucessor destes dois artistas foi, no século XX, o tenor Tomás Alcaide, que nasceu em Estremoz em 1901 e conquistou todas as plateias dos teatros onde actuou na Europa e na América.


(Amanhã: "Parte VI - O Teatro de S.Carlos, Um novo estilo")



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas