Quinta-feira, 8 de Maio de 2008
Destaque? Mas quem é quer essa merda, afinal?
Quinta-feira, 08 Mai, 2008
Meio cheio, meio vazio. Duas maneiras de olhar a mesma realidade. Ou uma mesma realidade para dois olhares possíveis, take your pick. A verdade é que uma mesmíssima situação pode ter e tem, não só leituras diferentes, como resultados opostos de acordo com a óptica de cada um. Chega de blá blá, vamos ao concreto.

Os últimos tempos têm sido, para mim, de reflexão e estudo do fenómeno blogosférico. A mudança de endereço deste 7vidas, por um lado, e um miner abalo de sensibilidades com consequências prácticas numa das minhas casas favoritas, por outro, foram dois factores determinantes para um reforço de atenção da minha parte (algo tardio, aceito, mas mais vale tarde que jamé) para com este universo para onde, sem rede como o costume, me atirei de peito feito e rectaguarda desprotegida.

Só há 5 anos é que os blogues apareceram em força em Portugal. Sabemos como utilizá-los e para que servem, mas ainda não estamos imunizados contra a sua ilusão. Isso leva a que alguns imaginem vir a ser lidos por milhões, ou pela elite que influencia o gosto institucional, quando começam a escrever num blogue. A verdade pede água geladamente gelada na ambição: um blogue é lido por umas poucas dezenas de indivíduos, se correr muito bem. Em casos raros de popularidade, é lido por centenas. E será preciso algo de extraordinário para ser lido por milhares. 99,999% dos blogues não têm um único leitor para além dos autores. Os números que se apresentam relativos ao tráfego são isso mesmo: passagens. Mas passar não é ler, é partir.

Não senhor, as palavras não são minhas. Escreveu-as valupi, um dos autores do AspirinaB, num post recente. Mas que me parecem exactas qb, face ao que até aqui eu próprio já consegui apreender deste complexo fenómeno que é a blogosfera. O que nos leva então à tal recente mudança de endereço do 7vidas do Blogger para o Sapo e, de certa forma, ao cerne daquilo que motivou este post: a visibilidade de um blog. Prémio ou castigo?
Deixemo-nos de rodriguinhos: quem escreve quer leitores, diga lá o que disser. Ah, não, eu escrevo mas não quero que me leiam, não quero, não quero e não quero!! Desculpem lá, mas dá para acreditar? Claro que dá. Quem disse que toda a gente gosta de amarelo?

Desde que mudei para o Sapo, por força do destaque rotativo que os responsáveis do portal atribuem às novidades, os números do meu sitemieter dispararam como se durante três décadas tivessem andado a mandar Viagra para a veia e só agora a protuberância se notasse. De um dia para o outro, aquelas coluninhas amarelas e laranja deram um tal salto que eu próprio fiquei entre o verde e o roxo, entre o espanto e o pumcatrapum. Incrível, a força da publicidade, não é? Pois é. Mas já dizer que eu não dormi, que o meu mundo virou à esquerda, subiu e desceu três vezes e que agora já não passo cartão a qualquer um, isso talvez seja um nadita exagerado. Mas não vos escondo que me foi agradável a sensação, algo parecido com o passar de um programa nas madrugadas da rádio Coisa do Assobio para o primetime da Comercial ou Renascença. Conseguem imaginar alguém a não gostar de um up grade assim?

Pois não se esforcem mais, por favor, não se macem, vão para dentro. Há quem não goste, sim senhor, e mais: há quem vá mais longe e, na impossibilidade de recusar a honraria, a combata da forma mais radical de todas: terminando o próprio blog. Foi o caso do blog escolhido para destaque desta semana nos Destaques Sapo, rubrica que me habituei a acompanhar por força de dar uma explicação ao entumescimento surpreendente do grosso das minhas visitas. Pois o Mamããã, blog com um interessante grafismo e que autodefine o seu conteúdo como "Historietas e tretas em tom intimista, de uma mãe de três filhos: a Laura no coração, o Rafael e a Juliana nos braços" , um dos novos destaques da semana nos blogs sapo, entendeu passar-se com a distinção num primeiro post com o título sugestivo "Destaque?! Mas quem é que quer destaque?!!!!", a que se seguiu o não menos sugestivo "Time Out", que quis dizer exactamente isso: acabou-se. Pelo menos por enquanto, como deixa entrelinhado. Um exemplo acabado do ceguinho que, conduzido pelo prestável escuteiro de um passeio a outro da movimentada avenida, manda o rapaz à merda quando lá chega porque até nem queria atravessar. Acontece aos melhores.

Eu cá, devo dizer-vos, acho um encanto este jogo de empurra-torna-e-deixa que por aqui se joga em html, um xadrez em que os peões serão a auto-estima, a tristeza, o valor, a fraqueza, qualidade, insegurança, talento, vaidade, vergonha, conhecimento e/ou solidão de cada um. Onde as razões superam a razão e nada do que luz é oiro. Por isso não há que ficar espantado com nada, não há lugar a lógicas obtidas pela soma de x com y mais a raiz quadrada de z. Para quem queira, goste ou precise de blogar, por motivos que só a si dirão respeito, estou em crer que há apenas um caminho a seguir, que é afinal o de sempre para os esforçados, mais ou menos talentosos: dar, dar sempre, todos os dias e o melhor de que seja capaz, na esperança (ou não) que um dia alguém repare e faça acontecer alguma coisa de bom e justo com a descoberta. Mal comparado, trata-se de uma miragem parecida àquela que perseguem os que babam de inveja com o sucesso das modernas vedetas dos realitty shows de televisão, cujo topo de carreira será um dia serem famosos por serem famosos. Mal comparado, claro. Ou talvez não.


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Anónimo a 8 de Maio de 2008 às 13:08
RVN:
Fiquei surpreendida com os tais «destaques do Sapo». Desconhecia. Acabei por ter curiosidade e fui espreitar o tal blog que recusou aceitar a «honraria». Só não entendo como pode a dor de ter perdido uma filha (assim me pareceu, por alto) ser motivação para se escrever, afinal publicamente, sobre isso...Apenas «reservado aos amigos» ? O blog? De que forma? Será capaz de me explicar, a ver se entendo?
Outra coisa: ao ler nos seus «gatos» o texto do Valupi, surgem outras dúvidas. Blogs lidos «só por algumas dezenas de leitores« ? «Em casos raros centenas» ? «E será preciso ser extraordinário para ser lido por milhares»!? Como é isso?
Tenho um contador há pouco mais de um mês. Verifico, espantada, que já vai em cerca de 2000 visitas e muitas mais páginas lidas. Como tenho acesso privado, vejo que muitos dos visitantes são das mesmas localidades. Muitos deles vão ao Sarrabal quase diariamente! E aparecem também, por vezes igualmente repetidas, visitas de variadíssimas partes do mundo. Como é, o contador não «fala» verdade?
Sou apenas eu que me leio, ou o Sarrabal é assim tão «extraordinário» !?
Rui, ajude-me, ok?
Abraços da Sol


De Anónimo a 11 de Maio de 2008 às 18:47
sol,
ajudava com gosto se tivesse capacidade e conhecimento para tanto. Receio no entanto não ser esse o caso.
Aproveito para lhe dizer que passei ontem um belo bocado nop sarrabal, com a história do amêndoa pintor e do avô Rafael da menina angolana (por falar nisso, desconhecia o talento da Eugénia Neto, foi mais uma surpresa). Fico feliz por estar a escrever mais agora e ter o sarrabal up date.
Quanto aos visitantes, confesso que não é propriamente uma coisa que determine o meu dia a dia. A maior parte das vezes esqueço-me de ir checar as visitas do dia e passam-se alguns sem eu querer saber.
Cumprimentos


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas