Sábado, 10 de Maio de 2008
O pífio 'Apito Final', ou 'de páifio fainal apaito', em estrangeiro.
Sábado, 10 Mai, 2008

Pinto da Costa foi suspenso por dois anos, João Loureiro foi suspenso por quatro anos e João Bartolomeu, presidente da SAD da União de Leiria, foi suspenso por um ano. O tricampeão português FêCêPê perde seis pontos, o Boavista desce de divisão e a União de Leiria, já despromovida à Liga de Honra, perde três pontos. Isto só para começar a cumbersa. Mas há mais. Além de perder seis pontos, o FêCêPê foi ainda condenado ao pagamento de uma multa total de 150 mil euros, enquanto o seu presidente, o impagável Jorge Nuno dos casórios com gajas complicadas, foi punido com uma multa de dez mil euros a juntar à suspensão por dois anos, o que lhe deve ter complicado os trocos durante uns dois dias ou três. Tudo isto por dois processos instaurados pela LPFP, seguidos, por corrupção tentada e agora comprovada. Como dizia o saudoso António Silva, n'O Leão da Estrela': 'Ora toma lá que já almoçaste!'. Ponto, mas não final. Apenas parágrafo.

 

Estas são algumas das punições deliberadas pela Comissão de Disciplina da Liga Portuguesa de Futebol Profissional no âmbito do caso ‘Apito Final’. Os clubes foram notificados esta sexta-feira e podem recorrer das sanções até à próxima semana, mas o FêCêPê do Jorge já mandou dizer que tá-se bem, ksslixe, mais ponto menos ponto... não se fala mais nisso. E com mais ou menos cumbersa, mais ou menos reacção, declaração, contestação, afirmação ou palavrão a verdade é que o assunto já não tem mais assunto, esgotou-se na solução oferecida pela justiça nacional. Põe-se uma pedra sobre a coisa e acabou-se. Um destes dias, claro.

 

Bem, os mais ingénuos perguntarão nesta altura: "Então mas a justiça não falou já? E não tem a última palavra nestas coisas?". Pois há que recordar a essas almas generosas que não senhor, nestes casos nem sequer há a última palavra, propriamente dita. O que há (ou vai haver, calma, isto foi hoje, há bocadinho...) é a ironia final, acreditem, o derradeiro vexame da decência nacional, a humilhação final que vai acontecer no dia e na hora em que um destes padrinhos da bola largar aos microfones, ávidos do favor de um bitaite chicaneiro para pagar audiência, a grande posta da que antes de o ser já o era: eu cá sou inocente, foi mais uma grande injustiça, mas nós já estamos habituados e blá blá blá. E o mais provável é que o escolhido seja o de sempre, a vedeta do costume, pioneiro dos atrevidos de serviço, o capo da piada fácil e resposta pronta, faraó dos caga-postas e pentaarrebentacampeão, carago, o máióre, o gajo que manda e mainada: o Xorge! Deixem cum ele qu'ele é kssabe, carago, dá-lhes que cuntar e bibópuerto, carago! E a populaça vai aplaudir em delírio; e vai pular e gritar e espumar e rojar-se aos pés deste barro moldado à medida do seu deslumbramento saloio. E vai chorar por mais, provada a sacanagem, ébria de uma impunidade só sonhada em noites muito, mas muito loucas, mesmo! Bocês biram cumo se fache, fuôdasse? É dar-lhes a bolta, carago, num há que ter medo, ora beijam o Xorge Nuno e apreandam, carago. Apreandam.

 

E pronto. Ontem já passou, amanhã é outro dia, a vida são só dois e o carnaval só três. P'rá frente é que é o caminho, para trás mija a burra. Vamos ao que ficou no pó da estrada, no eco dos dias. Gravado na pedra, de gelo.

A SAD portista recusou comentar as sentenças da Comissão Disciplinar. O antigo presidente da SAD do Boavista, João Loureiro, além de suspenso por quatro anos terá de pagar uma multa de 25 mil euros. A SAD do Boavista, punido com a descida de divisão e uma multa total de 180 mil euros, já disse em conferência de imprensa que o clube vai recorrer para o Conselho de Justiça de Federação Portuguesa de Futebol. A SAD da União de Leiria informou que vai recorrer da multa de 40 mil euros a que foi condenada por alegada tentativa de corrupção, porque diz “não compreender nem aceitar” a punição relativa à “hipotética entrega de um telemóvel” ao árbitro assistente do jogo União de Leira-Belenenses, da 20.ª jornada da Liga da época 20032004 (1-1), Bernardino Silva. A Comissão Disciplinar da Liga de Futebol puniu o profissional Augusto Duarte com seis anos de suspensão, Jacinto Paixão com quatro, e Martins dos Santos com três anos. Estas deliberações resultam do processo desencadeado através das certidões extraídas do caso ‘Apito Dourado’, relativo a corrupção desportiva. E sim, foi uma porra chegar ao fim deste processo, duas porras provar fosse o que fosse, e um milagre o pouquíssimo que se conseguiu.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De PypaMary a 10 de Maio de 2008 às 03:16
Bom dia. Ninguém. Nunca.


De Pirate a 10 de Maio de 2008 às 13:07
Fabulosa a imagem do Papa do FC do P, penso eu de que...
Foi esclarecedor ver e ouvir, Pinto da Costa na conferência de imprensa, com um certo ar de gozo, com o habitual humor cáustico, como que a dizer subliminarmente:
Tou-me C****** para bocês todps !
Ele lá sabe porquê....


De shark a 11 de Maio de 2008 às 22:29
Épá, como é que conseguiste encaixar o "cardeal" ali num canto do texto?
Andas a aprender a coisar onde, que me deixas assim todo invejoso destas novidades numa altura em que o charco começa a bater mal?
Cheira-me a apito, a Saci é que te mordeu...

(Um gajo com o blogue todo marado e este man chega aqui e até bota gravuras nos cantos...)


De Rui Vasco Neto a 11 de Maio de 2008 às 22:36
sharky,
sem espinhas, fazes o 'enviar' da foto, depois de seleccionada,. aparece-te uma caixa a dizer que foi um secesso, dás o ok e a caixa que está debaixo tem, à esquerda em baixo, uma opção 'alinhamento'. clicas aí e ele dá-te as opções várias, uma delas 'direita' - a que eu usei for the pope.
não disse que era sem espinhas?


De Saci a 12 de Maio de 2008 às 01:07
Eu ladro mas não mordo, sr. Tubarão.


De shark a 12 de Maio de 2008 às 14:15
Olha, mais uma coisa que temos em comum...


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas