Quinta-feira, 15 de Maio de 2008
O meu lapso
Quinta-feira, 15 Mai, 2008

 

Fora de brincadeiras, longe de ironias. Factos apenas, nada de juizos. Falemos a sério, triste e lamentavelmente, que a situação assim o exige por mais que possa não parecer. Eu cá acho que é da maior importância ouvir e atentar nestas palavras do senhor Engenheiro José Sócrates, primeiro ministro de Portugal, e nelas procurar aquele timbre inconfundível da sinceridade, o plim da verdade verdadinha, a ver se lá está. O Manuel Melo é aquele xavalo que agora faz umas palhaçadas nas madrugadas da TVI com uma louraça muita boa que abana aqueles seiões lindos e generosos (que devem ser, digo eu, sei lá) só para o pessoal telefonar lá para o programa e fazer figuras tristes.

 

Recorde-se que a visita à Venezuela tem uma agenda de peso e importantes questões em cima da mesa das negociações empresariais. Como os vários acordos assinados entre a GALP e a PDVSA, a petrolífera venezuelana, que prevêem a importação de 4 milhões de barris de petróleo em 2009, por exemplo, ou a liquefacção e comercialização conjunta de gás, ou ainda a construção de quatro grandes parques eólicos, em significativas parcerias financeiras. Pois o Manuel Melo até parece que nem tinha fumado o cigarrinho inteiro, 'só duas ou três passas', fartou-se de jurar. Uma amiga dele é que sim, pronto, tinha ido fumar para a casa de banho do avião e agora estava ali armado um banzé dos diabos. E como o Manel era mais conhecido deu mais nas vistas, isto do pessoal da televisão já se sabe.

 

A questão da segurança da imensa comunidade portuguesa radicada no país de Hugo 'por qué no te callas' Chavez também é outro tema a merecer a particular atenção de José Sócrates e comitiva nesta visita, a par dos interesses comerciais, atendendo ao longo historial de violência e tragédia que há anos se vem abatendo sobre muitos dos nossos emigrantes em terras venezuelanas, dezenas, centenas de vidas ceifadas por mãos criminosas. O Manel Melo lá tentou dar a volta ao comandante, afinal era um grupo de actores e técnicos o que ali estava, a caminho do Brasil para gravações marcadas pela produção da TVI, era o trabalho todo que estava em jogo, ainda disse umas larachas para arrancar umas gargalhadas à tripulação e ao comandante... Mas foram todos recambiados de volta para Lisboa, no meio de uma escandaleira tal que a companhia aérea disse mesmo em conferência de imprensa que 'a atitude impensada dos dois actores pôs em risco a segurança da aeronave e de todos os que nela viajavam'.

 

O primeiro ministro José Sócrates já veio pedir desculpa ao país por ter sido apanhado a fumar no vooo para Caracas, como um qualquer Nunes num reveillon de Casino, como um qualquer Manel Melo no WC de um qualquer avião. Coitado, compreende-se. E eu próprio quero também pedir muita desculpa por ter talvez misturado neste texto duas situações que não têm nada a ver uma com a outra, não podem ter, só pode ter sido erro meu, pequeno lapso. É que nem elas nem eles se podem misturar, sequer, ora vejamos: afinal um rapaz que diz umas larachas na televisão é  uma coisa, um primeiro ministro de um país é outra bem diferente, mesmo que também diga umas larachas na televisão. Ou será que não é assim? Os comportamentos de um e do outro não têm comparação, não podem ter, seguramente. Ou será que podem e têm? Ná, não é possível, acabou-se. Foi definitivamente um erro, um pequeno lapso da minha parte, certamente. Aceitem pois os senhores as minhas desculpas. E não se fala mais nisso.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De apereira a 15 de Maio de 2008 às 14:23
Nesta “democracia” da Tugolândia, todos são iguais, mas… alguns são mais iguais do que outros…
Atentemos em que não está em causa o viciozinho privado do PM - sempre desconfiei de homens sem vícios - o que releva no caso presente é que “DURA LEX SED LEX” e o exemplo deverá vir de cima, ou então andamos aqui neste pais de faz de conta a brincar às democracias…
Por muito menos já se demitiram membros de governo de países europeus, esses sim, verdadeiramente democráticos !



De pereira a 15 de Maio de 2008 às 14:24
È lamentavel que a pessoa que fez a lei vir alegar que desconhecia a lei. Isto é ridiculo. É gozar com a cara dos portugueses que só servem para pagar impostos e multas.
Se fosse eu a ser apanhado a fumar num qualquer ligar proibido por lei a multa era certinha e direitinha e mais segundo sei nem em tribunal se pode alegar o desconhecimento da lei, e isto foi-me dito por um advogado.
O unico problema aqui é que ele foi apanhado pelas camaras e depois vem com desculpas estupidas de mau pagador. Nojento.
E já agora então a ASAE e a DGS não dizem nada ????
Está demonstrado que para os politicos existam portugueses de primeira, segunda e terceira categoria que somos todos nós os tristes pagadores de impostos.

PS
Eu, quando for apanhado a fumar "às escondidas" em lugar proíbido, também vou fazer um ar inocente e cândido e dizer para a autoridade fiscalizadora:
"Oh, eu não sabia...desculpe lá qualquer coisinha"
Pronto estou garantido, já não vou pagar a tal multa que pode ir aos 700 euros...


De jneves a 15 de Maio de 2008 às 14:27
Salvo erro houve um assistente - tipo secretário de estado - do ministro do ambiente britânico, que foi "flagrado" a fumar em local proíbido e na semana seguinte ele próprio apresentou a sua demissão...
Pois mas a Velha Albion - vulgo Inglaterra - é um país subdesenvolvido e não democrático...
Pois, pois...J Pimenta... :-)
Não estão em causa os vícios privados, mas sim as públicas virtudes perante a lei que é para cumprir por todos sem excepção...se fosse eu ou o caro Rui a puxar do cigarrinho em pleno vôo lá viria a "aeromoça" com cara séria a dizer para voltar com o dito à procedência...
Como diz o povo, à mulhar de César não basta ser séria...


De Anónimo a 15 de Maio de 2008 às 14:34
Quero lá saber se o PM Sócrates vai deixar de fumar ou não...nada tenho a ver com os respectivos vícios privados, os do tabaco e os outros...nem eu nem ninguém...
Devemos no entanto é começar a perceber bem o carácter e ética do dito homo sapiens que é nosso PM antes das legislativas de 2009...
Como diria George Orwell todos são iguais perante a lei, mas alguns são mais iguais do que outros...
E não adianta dizer que o país tem coisas mais importantes do que o cigarro de Sócrates para discutir, porque é nestas pequenas coisas que se avalia o carácter de quem nos governa...entourage incluída...
As regras são para o lupen proletariado...
Como cantava o Sérgio o Godinho, a vida é feita de pequenos nadas...


De Samuel a 15 de Maio de 2008 às 20:00
Eventualmente... todos deixarão de fumar.
Já quanto às desculpas, Pinto de Sousa pode refundi-las e armazená-las onde lhe der mais jeito.


De sergio dias a 15 de Maio de 2008 às 22:53
Pronto ! Agora já tenho solução, quando o fiscal da ASAE me quiser multar com uma coima que pode ir dos 50 € aos 700 €, digo-lhe que ele não passa de um calvinista social radical e está o caso resolvido...

Se a arrogância, pagasse imposto Sócrates já estaria na lista negra de devedores do fisco há muito tempo...é nestas pequenas coisas que se conhecem o carácter e a ética de quem nos governa...

Faria bem o PM se metesse o dito entre as pernas e para além de pedir desculpa - não fez mais do que a sua obrigação - pagasse voluntariamente a coima a que estaria sujeito em condições normais. O resto é pura poesia...

E não se iludam estes «fait-divers» dizem muito sobre a personalidade e modus operandis de Sócrates...


De ZENDO_55 a 15 de Maio de 2008 às 23:25
Passados 34 anos depois do 25 de Abril, com a denúncia pública, da prática de um acto ilegal por várias pessoas, das quais o 1º ministro, está provado que ainda há nesta sociedade péssimos costumes: da perseguição pidesca e de execráveis bufos.

Esse sacana de merda possivelmente viu o "furo" para poder subir nas vida no jornaleco do patrão da sonae. Só espero que quando tiver um "deslize" na sua vida este um filho da puta pior que ele para o denunciar publicamente. É o que merece !


De Antero de Quental a 15 de Maio de 2008 às 23:32
Ver o segundo comentário de Antero de Quental, na opinião do Dr. António José Seguro, no jornal o Expresso, em:
http://aeiou.expresso.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ex.stories/310373


De Pedro Morais a 16 de Maio de 2008 às 14:58

http://arrastao.org/socrates/2984/#respond

De preferência quando o dito estiver a 10000 pés de altitude…
Poderá também adoptar uma outra solução:
Usar aquelas asas a jacto que se colocam nas costas e que foram testadas com êxito por um piloto Suiço…aí, caro Sócrates terá uma total autonomia de vôo, sem nenhum jornalista ou fiscal da ASAE a “tolher-lhe os movimentos” ou a censurar-lhe vícios privados…
Voe sr PM, voe qual Ícaro por esses céus afora…



De Pedro Monteiro a 16 de Maio de 2008 às 15:44
Aqui vai um protesto dirigido aos
CALVINISTAS SOCIAIS RADICAIS !!!

http://www.youtube.com/watch?v=2WX_4FNoto4

By Sócrates


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas