Domingo, 1 de Junho de 2008
Momento de reportagem (emocionante)
Domingo, 01 Jun, 2008

A selecção nacional de futebol, perdão, a Selecção Nacional de Futebol (assim sim) chegou hoje a Neuchatel e o mínimo que se pode dizer a esse respeito é que foi porreiropá! Mas eu vou mesmo mais longe. Foi bestialmente emocionantepá, e só quem acompanhou pela televisão a aventura da chegada da nossa selecção, perdão, Selecção, é que sabe daquilo que falo. Pá.

 

Só para vos dar uma ideia, os jogadores da selecção nacional de futebol, perdão, da Selecção Nacional de Futebol sairam do hotel para o autocarro e do autocarro para o avião e do avião para o autocarro e do autocarro para o hotel. O que é incrível, não é? Quer dizer, não foi? Mas há mais, acreditem. Os jogadores da Selecção Nacional de Futebol foram saudados no aeroporto por milhares de portugueses, emigrados na Suíça, que não quiseram deixar de marcar presença na chegada dos representantes da pátria querida e saudosa, assim recebidos pela alma lusitana e com o maior entusiasmo. Também é certo que os nossos emigrantes vão poder ter o privilégio de assistir aos treinos da nossa selecção, desde que comprem o bilhetinho de treinos especialmente criado para esta gloriosa e inesquecível ocasião, exactamente a pensar neles (e nas suas bolsas, evidentemente); mas mesmo assim foi um gesto muito bonito e patriótico, disso não há dúvida.

 

É também bastante importante referir que a Selecção Nacional de Futebol foi acompanhada durante todo o percurso por várias equipas de reportagem de televisão, com directos seguidos de directos e todos em directo, directamente. Foi assim directamente graças à SIC, RTP e TVI que o país inteiro esteve passo a passo e minuto a minuto com os seus ídolos, todos juntos à saída do hotel, à entrada do autocarro, à entrada do hotel e à saída do autocarro, dentro do avião e à saída do mesmo, e ainda dentro e fora do autocarro e à entrada e à saída do mesmo, para além de lado a lado com o mesmo em mais do mesmo até ao hotel. Também enquanto seguia nesse autocarro, que era o mesmo, a Selecção Nacional de Futebol foi sempre acompanhada por quatro carros da polícia Suíça, cada um com quatro rodas, mesmo. E quando os senhores chegarem finalmente à inevitável conclusão de que tudo aquilo que eu escrevi até aqui não tem ponta de interesse, que destas escassas linhas não escorre sequer um pingo de informação que justifique o tempo e o esforço que os senhores tiveram de despender para as ler, então o esboço de irritação que sentirem nessa altura não passará de um pálido reflexo do estado semi-catatónico em que me encontro depois do chato e comprido supositório informativo que me foi imposto a propósito da selecção nacional de futebol, perdão, da Selecção Nacional de Futebol, esse momento de acuidade e relevância informativa só talvez superado pelo directo televisivo da transladação dos restos mortais da Irmã Lúcia. E assim finalmente nos entenderemos, escriba e seus leitores, no sempre fascinante milagre da comunicação. E da selecção. Perdão, Selecção.

 

Uma dúvida final, a terminar este momento de patriótica partilha: sendo bíblico, logo certo, que as bem-aventuranças cobrem a pobreza de espírito, os senhores já pensaram a confusão de bandeirinhas e cachecóis que deve ir pelo reino dos céus, neste momento?



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Saci a 2 de Junho de 2008 às 00:10
A mim fez lembrar-me a histórias da Anita.
A Selecção no Autocarro.
A Selecção na A5.
A Selecção no Avião.
A Selecção no raioqueosparta.

Só uma correcção: não foi só a SIC que transmitiu em directo. RTP e TVI também. Só mudava o ângulo. E a imagem da RTP era um cadito mais escura. E a da SIC um nadinha mais brilhante.

Beijos

P.S.- Ouvi na SicNoticias (hoje tenho esse luxo) que na Suiça, dois carros ( um da comitiva e um da policia) bateram 3 vezes no percurso do aeroporto ao hotel. Mas isso não transmitiram eles......


De Rui Vasco Neto a 2 de Junho de 2008 às 00:36
saci,
é preciso é calma, muita calma. os meus enviados especiais já informaram que dessas três batidas resultaram quatro mossas e duas lascas de pintura saltaram para o lado esquerdo.
está tudo controlado, como vês.
é o que eu dizia, é preciso é calma.
xuac.


De Rui Vasco Neto a 2 de Junho de 2008 às 00:38
saci,
e mais: já fiz a correcção da rtp e sic, com os meus agradecimentos.


De Samuel a 2 de Junho de 2008 às 00:29
Falta acrescentar que o meu grande esforço para não vomitar de cada vez que aparece mais um directo da selecção, perdão, da Selecção, vai muito rapidamente ser um esforço inglório... mas isso tu não podias adivinhar e de qualquer modo já tens os teus próprios problemas... e prontus. é tudo.


De Rui Vasco Neto a 2 de Junho de 2008 às 00:34
sam,
pois se o pior vier a acontecer nesses teus refluxos compulsivos pensa sempre que, uses o que usares para limpar o queixo nesse momento, a bandeira nacional é que nunca e o cachecol da selecção, selecção, da Perdão, é que não. Que confusão. Atão.
Patinha?
(Prontus, também é tudo, que eu cá não sou de me ficar.)


De Daniel de Sá a 2 de Junho de 2008 às 01:30
A propósito do texto, não do assunto:
Rui, conheces o filme "La Nuit Americaine", do François Truffaut? Ele apresenta lá filmagens como se fosse em tempo real até cansar a gente com repetições incontáveis. Assim um tipo acaba por se sentir cansado como o próprio realizador. Por isso se trata de um filme genial.
Percebeste a metáfora ou é preciso explicar?


De Rui Vasco Neto a 2 de Junho de 2008 às 01:38
daniel,
julgo ter percebido que há elogios que se fazem valer em dobro, só pela arte com que são feitos.
percebeste a resposta ou tenho que pedir ao daniel de sá que te explique?


De Daniel de Sá a 2 de Junho de 2008 às 01:48
Percebi sem ter de pedir explicação a ninguém. E juro que carreguei na tecla do acento quando tentei escrever "américaine", mas o meu teclado é duro que até me gasta os dedos, e às vezes não entra o sinal pretendido.


De Anónimo a 2 de Junho de 2008 às 02:44
Não FalemMal Da Minha selecção nacional, Meus Ricos Meninos. O Futebol Português Está Repleto De Grandes Exemplos: valentes e valentinhos, pintos e pintainhos, Coitadinhos. São Todos Bons Rapazinhos. Viva A selecção nacional!!!!!!!!!!!!!!!
Amém


De Alfredo Gago da Câmara a 2 de Junho de 2008 às 03:06
Rui e Daniel, qualquer jogador da selecção perceberia logo à primeira o que voçês andaram "engonhando" um com o outro. Isso não é para qualquer um. O Daniel deveria ter umas lições de português com eles e o Rui certamente aprenderia como é que se fala desinibidamente e inteligentemente para uma câmara de televisão. Por isso é que eles ganham super bem e têm a comunicação social sempre à perna...Engenheiros.


De PypaMay a 2 de Junho de 2008 às 16:26
Pois. E eu tenho 2 metros de altura e peso 20 Kg. , ó tu, aí da casa : estou sem computador, tenho de usar o do meu marido, dividindo-o ainda com o meu filhote, quase dá briga !!! Mas diz-me lá, já consegues comer um cozido (ou cosido ???) nas Furnas ???


De vovó Maria a 2 de Junho de 2008 às 08:32

e vai ser um mês inteirinho !!!!!!.......

abreijos


De Pirate a 2 de Junho de 2008 às 13:11
FUTEBOLÂNDIA, no seu melhor ou seja uma espécie de Alice no País das Bolas e Berlindes...
As TVs de canal aberto, incluindo a pública estão cada vez mais iguais, aliás poderiam ter até um único responsável pela programação e alinhamento editorial...
Não há zapping que valha à nossa impaciência !
Estamos perante uma espécie de BIG BROTHER onde os protagonistas são os LADS da Bola...o dia a dia dos rapazes é escalpelizado até à exaustão...
Felizes daqueles com Cable TV e que podem alegremente migrar para outras latitudes...
Aos outros resta uma solução muito simples: OFF desligar o demoníaco aparelho e fazer festas ao cão, aos filhos, à esposa(o) ou namorada(o) ou outra coisa qualquer...lucram muito mais, acreditem !
E no meio de tudo isto fica-se com aquela sensação desconfortável de que a montanha poderá parir um rato...


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas