Terça-feira, 3 de Junho de 2008
Sinceramente: isto cada um é p'ró que nasce.
Terça-feira, 03 Jun, 2008

Manuela Ferreira Leite é desde sábado passado o rosto da nova liderança do Partido Social Democrata, escolhida pelos militantes laranja em função dos seus atributos de sobriedade pessoal, dureza política e competência técnica. Foi Ministra da Educação do XII governo (93/95) e Ministra de Estado e das Finanças do XV Governo Constitucional, antes de se zangar com Pedro Santana Lopes e bater com a porta em 2004. É a senhora da foto da esquerda, para quem possa ter dúvidas. Nada mais natural, de resto, se considerarmos que a senhora da foto da direita é também uma mulher da vida política, por sinal uma Ministra, nada menos. Com efeito, a senhora de preto que está na foto da direita chama-se Maria Rosaria Carfagna e foi nomeada, no passado dia 6 de Maio, Ministra para a Igualdade de Oportunidades do IV Governo de Sílvio Berlusconni, uma pasta com particular responsabilidade social. E visibilidade, claro, coisa que não falta a la signora Carfagna. O primeiro ministro italiano, de resto, não tem sido nada parco nos elogios que faz à beleza da sua ministra e ex-modelo fotográfico. E de tal forma assim é que Berlusconi já deu mesmo origem a (mais) um escândalo com a sua própria mulher, ao afirmar que casaria com Maria Carfagna pela sua beleza. Nada que remotamente se pareça com o passado por cá das inúmeras vezes que o agora Presidente Cavaco Silva rendeu públicas, extensas e sentidas homenagens à competência técnica de Manuela Ferreira Leite e à sua própria personalidade e maneira de estar na vida, duas faces da uma mesma moeda-forte do cavaquismo: uma postura de coerência, pessoal e política, de austeridade e de rigor, até de contenção verbal que positivamente encanta Cavaco e ainda merece o entusiástico apoio da nossa Primeira-Maria, tão público e notório como só ela consegue que seja uma mímica de consorte presidencial.

Maria Rosaria Carfagna e Manuela Ferreira Leite são duas mulheres na primeiríssima linha da vida pública dos seus países, dois expoentes da política no feminino que não poderiam ser mais diferentes entre si, sem desprimor ou menosprezo de nenhuma perante a outra. Exibi-las a par, tanto como compará-las, tem o seu quê de obsceno se nos ficarmos pela caricatura grosseira de uma, ou pelo mamilo exposto da outra. Mas há muito mais a considerar no percurso individual de cada uma destas pessoas, por acaso mulheres, dos respectivos pontos de partida até às cadeiras do poder que hoje ocupam e mesmo na forma como desempenham os seus papéis. Eu cá teimo em que há por aqui uma moral da história para reter e guardar, uma lição a aprender. Qual? Não sei ainda, vou continuar à procura. Ela há-de estar por aqui algures.


tags:

publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De vitório rosário cardoso a 3 de Junho de 2008 às 13:55
quem quer comprar carne de 1ª qualidade é favor de me contactar...vendemos carne fresca do sudoeste asiático.Carne tenra e fresca ( ainda menores)de primeira mão, sem doenças contaminadas, algumas ainda usa fraldas....vitório é prova de qualidade. também tenho bom vinho, da terra do meu avô, loucor beirão acompanhado com o chouriço português do meu avô...ainda tenho pra vender os meus tomates, ainda virgens e frescas...acompanha de suco bem doce...pois confeço que tenho diabetes, ainda vendo em saldos bananão bem grande de de marca tiu monte, acreditam que nunca virão banana tão grande e rígida, também acompanhada de suco que é especialidade da casa...não esqueçam que também tenho chourição (dos grandes)à venda e tão boa qualidade que até se vibram...fazemos entregas ao domicílio...para terminar apresento-vos o meu chouricao de burro, directamente do meu quintal sempre de melhor qualidade, e garanto-vos quevao ficar mais espertos depois de comer chouricao de burro

saudações


De até estou apardalado a 3 de Junho de 2008 às 17:49
Mas e este palerma existe ou foi um passarinho que cagou aqui?


De Daniel de Sá a 3 de Junho de 2008 às 18:34
Pelo amor de Deus, não confundas passarinhos, ainda que sejam pardais, com seres que negam aquela opinião, que se tem por universal, de que os animias não falam.


De Saci a 4 de Junho de 2008 às 02:16
Este pardal fala, Daniel. Até se "confeça ". Diz ele.
E hoje escolheu a parede do Rui.


De Daniel de Sá a 4 de Junho de 2008 às 02:33
Saci, para bicho até não está muito mal escrito. Mas se bicho escrevesse não diria tantas palermices.


De até estou apardalado a 3 de Junho de 2008 às 18:46
Mas e este palerma existe ou foi um passarinho que cagou aqui?


De Anónimo a 3 de Junho de 2008 às 20:18
Simples. Anda aí um anormal invejoso com nome "clonado", até porque não tem o chamado "Open ID"...


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas