Sexta-feira, 27 de Junho de 2008
Bom dia. Hoje parece estar tudo azul para estes dois.
Sexta-feira, 27 Jun, 2008

«O candidato democrata às presidenciais Barack Obama e a senadora Hillary Clinton embarcam no avião, em Washington, rumo a New Hampshire, onde farão um comício juntos.

 

Com esta aparição lado a lado, os dois democratas dão sinais de reconciliação e mostram que estão a tentar sarar as feridas abertas durante a longa e disputada campanha de nomeação para as presidenciais.»

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Daniel de Sá a 27 de Junho de 2008 às 22:03
Aquele azulinho pelo menos não é à FCP. (Note-se que não tenho nada contra o Porto cidade nem o Porto clube, mas rivalidade desportiva é outra coisa.)
Espero sinceramente que o Obama ganhe. Aliás, depois do Bush qualquer pessoa serviria.
Rui, não me zango pelo que fizeste ao meu texto sobre a Maia. Se calhar o que acrescentaste até vai ser a parte a que os leitores acharão mais graça.
Um abraço.


De Rui Vasco Neto a 27 de Junho de 2008 às 22:37
Meu querido e bom amigo,
É minha convicção sincera que aquele acrescento transmite uma dimensão humana ao personagem cuja falta se sentia no excelente texto que escreveste. Isto para além de estar redigido com o descompromisso e a familiariedade próprios do recado privado. Daí que pesado o que ficou dito, a forma como foi dito e o contexto paralelo da prosa, achei que era um retoque bem achado meter ali, naquele lugar exacto, aquilo que, não faltando, acabou por completar, no fim das contas.
Havia um contra, porém: não fazia qualquer sentido sobrecarregar-te com o ónus de uma decisão que podia e devia ser minha, até para te poupar em termos editoriais. Só não a tomaria se me passasse pela cabeça que te passaria pela cabeça que eu não tivesse cabeça para distinguir o que é privado, definitiva e absolutamente, daquilo que, sendo privado, não é de foro tão íntimo que seja indelicadeza ou grosseria divulgar, numa excepção amplamente justificada. Mas por aí sinto-me tranquilo, de facto. Sei que tu sabes que eu sei, e mais: sei também que tu sabes que eu sei que tu sabes. No fundo é simples, desde que a gente não complique, claro.
Abraço-te, ó da Maia.


De Cristina a 27 de Junho de 2008 às 23:15
Querido Rui
Gosto de teu humor, e de teus retoques...Concordo que as coisas são simples, nós é que tentamos complicá-las.
Tenho adorado acompanhar tuas falas, teus comentários e as introduções aos textos de Daniel.
Formam uma grande parceria.
Deixo-te aqui além de minha admiração, um beijo carinhoso.


De Rui Vasco Neto a 28 de Junho de 2008 às 00:52
cristina,
obrigado pelas tuas palavras. O que sei de ti torna fácil o gostar e, para matar qualquer dúvida, o que o Daniel gosta de ti diz mais que qualquer apresentação. Sê benvinda cá pela loja, a casa é tua. Aqui, também somos todos palhaços; em alguns dias, até de Deus. Outros nem tanto.


De Rui Vasco Neto a 28 de Junho de 2008 às 14:47
cristina,
escrevi (e mal) benvinda em vez de bem-vinda. Não sei porquê, mas escrevi. O nosso Dainel (e bem) avisou-me. Fica a rectificação. Ooops!


De Cristina a 28 de Junho de 2008 às 17:12
Bom dia Rui , agradeço o carinho, e o espaço.
Somos todos artistas, personagens nesta vida, somos críticos da arte alheia e também da nossa. E assim caminhamos todos para um fim comum, embora tentamos negar o fato. Por caminhos diversos onde o final é comum. E nesta estrada, por bênção encontramos diversos artistas que fazem compensar a caminhada: Rui, Daniel, Manuel, Joaquim, Lia, Saci e alguns que permanecem com os rostos pintados.
Um beijo carinhoso no coração.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas