Terça-feira, 15 de Julho de 2008
Olhe, pssst, se faz favor, isto é um assalto, por obséquio. Sim?
Terça-feira, 15 Jul, 2008

Se repararem é coisa não rara, antes um fenómeno assim a dar para o regular. De vez em quando lá aparece mais uma destas 'curtas' na imprensa diária, a contar mais um assalto a uma dependência bancária levado a cabo por mais um ladrão solitário, solícito e educado, sem grandes aparatos de artilharia e quase sempre sem qualquer violência no modo de operar. Simples e funcional. Chega e entra, leva e vai. Em meia dúzia de linhas, na secção dos casos de polícia, a 'curta' traz a hora e o local, as circunstâncias dos presentes na ocasião e as linhas muito, mas mesmo muito gerais dos testemunhos oculares. Pouco mais, geralmente. É sempre omissa quanto aos valores roubados, facilidades dos métodos utilizados ou quaisquer outros pormenores que possam ser reveladores do sucesso factual do assalto em si, (momentâneo ou não), sempre um embaraço indisfarçável para as autoridades. Não só pela impressionante quantidade de assaltos com estas características, suspeito, mas principalmente pelo elevado percentual daqueles que são bem sucedidos.

 

Devo dizer-vos que estes factos não são, para mim, necessariamente indicadores de ineficácia policial, antes são absolutamente esclarecedores da dificuldade em estabelecer um perfil padronizado deste profissional especializado, digamos, face à incrível variedade de figuras humanas que já foram descobertas debaixo desta pele de ladrão. Polícias, por exemplo, já aconteceu e acontece, não tão raro. Um dos casos exemplares de polícia/ladrão que recordo foi notícia há bem pouco tempo, um militar da GNR que fazia vida dupla assaltando bancos na linha do Estoril. Foi apanhado no dia em que tentou três vezes roubar a mesma agência com um método singular: entrava, direito ao balcão e entregava ao primeiro funcionário uma folha que dizia "Isto é um assalto: passe para cá o dinheiro."  Três vezes lhe disseram que não, naquele dia em Sassoeiros, na última foi preso, já na rua. Terá usado a mesma técnica em sete assaltos, diz a polícia, alguns consumados outros nem tanto: "Sempre que os funcionários se recusavam a dar o dinheiro saía das agências sem violência", confirma fonte policial.
 

A história dos assaltantes solitários é multifacetada no que concerne aos personagens que lhe vão escrevendo as muitas páginas desta colecção sem fim à vista. Verdadeiras figuras de culto, como Arséne Lupin ou Gino Meneghetti, criaram a lenda do ladrão charmoso e elegante que não só nunca era apanhado como ainda coloria a imaginação aventurosa do mulherio, esse público fácil dado a frémitos espinais perante a audácia criminosa e rico em arrepiozinhos entrecoxas ao menor sinal de perigo. E assim ganhou o mito os seus seguidores aplicados, em versões personalizadas e modernas, gente insuspeita que vive duas vidas e um grande segredo. Que eles existem, isso não deixa dúvidas o historial de casos por resolver envolvendo assaltantes solitários e misteriosos. E a verdade é que há bem mais do que aqueles que se sabe existirem de certeza: os apanhados. Muitos outros são apenas fantasmas para as autoridades, durante anos e anos, vidas inteiras vividas sob uma capa de impecabilidade social, figuras proeminentes, até, das sociedades locais de que fazem parte activa. No Algarve dos anos 40, 50, por exemplo, fez história o caso do ladrão de residências que durante mais de trinta anos 'limpava' as casas de vizinhos e conhecidos enquanto os sabia no cinema ou em festas que ele próprio frequentava, marcando presença e sendo visto, para depois sair furtivamente e transferir todos os valores roubados para um esconderijo situado na sua própria residência, em Faro, na mesma rua de muitos dos assaltados. Foi esse mesmo esconderijo, um sótão falso de umas águas furtadas, descoberto após a sua morte, que viria a ser a única prova que fez a vizinhança acreditar que aquele homem pacato, honesto e trabalhador, tinha vivido duas vidas no tempo de uma, enganando o mundo inteiro mesmo debaixo do nariz de toda a gente.

 

Temos assim de tudo um pouco, neste ramo da ladroagem. Desde o impulsivo desesperado que arrisca tudo impensadamente por ter nada a perder, improvisando a cada passo, até ao profissional do gamanço que não descura pormenores e é meticuloso e preciso no seu modo de operar, os assaltantes solitários compõem um universo de diferença que tem um único ponto comum: 'trabalham' sozinhos. O caso mais recente e conhecido é sem dúvida o de Jaime Giménez Arbe, "El Solitario", o assaltante de bancos que era o mais procurado em Espanha, acusado da morte de dois agentes da Guardia Civil durante um assalto e preso o ano passado na Figueira da Foz. Durante os catorze anos que durou o mito de 'El Solitário', altamente explorado pela comunicação social espanhola, Jaime terá assaltado dezenas de bancos em toda a Espanha, e são-lhe imputadas também três mortes nesse processo. No entanto, Arbe desmente a autoria de muitos desses assaltos, tão categoricamente como assume a responsabilidade da maioria; e não é o único a defender a tese que alguns deles poderão ter sido praticados por imitadores nunca identificados e que ficarão a dever a sua impunidade à convicção policial. E a sua liberdade, também. 

 

Pois eu cá, no meu álbum de recordações de reportagem, também tenho um assaltante solitário. E que solitário, devo dizer-vos! Uma figura de antologia, um francês que durante mais de uma década veio a Portugal, todos os Verões, para aqui praticar dois assaltos por época. Dois assaltos em três meses, era a regra, nem mais um e tudo corre bem. E correu, durante todos esses anos. Foi apanhado no único ano em que cometeu o erro de infringir a sua própria regra e arriscou o terceiro assalto, que viria a deixar uma pista que a Judiciária de Faro, ao tempo dirigida pelo não menos lendário Sousa Marins, seguiu até encontrar o homem numa bomba de gasolina, atestando o seu carrinho já em plena viagem de regresso. Baixinho e franzino, este assaltante que operava sob um disfarce mínimo (óculos, bigode e cabeleira, nada mais) mas eficaz, proporcionou uma cena de captura absolutamente memorável. Surpreendido desarmado e em calções de banho, enfrentou os três agentes que o tentavam prender e por pouco não levava a melhor, tendo causado ferimentos ligeiros em dois deles, até ser manietado, algemado atrás das costas e metido dentro do carro da polícia no banco traseiro. Pois mesmo aí, depois de ter enganado os agentes com uma história de que tinha deixado cair droga no chão durante a luta e enquanto os três agentes esquadrinhavam o chão à procura da tal droga, conseguiu a façanha de saltar para o volante (sempre algemado atrás das costas), ligar a ignição, meter a mudança e acelerar, arrancando com o carro.

 

Esta história passou-se em 95, 96 talvez, e eu nunca esqueci este assaltante solitário com cuja aventura fiz capa e centrais do Tal&Qual, na altura. E recordo-me do inspector Sousa Martins dizer que também ele não tinha memória, ao tempo e em tantos anos de serviço, de uma figura com o perfil deste homem que conseguiu enganar as autoridades durante tantos anos a assaltar bancos sem ser detido ou sequer identificado, usando apenas meios e processos da maior simplicidade. Veio a apurar-se que se tratava de um cidadão sem mácula no seu meio, onde vivia uma vida irrepreensível e familiar. A sua carreira de ladrão terminou nesse dia e nessa hora em que, como estava a contar, conseguiu arrancar com o carro da PJ em alta velocidade... mas em marcha-atrás, por engano, uma vez que a viatura (um Golf que tinha sido apreendido pela polícia a um cidadão estrangeiro) tinha uma característica de fabrico invulgar: a marcha-à-ré estava no lugar da primeira velocidade. Assim, a fuga deste solitário terminou contra a parede exterior da discoteca Kadoc, onde o carro embateu e se espatifou, para dali não sair mais. E a ele, que lhe aconteceu? Bom, tanto quanto sei da lotação das cadeias, acho que deixou de ser solitário.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Daniel de Sá a 16 de Julho de 2008 às 00:35
Rui, são histórias contadas assim que dão um certo ar romântico à pior ladroagem. Pago-te os juros com uma que me parece curiosa.
O meu filho tinha um amigo na E.S.E. de Setúbal que era da GNR. Num dia de aperto no metro, sentiu que lhe roubavam a carteira. Calmamente, olhou para o carteirista e disse-lhe, baixinho, mais ou menos o seguinte: "Ó colega, então eu tive o trabalhinho de roubar isto e agora estragas-me tudo!" O outro de imediato se desfez em desculpas e devolveu-lhe a carteira.
Olha, a propósito: "álbum" escreve-se é assim, não é "algum".


De Saci a 16 de Julho de 2008 às 00:52
Pois, eu também vinha ao "album" mas o Daniel adiantou-se.




De Rui Vasco Neto a 16 de Julho de 2008 às 01:11
cambada atenta:
Se há coisa com que eu embirro é gente com razão no que diz!! Dá-me cá uns nerbos...
Pois se os meus estimados e chatos amigos lobrigarem mais álbum erro não se acanhem, apontem-nu que eu registo e anoto no algum das recordações dos chatos com razão que por aqui passaram.
Irra!!! que cambada, hein?!

(confessem que já estavam todos contentinhos com o 'nu', não? Não queriam mainada, gulosos...)


De shark a 16 de Julho de 2008 às 17:40
Que delícia de post, digo eu.


De Rui Vasco Neto a 16 de Julho de 2008 às 18:28
sharky,
venho sentindo a tua falta, caraças!
bom ver-te de regresso.
(bora assaltar um banco a meias?)
abraço, tubarão.


De shark a 16 de Julho de 2008 às 18:33
Andei a cumprir penitências. E para o Sete Vidas reservei a do voto de silêncio.
(Tenho dias em que fico naquela do vai não vai... É que 100 anos de perdão é muito tempo...)


De Rui Vasco Neto a 16 de Julho de 2008 às 18:47
sharky,
tolice, c'lega! aqui não és só bem vindo, és da casa, com direito a asnear e acertar, à vez.
e isso dos perdões é para gajos maldosos, os outros cometem é gaffes, quanto muito, não há lugar a perdões nem nada que se pareça.
falemos mas é de coisas verdadeiramente importantes: gajas giras, tens visto muitas na praia? e bjecas, tens cumprido os mínimos olímpicos ou não vais à China este ano? pois olha, eu com muito menos cumbersa já bebia uma, com este calor.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas