Terça-feira, 22 de Julho de 2008
A aventura dos portubaixeses sem acordo no país do dito
Terça-feira, 22 Jul, 2008

O Presidente da República Portuguesa fez ontem saber que tinha já promulgado o Acordo Ortográfico, ratificado pelo parlamento em Maio passado. Pois nem mesmo assim os ciganos da Quinta da Fonte regressaram ao Bairro da Apelação. A notícia da promulgação presidencial deste novo Acordo em nada os abalou e muito menos os fez abalar do jardim onde acamparam desde o início da grande guerra. O que até se compreende, tem a sua lógica, há que reconhecer.

 

Afinal, este Acordo não mudou nada na situação desta gente, deste bairro, deste país de conflito e miséria que existe por detrás das praias algarvias, dos arraiais minhotos, das novelas da TVI, do Bom Jesus de Braga, do novo plantel do Benfica, do Santuário de Fátima e do Acordo Ortográfico. É Portugal-de-Baixo, um fundo de país com capital na Apelação, um bairro do circuito 'Vá para baixo cá dentro' que espelha um país com outras questões a exigirem outro tipo de acordos que não este, que nada muda ou resolve na vida dos portubaixeses. Mas seja, em tempo de Acordo vamos às palavras, descobrir as diferenças.

 

Vejamos, por exemplo, as palavras 'ódio', 'ciganos', 'racismo', 'revolta', 'pretos', 'segregação', 'vandalismo', até mesmo 'segurança'; elas não sofrem quaisquer alterações no novo léxico da nação. E 'guetto' nem sequer é palavra portuguesa, pelo que ninguém que seja alguém na política (governo ou oposição) alguma vez sequer a admitirá na conversa, seja qual for a conversa e se houver conversa (o que nã se vê jêtos, como se diria num Acordo Bejense). E há mais: o 'esgoto' mantém-se tal como estava, o 'medo' fica o de sempre e nos 'tiros' também ninguém mexeu. Só a 'decepção' é que é diferente desta vez, mas não muito: caiu o , apenas, acontece muito neste tipo de problemas, foge para o chinelo, por regra. E a reacção também terá ficado menor, talvez menos vitaminada sem o C. De resto, não muda a 'merda' nem mudam as 'moscas'. E na Quinta da Fonte também não vai ser um acordo ortográfico a trazer a mudança para o dia-a-dia de sempre. E assim, sem desacordo que se lhes conheça quanto ao Acordo mas na ausência de um acordo que lhes garanta a quantidade de impossível necessária para uma solução que satisfaça toda a gente, (os uns, os outros e o país inteiro que segue a novela), os ciganos não voltaram ontem para o bairro. E dizem que não voltam hoje, nem nunca mais. Que não há acordo possível. Eu julgo perceber do que falam, para lá de concordar ou discordar do que dizem. Quero entender, sobretudo. E antes de tudo.

 

Os moradores dos bairros que fazem este país de misérias tantas e tão tristes Apelações, constituem a massa humana de que é feita esta estrutura social distorcida, viciada de geração em geração, culturalmente viciosa e amontoada por grosso em favos distribuídos 'às famílias' num sorteio de colmeias e colmeias de semi-gente, arrumada assim em vidas novas juntinhas para poupar espaço e em troca das vidas velhas em barracas condenadas que estavam a empatar o progresso. São bairros que acabam por ser autênticas extensões dos estabelecimentos prisionais, na prática (ou vice-versa, pouco importa), que o Portugal porreiropá conscientemente aceita e cuja existência consente, pese embora o nojo que o leva a olhá-los o menos possível, sempre sem os ver, por pudor só ausente em campanhas eleitorais. Mas não sem condições implícitas, subentendidas e conhecidas por toda a gente, a saber: não dar demasiado nas vistas, não envergonhar a malta em frente às visitas, não estragar o retrato de família, cá dentro ou lá fora, e sobretudo não chatear quem manda, nunca. É como quem diz 'low profile', na terminologia do poder. É como quem diz 'não fazer merda', numa linguagem de policiamento de proximidade, repetidamente explicada aos portubaixeses e muitas vezes por palavras.

 

É neste equilíbrio delicado que co-existem fogo e estopa, anos e anos e vidas a fio, porta com porta em meios-metros de rua e paredes-meias de casa, num milagre diário imposto pela maior das necessidades: a sobrevivência. Pois bem, está visto que no Bairro da Apelação o milagre apagou-se, por estes dias, entre os portubaixeses. Portugal segue o drama por alto, como um jogo da 2ª Divisão-B e em zapping com as novelas da noite, que a coisa promete. As forças de segurança estão no local, o aparato é beirutiano, Portugal-de-Baixo é zona de guerra. Esquecidos da sobrevivência e turvos de raiva, fogo e estopa pegaram-se no esgoto e atearam o incêndio mais preocupante deste Verão. São velhos ódios, ressequidos de gerações e misturados com toda a espécie de pressões e frustrações de uma existência madrasta, mais os velhos truques das negociatas sujas e escondidas, tudo tão somente à mercê de um sopro de preconceito que lhes dê de feição e alastre a tragédia ao impensável. E depois de tanto ver e ouvir o senhor Ministro Rui Pereira a dizer coisas sobre firmeza e sobre dead lines que não só não morrem como estão sempre a nascer, pergunto a mim próprio se estará alguém com atenção aos ventos lá em baixo ou se está tudo distraído a bater palmas uns aos outros cá em cima.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Samuel a 22 de Julho de 2008 às 11:46
Ora aqui está um excelente texto que acaba com uma pergunta bem simples e até dá a resposta...
Está (realmente) tudo distraído a baterem palmas uns aos outros cá em cima.

Abraço


De Católico bipolar (em dia não) a 22 de Julho de 2008 às 12:05
Tá ver?! Tá ver? O amigo estende-se que a gente até fica a arfar a ver se o apanha. Sabe porque cheguei eu a fim do seu cliché, embora de língua de fora? Porque quis saber o nome do remédio que vai receitar para o problema daqueles ciganitos sociáveis. Quase tanto como os pardais de telhado. Debalde.


De Saci a 22 de Julho de 2008 às 22:39
Rui

O texto está bom, muito bom, aliás, excelente. Mas, bolas, chega de paninhos quentes! Claro que a culpa de bairros como os da Apelação é de todos os portugueses, excepto dos moradores, claro que ainda não se abriram as excepções suficientes ao entregarem-se casas a estas pessoas a troco de uma renda (!!) de 4 (quatro) euros ou de terem permitido uma manifestação ilegal tantos dias em frente à Câmara, claro que, claro que.....

Deve-se saber que à porta destas casas cujas rendas que não são pagas por, alegadamente, falta de rendimentos estão estacionados grandes carrões, provavelmente fruto de trabalho árduo...

E o que é o eu tenho a ver com isto? É que sou assaltada todos os meses, cada vez que olho para a minha folha de ordenado e vejo que as únicas duas parcelas a subtrair (Segurança Social e IRS) estão a ser muito mal gastas.

E construir um bairro em forma de U (como a maioria do género), com a única saída de Apelação a contornar estrategicamente o bairro para que ninguém seja obrigado a passar por lá, é no mínimo uma grande estupidez.

Mas também é certo que lhes foi dado rio e cana para pescarem. E nalguns casos, até o peixe já cozinhado.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas