Quinta-feira, 7 de Agosto de 2008
Cavaco e o paparazzo português
Quinta-feira, 07 Ago, 2008

É perfeitamente compreensível. Com o casal-Presidente de férias na praia de S.Rafael, em Albufeira, o tráfego aéreo na zona foi obrigado a algumas alterações, para que nada sem penas possa sobrevoar a cabeça presidencial ou a cabeça de casal. Por ordem directa de Cavaco foi estabelecida como que uma rotunda celeste, uma espécie de Marquês de Pombal só que maior e sem túnel, que os aviões têm de contornar para seguirem os seus destinos. As empresas de publicidade e de fotografia aéreas já se queixaram da proibição que obriga os aviões, ao chegarem à praia dos Salgueiros, a deslocarem-se dois quilómetros para o mar ou para Norte; «Quem consegue ler a uma distância de dois quilómetros?».

 

A ordem de limitação de voos na região foi emitida para todo o mês de Agosto, numa interdição inédita. O responsável pelo Gabinete Coordenador de Segurança, Leonel Carvalho, disse ao Diário de Notícias que o Presidente da República, «em consequência do próprio cargo, representa um grau de ameaça permanente, daí que tenha segurança pessoal. E tem também legitimidade para solicitar outras medidas de segurança que considere necessárias». Compreensível, mais uma vez. E de resto é um hábito antigo de Aníbal Cavaco Silva, quem não se lembra de quando era primeiro-ministro e já mandava isolar os acessos à praia que escolhia para passar o dia e onde chegava entre quatro guarda-costas de calção e pistola, com os consequentes mini-engarrafamentos de trânsito que deixavam toda a gente à beira de um ataque de nervos, num país pouco (ou nada, ao tempo) habituado a aparatos de segurança? Daí que esta decisão hoje anunciada pelo DN não seja menos que compreensível, na minha modesta opinião.

 

A parte que eu não compreendo é outra, talvez me possam ajudar. O mesmo responsável, coordenador Leonel Carvalho, sentiu a necessidade de admitir que a privacidade do Chefe de Estado e a limitação de paparazzi serão um mesmo factor que estará na origem da medida. E por isso saiu-se com esta pérola que faria Brad Pitt rebolar-se de riso, mais a sua Jolie, com a parolice cá da terra: «As férias dos famosos atraem muito helicópteros carregados de fotógrafos», disse Leonel, entendido; «Naqueles aviões que passam por cima das cabeça das pessoas pode ir muita gente. É natural que o PR, com a sua família, deseje reserva em tempo de descanso».

 

Não há ainda notícias do impacto destas declarações nas redacções da Rolling Stone, Fortune, Cosmopolitan, Life ou Time Magazine, entre outras. Mas consta que o 24Horas já mandou regressar Carlos Castro que, ao que dizem, pardalava feliz pelos céus de Albufeira com uma enorme pena de pavão espetada no 'p' de 'paparazzo'. Enfim, num dos. Num dos quê? Num dos pês, naturalmente, já que paparazzi foi mesmo só este o que se conseguiu arranjar assim de mais parecido, muito à pressa, para animar as férias do Presidente.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De arnesto a 7 de Agosto de 2008 às 17:27
Tou a ver que sabes tudo do Carlos Castro.
Bom proveito!


De Rui Vasco Neto a 8 de Agosto de 2008 às 03:29
senhor coiso,
muito obrigado e para o senhor também e para todos e tudo e tudo e tudo.


De arnesto a 9 de Agosto de 2008 às 20:28
Mas que bicheza!!!


De Samuel a 7 de Agosto de 2008 às 17:53
Deve portanto o povo conformar-se com a ideia de que não vai ver fotografias do pirilau do presidente nem dos airbags da presidenta... daquelas muito giras, ao longe e com mais "grão" do que o bacalhau que vou jantar hoje.


De Saci a 7 de Agosto de 2008 às 22:16
Olhe para mim já conformada. E agradecida. :-))


De Rui Vasco Neto a 8 de Agosto de 2008 às 03:26
saci,
estou a olhar. está vestida ou despida de vale e azevedo?


De Saci a 8 de Agosto de 2008 às 12:27
Despida seguramente.
Foi uma experiência traumática.


De Rui Vasco Neto a 8 de Agosto de 2008 às 03:28
sam,
'o pirilau do presidente'??? 'os airbags da presidenta.'???? viraste quim barreiros, home de dês?


De sinhã a 7 de Agosto de 2008 às 20:58
E eu tão gira para ser fotografada. :-)))


De Rui Vasco Neto a 8 de Agosto de 2008 às 03:25
...e eu sem rolo na máquina, c'azar (salvo seja)...


De julia coutinho a 8 de Agosto de 2008 às 00:27
Muito prazer em conhecer este seu espaço. Finalmente encontrei uma pessoa que não se incomoda com o tamanho dos posts ... já me sentia um tanto solitária.
Quanto ao nosso PR são coisas de novo-riquismo e receio de não ser suficientemente badalado... o que o faz recorrer a micro "intervenções" estilo psico-drama como a do dia 31 e a actual fantochada.


De Rui Vasco Neto a 8 de Agosto de 2008 às 03:25
julia,
o prazer será mútuo, tudo o indica.
cumprimentos


De Daniel de Sá a 8 de Agosto de 2008 às 03:11
Rui
Escrevi a mensagem que transcrevo abaixo para os devidos efeitos. No entanto, hoje, pelo menos agora, o correio electrónico não quer funcionar. Pode ser que assim te chegue. Lê-a, por favor, cumpre as indicações, também por favor, e depois apaga-a. Está bem?
Um abraço.
Ouve lá, Ruizinho, quando não quiseres escrever Português certifica-te de que não metes o pé na poça. Em Italiano, os substantivos masculinos terminam normalmente em "o" e fazem o plural em "i". Os femininos terminam por norma em "a" e fazem o plural em "e". Assim, um fotógrafo furtivo é um "paparazzo", se forem vários serão "paparazzi". Se se tratar de uma jornalista, será uma "paparazza", e várias serão "paparazze". Vai lá pois ao "post" e corrige aquilo, está bem?
Vim tão depressa dar-te este puxão de orelhas que nem li ainda a matéria. É para já. Mas só comento depois da emenda.
Agora chama-me uns nomes feios, mas obedece, se fazes o favor.
Um abraço.
Daniel


De Rui Vasco Neto a 8 de Agosto de 2008 às 03:23
grande chefe: missão cumprida.
Cumpri tudo menos a parte do 'depois apaga'. Aqui não se apaga nada por duas razões, a saber:
Primo : a ignorância dos outros, quando assim corrigida, tem o condão de corrigir a nossa própria ignorância, pelo que, seguindo o raciocínio, a minha ignorância neste particular, por ti assim corrigida, servirá para evitar erros alheios na mesma matéria. O que já não é chita, menos mal, salvou-se o dia;
Tio : quero que toda a gente saiba o chato que és. E se roa de inveja de mim, naturalmente.
Abraço-te, ó dos livros. Deus te conserve chato por muitos anos e bons.


De Daniel de Sá a 8 de Agosto de 2008 às 03:36
Esta é uma daquelas tuas reacções que me fazem chamar-te um bom canalha. Ou seja, um canalha com bons sentimentos. Já tentei várias vezes enviar a mensagem, tal como outras duas que escrevi a seguir, e nada. Até lhe mudei a cor do meu habitual mogno para o negro, a ver se era uma questão de racismo do servidor, mas o tipo moita, carrasco. O curioso é que recebe, pois recebi esta tua resposta devidamente, embora com as habituais trocas de uma ou outra letra.
Um abraço renovado.


De Rui Vasco Neto a 8 de Agosto de 2008 às 03:40
sim, pois, tá bem.
humpfff.


De Daniel de Sá a 8 de Agosto de 2008 às 12:56
humpfff digo eu agora. Acabo de descobrir que só a tua mensagem é que o servidor não quer entregar. Mandei-a para os rascunhos, e as outras já escritas seguiram sem birras. O servidor avisa-me, naquele toque "chic" de mo dizer em inglês, que a tua caixa de correio se recusa a receber-ma. Um raio a parta.


De Saci a 8 de Agosto de 2008 às 23:57
O Rui anda a devolver correspondência não desejada?



De Daniel de Sá a 8 de Agosto de 2008 às 03:43
Mas haverá alguém interessado em gastar tempo e rolo (se é que isto ainda se usa) com a cara do Sr. Presidente ou da sua cara metade? Eu, por mim, prefiro ver o Sol a pôr-se do que assistir a um telejornal em que ele pretensamente iria definir o futuro imediato da Nação. É por este e por outros (presidentes) que, se houvesse um referendo sobre a monarquia, eu talvez votasse pelo regresso dos reis. (Desde que me garantissem que aquele Câmara Pereira, não sei qual deles, não poria o rabo na cadeira de Belém. Ou seria na Ajuda?)


De Alfredo Gago da Câmara a 8 de Agosto de 2008 às 04:22
Daniel. são três da manhã. Acabei de chegar da lomba da Maia. Observei, hoje ao anoitecer, o mesmo horizonte da tua terra e vislumbrei um por-de-sol que confirmo ser de facto muitíssimo mais agradável do que qualquer visualização presidencial em televisão. Aliás, o próprio televisor passa despercebido e esconde-se envergonhado numa altura destas.


De Saci a 8 de Agosto de 2008 às 23:59
No de Queluz. Os jardins são bonitos e tem "show" de cavalinhos às 4ªf.


De João Villalobos a 8 de Agosto de 2008 às 16:40
Já li. E também vi que o pessoal que não foi de férias se mudou todo para esta caixa de comentários :) Abraço


De Rui Vasco Neto a 9 de Agosto de 2008 às 00:18
joão,
é, deu a louca, às tantas... vá lá a gente perceber o Verão. E esta caixa não é nada, espreita o post do tautau do vô Soares no nosso Silva e verás, verão, verás, vai ver, sei lá...
abração, pois!


De Saci a 9 de Agosto de 2008 às 02:18
"...o Presidente da República, em consequência do próprio cargo, representa um grau de ameaça permanente..."

Eu também acho que ele representa um grau de ameaça permanente. A sério.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas