Terça-feira, 19 de Agosto de 2008
Pelas cinzas de uma bandeira
Terça-feira, 19 Ago, 2008

Daniel de Sá continua a sua visita ao passado, guiada por fantasmas. E diz-me, em recado privado: «Parece kafkiano, mas é a impura da verdade. Não me atrevo a dizer que a bandeira terá sido lá posta de propósito para provocar algo do género, mas é possível que sim. Levei anos a perceber que não faltava gente que queria "queimar-me". Nunca me julguei personalidade que se destacasse o suficiente para merecer tal empenho. Mas, para que a memória não se esqueça, aqui fica a verdade dos factos, e com os nomes de alguns protagonistas, que podem confirmá-los.» Despede-se com um abraço que eu logo retribuo, cá dentro. E segue a história, esta com que vos deixo, sem mais comentários.

Em baixo: "Pelas cinzas de uma bandeira"

Sete vidas mais uma: Daniel de Sá

 

A história da bandeira da FLA que foi queimada na Maia poderia servir de exemplo de quanto um mau informador pode transformar em mau um bom jornalista. Pois então se se juntam os dois, mau informador e mau jornalista, o caso chega a ser catastrófico.

 

Para se perceber melhor a diferença entre a realidade e o que foi relatado no jornal “Açores”, vou assinalar com letras partes da história verdadeira e, com a mesma letra, a sua correspondente na notícia do jornal. 

 

No início do Outono de 1975, ia eu a caminho da escola, mesmo ao lado da minha casa, quando dei com o Francisco “Carolo”, moleiro e figura ímpar dos tempos que se seguiram à Revolução, esbravejando como se tivesse viste o Diabo. Disse-me, muito exaltado: “Aquela bandeira é para queimar!” Eu não sabia da existência de nenhuma bandeira, mas, pelos seus modos, deduzi facilmente que só poderia ser a da FLA. Tentando acalmá-lo, respondi apenas que não se queimava bandeira nenhuma, que ela não fazia mal a ninguém. Ao chegar à rua de Santa Catarina, vi então uma bandeira da FLA hasteada num edifício não habitado, mesmo em frente da igreja, e que é agora sede da esquadra da PSP. A bandeira fora trazida de Ponta Delgada por um simpatizante da FLA (Virgínio de Oliveira), que pediu a três rapazes, todos à volta dos vinte anos, para a irem hastear ali, o que eles fizeram já muito depois da meia-noite. Só anos mais tarde é que um deles, que é meu afilhado, se atreveu a confirmar este pormenor, de que cedo se desconfiou. Eram eles o João Carlos de Braga Carreiro (o que é meu afilhado e dono do Bar “O Convívo” onde o Gastão do Rui se encontrou com o Gastão pessoa), o João Carlos Carreiro Farias (empreiteiro de construção civil) e o José Adriano Faria, emigrado há muitos anos.

 

Na véspera, o Jaime Gama e o Francisco Macedo (dirigente regional do PS) tinham estado em casa do Francisco Sousa, comigo também, a preparar as eleições autárquicas (a). Pelas sete horas da noite seguiram para a Achada (do Nordeste) com idêntica missão. No dia seguinte, o António Maurício Tavares de Sousa (actual membro do Conselho da Administração da SATA) e o Carlos de Almeida Branco, ambos estudantes de economia, voltavam para Lisboa, e decidiram fazer um convívio de despedida em minha casa. Juntou-se um grande número de amigos e amigas, que incluía gente de todo o espectro partidário (na Maia nunca houve separação de pessoas por ideais, e a mesma escada chegou a servir, ao mesmo tempo, para pregar cartazes do PPD, do PS e do PC, embora cada qual se encarregasse dos seus.) Havia até um amigo do CDS que a gente sabia ser simpatizante da FLA. A ceia consistiu em caracóis guisados e chouriço à bombeiro (b).

 

O horário da camioneta da carreira, cujo condutor era o meu sogro, mudara uns meses antes para meia hora mais cedo, pelo que passou a chegar a um quarto para as seis, horário que ainda se mantém. Foi para esta hora de chegada que a queima foi programada(c).

 

Enquanto alguém preparava a queima da bandeira, eu dormia uma sesta à alentejana. Quando me levantei, fui ver o que se passava. A bandeira ainda estava hasteada. Havia cerca de umas quatro centenas de pessoas no adro, mas não houve qualquer desacato nem gritos de viva ou morra. Quem chamara gente para assistir fora um cunhado meu, Roberto Rodrigues, que também preveniu a RTP do que ia acontecer, e que é hoje um dos mais respeitados advogados do Seixal, além de ser professor. Outro, que também trouxe a lenha na burrinha que o pai usava para se transportar ou trazer pequenas cargas, é médico e professor na Universidade de Coimbra. (Um génio que, em sete anos e meio de estudo, passou da 4ª classe a licenciado em Medicina.)

 

Quando um rapaz subiu a parede da casa para arrear a bandeira, eu aproximei-me do pequeno grupo que lá estava e disse que não a queimassem. (Para mim, queimar uma bandeira é o símbolo do ódio justo ao nazismo, pelo que nenhuma outra merece tal.) Eu sugeri que se podia pisar a bandeira, arrastá-la pelo chão e atirá-la à lixeira, mas que se a não queimasse (d). Perto, ouvindo o que dizíamos, estava um senhor que sempre teve muita dificuldade de se expressar com clareza. Foi ele que no dia seguinte (costumava dar umas notícias da freguesia) foi ao jornal “Açores” relatar os acontecimentos, mas, no seu modo atabalhoado, terá tido dificuldade em fazer-se compreender. E ao jornal convinha acreditar no que parecia mais do que no que era. Apesar do que eu sugeri, a bandeira foi queimada de imediato.

 

A notícia do jornal saiu dizendo que:

O Francisco Sousa e eu é que tínhamos organizado o espectáculo. Com a presença de dois altos dignitários do PS(a), a queima da bandeira foi combinada durante um “lauto banquete” (sic) em minha casa(b). Que nós (e outros do PS) é que tínhamos posto a bandeira ali, para a queimarmos depois. Que o autocarro da carreira chegou meia hora mais cedo (a viagem de Ribeira Grande à Maia demorava cerca de 40 minutos!) para assistir à queima (c). Que a bandeira foi arrastada, atirada para a lixeira e depois queimada(d).



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Samuel a 19 de Agosto de 2008 às 19:50
Por essas e outras é que eu tenho um grande receio do que será a "História" dos nossos dias, se os vindouros a forem pesquisar aos jornais. Pelo menos a alguns. Válá... quase todos!...

Abraço


De Daniel de Sá a 19 de Agosto de 2008 às 22:45
Samuel, foi a primeira coisa que pensei, depois de ler a "reportagem". Só de notícias falsas a meu respeito tenho uma colecção razoável. Algumas delas até boas notícias, mas a mentira nunca é boa em si mesma.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas