Quarta-feira, 20 de Agosto de 2008
A menina amarga (I)
Quarta-feira, 20 Ago, 2008

Diz-me o meu amigo Daniel de Sá, juntando-se às comemorações oficiais do primeiro aniversário do 'Cantigueiro': «O Samuel fez um "post" belíssimo a propósito do aniversário da vergonhosa morte de Lorca, em 19 de Agosto de 1936. Eu pus um poemeto meu na sua caixa de comentários, poemeto esse que consta de um conto que te envio. Creio ser demasiado longo para sair inteiro. A não ser que o partas por dois ou três dias. Neste caso, dedica-o ao Samuel.» E pronto, o meu amigo falou. Os seus desejos são ordens e a causa é justa, nada a dizer. Segue a primeira parte da história, sem mais conversa. Amanhã sai a segunda e última.

 

Em baixo: "A menina amarga"

Sete vidas mais uma: Daniel de Sá

 

No dia quinze desse mês de Julho de 1936, Afonso Manuel havia mandado de Granada uma crónica para o “Diário de Notícias” que começava assim:

 

O ar em Espanha cheira a morte. A República falhou o seu ideal de humanidade, e não há diferença entre egoísmo e tolerância porque já não existe tolerância. Os pobres acumularam em ódio as injustiças, os senhores não deixam que ninguém ocupe o lugar que julgam seu. De um lado e outro as palavras perderam a força, os ideais sucumbiram à violência dos actos. A nação está fatalmente dividida em dois campos, separados às vezes apenas pelo espaço de uma rua, pela largura de uma mesa na sala de jantar. 

 

“Não está seguro o ministro no gabinete, o camponês na fazenda, o proprietário na quinta, o padre na igreja, nem sequer Deus no Seu altar.

 

Era assim o primeiro parágrafo da crónica do dia vinte e dois:

 

Faço o possível para pensar que não foi declarada uma guerra fratricida, tento convencer-me de que tudo será breve, apenas uma revolta geral que decerto unirá Espanha, pelo menos a maior parte de Espanha, ao levantamento militar de há cinco dias." Depois de resumir a catástrofe fulminante que ia sucedendo aos crimes dos últimos meses, citou García Lorca: “A Espanha é o único país do mundo onde a morte é um espectáculo nacional”, acrescentando que, no entanto, o poeta ao escrever esta frase deveria ter pensado mais no seu amigo Ignacio Sánchez Mejías do que num povo que iria reclamar muitas mortes, todas as mortes possíveis, não de toiros mas de pessoas. E concluiria com excertos do “Grito hacia Roma”, um poema de Nova Iorque que só seria publicado em livro depois da morte de García Lorca: “Porque já não há quem reparta o pão e o vinho,/ nem quem cultive as ervas na boca do morto,// Há apenas um milhão de carpinteiros/ que fazem ataúdes sem cruz./ Há apenas uma onda de lamentos/ que abrem a roupa à espera de uma bala.” Parecia uma premonição da guerra e do seu próprio fim...

 

Afonso Manuel não via Federico García Lorca desde que ele fora para Madrid. Soube que voltara a Granada no dia em que se dera a rebelião, e só em Agosto lhe disseram que o poeta procurara refúgio em casa de Luís Rosales, um amigo falangista que lhe serviria de protecção contra qualquer possível loucura dos amotinados. No dia dezoito desse mês, anotou na sua crónica: “Em ninguém se pode confiar. Acabo de ser informado de que García Lorca foi levado para o Governo Civil, decerto para estar mais protegido, porque a vida, por estas ruas e praças, e até dentro da casa de cada um, vale agora muito menos do que a morte, que é a moeda mais corrente em Espanha e com a qual se pagam todas as dívidas.” Os guardas que tinham ido buscá-lo haviam comido familiarmente em sua casa bolachas e bebido chá enquanto esperaram que se vestisse, o que parecia uma prova de que as suas intenções eram boas.

 

No dia seguinte, estava a ler o poema “Romance sonâmbulo”, quando Pablo, fazendo um grande esforço para disfarçar a perturbação, chegou junto dele e disse: “Está lendo poemas de Don Federico...” Fez que sim com a cabeça. (“O largo vento deixava/ na boca um estranho gosto/ de mel, de menta e de alfavaca. / Compadre! Onde está, diz-me?/ Onde está a tua menina amarga?”) Pablo trabalhava para García Lorca na sua quinta do Tamarit, e chamara ao filho Juan porque sabia que o patrão gostava deste nome. Foi no momento em que dentro da cabeça lhe soavam as palavras “¿Dónde está tu niña amarga?” que Pablo deu a notícia: “Mataram-no.” Esperando ouvir o nome de mais um político importante, perguntou: “Quem?” Pablo amarrotou as orelhas entre as mãos, e respondeu: “Don Federico.”

 

“Malditos!” Disse-o cinco vezes. E pôs-se a chorar. Pablo chorava também. “Quem foi o monstro que o matou?” Pablo não sabia um nome, mas tinha sido alguém do lado dos revoltosos. “Definitivamente, em Espanha são os cemitérios o único lugar seguro. Os dois lados são iguais, Pablo. Mataram García Lorca, decapitaram Espanha.”

 

Para Pablo, talvez fosse mais importante a perda do patrão, do amigo e do guitarrista do que do poeta que não conseguia entender tão facilmente como entendia os seus próprios sentimentos e o som da guitarra que, afinal, não iria a enterrar consigo. Depois de uns demorados momentos de dor e raiva, começou a cantar baixinho: “¡Qué bonito está mi niño!/ Ángel durmiendo en la cuna/ con su sábana de piel/ que es del color de la luna.”  Explicou: “Don Federico cantou isto quando viu Juan dormindo nu, na quinta, no verão passado.”

(amanhã: 'A menina amarga', parte II )



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Samuel a 20 de Agosto de 2008 às 22:21
Muito bom!
...esperar por amanhã... em apneia.


De Lia a 21 de Agosto de 2008 às 01:01
"Que menina amarga" tão apetitosa! Venham as outras doses...


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas