Quinta-feira, 21 de Agosto de 2008
A menina amarga (II)
Quinta-feira, 21 Ago, 2008

Para anteceder a publicação da segunda e última parte deste conto envia-me o meu amigo Daniel de Sá uma nota prévia: «O essencial histórico deste conto é real, incluindo a arrepiante cena dos guardas a comerem bolachas e beberem chá, oferecidos pelas irmãs de Federico, enquanto este se vestia para a morte. Afonso Manuel e Pablo são personagens inventadas. A Quinta de Tamarit (ou Huerta de San Vicente) existe ainda, e é local de peregrinação dos amantes do poeta. Lorca gostava de facto do nome Juan, mas eu cometi o pecado de me atrever a atribuir-lhe a quadra cantada ao filho de Pablo, que, em Português, deverá ler-se assim: “Que bonito está o meu menino!/ Anjo dormindo no berço/ com o seu lençol de pele/ que é da cor da Lua.”» Vamos então ao resto da história, já que foi exactamente quando Pablo cantava essa quadra que ela ontem se acabou.

Em baixo: "A menina amarga (II)"

Sete vidas mais uma: Daniel de Sá

 

 

Afonso Manuel escreveu na crónica sobre a morte de García Lorca:

 

O assassínio absurdo de García Lorca não foi igual a nenhum dos outros que de ambos os lados já se cometeram neste mês de guerra. Quem o matou não roubou trinta ou quarenta anos de existência, que era o que se poderia esperar como normal num homem da sua idade, mas milhares de versos, milhares de palavras cheias do mais puro sentimento da vida.

 

“Não há lei que nos proteja da guerra. Mas devia haver uma ordem universal que proibisse matar os poetas como García Lorca, que não são propriedade de uma nação mas de toda a humanidade. Quando Espanha se der conta do que fez, levará séculos a chorar a perda que infligiu a si mesma e a todos nós.

 

“Afinal de contas, não há libertadores, mas loucos violentos que pagam crimes com outros crimes. E, se o talento de um génio como o de García Lorca não merece mais respeito do que a morte à beira do caminho que vai de Granada para Guadix, nada posso esperar para mim. Queimei todos os meus poemas quando cheguei a casa, sem que Mercedes soubesse o que eu fazia. Foi a única homenagem possível a Federico.”

 

A crónica mereceu a censura de Guilherme Sampaio que, no final de uma resposta àquela publicada no Diário e Notícias, três dias depois disse: “Ao queimar os seus poemas, o senhor Afonso Manuel prestou certamente um bom serviço à cultura portuguesa. Se deixar de escrever estas suas crónicas, prestará sem dúvida um bom serviço à civilização cristã ocidental.”

 

Afonso Manuel haveria de se defender, num simples post scriptum à crónica seguinte. “Com certeza vou menos vezes à missa e à comunhão do que o senhor Guilherme Sampaio, o que não me torna, no entanto, menos ocidental nem menos cristão do que ele. Talvez, isso sim, me tenha feito cometer menos sacrilégios.”

 

O jornal recebeu uma comunicação do governo a proibir as crónicas de Afonso Manuel, mas ressalvando o caso, para ficar sem efeito a proibição, de ele passar a defender “a missão civilizadora e cristã do levantamento militar, como pareceu ser sua intenção nas crónicas que antecederam as lamentáveis considerações a respeito da morte de Garcia Lorca, que ninguém sabe ao certo em que circunstâncias aconteceu”.

 

O director do liceu de Granada onde Afonso Manuel era professor chamou-o, e repreendeu-o severamente por causa do modo como estava a dar uma visão tristemente errada do conflito, disse, que poderia ter más consequências para os nacionalistas e trágicas para ele mesmo, que só teria sido poupado à prisão por se tratar de um estrangeiro, cidadão de um país amigo. Estava posta de parte, no entanto, a hipótese de poder continuar no seu cargo docente, o que era pena, lamentou, pois sempre tinha sido muito querido por todos. Talvez não apenas como mera coincidência com o governo português, a decisão seria alterada se ele deixasse de emitir opiniões que comprometiam os interesses de Espanha, porquanto até se compreendia, embora dificilmente se aceitasse, a sua reacção emocionada à morte de García Lorca, de quem o sabiam amigo. Mas teria de rectificar, em próxima crónica, a informação de que o poeta fora assassinado a mando do governo civil, que era uma calúnia infame, afirmou.

 

Afonso Manuel compreendeu que o seu futuro estava definitivamente em perigo, e não seria capaz de comprar a sua segurança traindo-se a si mesmo e à verdade. O pior era ter de arrastar Mercedes e os filhos na fuga à morte que imaginava ser o seu destino a partir desse momento. Acabou por se refugiar em Valência, mais a mulher e os três filhos. Aí chegou a conhecer Antonio Machado, que passou algum tempo em Rocafort próximo das casas onde esteve alojado o governo republicano. No fim da guerra fugiu para França, vivendo o suficiente para assistir à queda dos dois regimes que lhe haviam mudado o destino tão brutalmente.

 

Fora para Granada por se ter casado com Mercedes, natural dessa cidade, uma estudante que conhecera em Salamanca, onde se licenciara em História. Para ele, que era de Miranda do Douro, pouca diferença teria feito viver longe de casa em Coimbra ou em Espanha, pelo que preferiu a pequena aventura de ingressar na universidade de Miguel de Unamuno, uma figura que o fascinava, apesar de saber que não poderia ser aluno do sábio reitor.

 

O assassinato de García Lorca não matou um poeta somente. O suicídio poético de Afonso Manuel foi uma sua consequência directa, e talvez o próprio Unamuno tenha mais cedo desistido de viver por causa dos desgostos da guerra, do qual este foi sem dúvida um dos maiores. O filósofo basco também começara por apoiar o levantamento militar, mas cedo compreendeu o atoleiro de ódios em que caíra Espanha, o que lhe valeu ser vigiado pela guarda civil até à hora da morte, no último dia desse mesmo ano.

 

Depois de ter queimado os seus poemas, Afonso Manuel ainda escreveu um derradeiro, em homenagem a García Lorca, que veio disfarçadamente no final da crónica em que contava o crime. Muitos leitores não se terão apercebido sequer de que se tratava de facto de um poema, escrito como se fosse simples prosa, embora emocionada. Há nele uma evidente influência do poema de Lorca “A monja cigana”, sobretudo nos primeiros oito versos e na referência às cinco chagas de Cristo e à missa.

 

Eis o texto em Português: “Silêncio de medo e morte. Sangue nas fundas feridas. A espingarda bordando a vermelho sobre uma tela de pele. No ar voam nuvens de fumo cheirando a morte. Um último trovão surdo chega calado a Granada. O monte procura planícies porque quer ajoelhar-se. Federico adormeceu entre Alfacar e Viznar, numa ravina de oliveiras. A sua pele, lençol de morto ou tela de bordadeira, que era de uma só peça como túnica de Cristo, agora tem buracos. Tem cinco feridas. Cinco, muito fundas, até à sua alma, abertas pela espingarda. Tem cinco chagas. Cinco, como as chagas de Cristo. Federico dorme agora nessas bodas de sangue. Cálice de morte e missa.”

 

Note-se a semelhança do ritmo e das ideias com o início do poema referido: “Silencio de cal y mirto./ Malvas en hierbas finas./ La monja borda alhelíes/ sobre una tela pajiza./ Vuelan en la araña gris /siete pájaros del prisma.” Veja-se ainda a coincidência de “Um último trovão surdo” com “Un rumor último y sordo”, bem como a alusão à pele como lençol (da canção que Pablo disse que García Lorca tinha cantado ao filho, e que Afonso Manuel referiu na crónica), e finalmente a quase transposição de dois versos dedicados ao arcanjo S. Gabriel, protector de Granada (“La noche busca llanuras/ porque quiere arrodillarse): “O monte procura planícies porque quer ajoelhar-se.”

 

Em Castelhano, o poema tinha a seguinte forma e pontuação:

 

Silencio de miedo y muerte.

Sangre en las hondas heridas.

Un fusil bordando a rojo

Sobre una tela de piel.

En el aire vuelan nubes

Del humo oliendo a la muerte.

Un último trueno sordo

Llega callado a Granada.

El monte busca llanuras

Porque quiere arrodillarse.

Federico se ha dormido

En un barranco de olivos

Entre Alfacar y Viznar.

Su piel, sábana de muerto

O tela de bordadora,

Que era de una sola pieza

Como túnica de Cristo,

Ahora tiene agujeros.

Tiene cinco heridas cinco,

Muy hondas, hasta su alma,

Abiertas por el fusil.

Tiene cinco llagas cinco

Como las llagas de Cristo.

            Federico duerme ahora

En esas bodas de sangre.

Vaso de muerte y de misa.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Cristina a 21 de Agosto de 2008 às 16:30
Daniel meu querido
O que dizer diante de tanta beleza?
Não há palavras , deixo novamente confessa minha admiração e os versos de Lorca.
Beijos

Confusão

Meu coração é teu coração?
Quem me reflete pensamentos?
Quem me empresta esta paixão sem raízes?
Por que muda meu traje de cores?
Tudo é encruzilhada!
Por que vês no céu tanta estrela?
Irmão, és tu ou sou eu?
E estas mãos tão frias são daquele?
Vejo-me pelos ocasos, e um formigueiro de gente anda por meu coração.
Federico García Lorca


De Corrêa Simões a 21 de Agosto de 2008 às 17:10
Caro Daniel de Sá:
Eu que sou um pouco mais velho que o senhor não tenho a recordação nítida da morte de Garcia Lorca em todos os seus pormenores, embora me lembre bem dos meus pais comentarem os terríveis acontecimentos em Espanha e a guerra. A casa dos meus pais foi nesse tempo um baluarte de resistência intelectual clandestina. Até porque tínhamos amigos de família que viviam na zona raiana e que foram vítimas das atrocidades cometidas pela polícia de Franco, com o apoio da PIDE e da própria GNR e Guarda Fiscal, com a benção do governo de Salazar.
Por isso estou à vontade para lhe dizer que este seu conto é de uma realidade impressionante e de um quase rigor histórico em todos os seus pormenores. Os meus mais sinceros parabéns pela sua versatilidade e pela qualidade dos seus trabalhos neste blog do Rui Neto, um dos meus preferidos, sem favor, e um dos melhores e mais conseguidos de toda a blogosfera, na minha opinião.
Cumprimentos aos dois, com amizade

Augusto Corrêa Simões


De Samuel a 21 de Agosto de 2008 às 23:37
Daniel

Qual o poeta que não quer ser lembrado, ter quem fale dele assim e que, sobretudo, o escreva desta maneira?
Tremendo texto!

Grande abraço.


De Daniel de Sá a 22 de Agosto de 2008 às 00:39
Para a Cristina, com palavras daquele que disse "Saibam que não morri":
La sombra de mi alma
Huye por un ocaso de alfabetos
Sombra de libros
Y palabras.
Ao Corrêa Simões
Temos sentimentos semelhantes, já percebi. Obrigado por ter lido e deixado comentário tão nobre.
Samuel
Deu-me um arrepio ao ler o teu comentário. A sério. Mas foi uma sensação boa, muito boa, podes crer.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas