Sexta-feira, 22 de Agosto de 2008
Cerejas e palhaços, pura poesia.
Sexta-feira, 22 Ago, 2008

Que as conversas são como as cerejas já toda a gente sabe. É a sabedoria popular quem nos informa, essa reserva cultural da nação. Imagino que o adágio signifique que de tão saborosas, umas e outras, se papam ambas a bom ritmo, numa progressão gulosa. Faz sentido que assim seja. E com a poesia será igual, também tem a sua lógica, afinal que melhor conversa pode existir do que aquela que espana o óbvio e varre a vulgaridade deste chão de palavras que pisamos? Nenhuma outra, estou certo.

 

Assim, a propósito do meu modesto "Querer', publicado aqui em baixo, lembrou-se a Cristina que 'tudo era possível, era só querer' e em boa hora entendeu oferecer essas palavras lindas de Ruy Belo num comentário que entendi puxar aqui para o salão nobre, sempre se lê melhor, tem mais luz. Uma bela surpresa, foi o que foi, para fechar a semana. Recorde-se que a Cristina é uma justa eleita do meu amigo Daniel de Sá, que em boa hora a deu a conhecer a todos nós. E é também hoje uma presença regular cá da casa, uma espécie de consulado permanente do 7Vidas no Brasil, onde bate e trabalha este nosso coração. Está explicado, são assim os palhaços de Deus.

 

 .

 

E tudo era possível

 


Na minha juventude antes de ter saído
da casa de meus pais disposto a viajar
eu conhecia já o rebentar do mar
das páginas dos livros que já tinha lido

Chegava o mês de Maio era tudo florido
o rolo das manhãs punha-se a circular
e era só ouvir o sonhador falar
da vida como se ela houvesse acontecido

E tudo se passava numa outra vida
e havia para as coisas sempre uma saída
Quando foi isso? Eu próprio o não sei dizer

Só sei que tinha o poder duma criança
Entre as coisas e mim havia vizinhança
e tudo era possível era só querer.

 

(Ruy Belo)



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Samuel a 22 de Agosto de 2008 às 23:53
Rui

Agora que já li os dois posts, comento apenas neste.
Faz todo o sentido comentar o teu "Querer" com versos, desde que sejam desta extirpe. Faz todo o sentido e a Cristina viu isso muito bem.

Abraço


De Rui Vasco Neto a 23 de Agosto de 2008 às 01:08
sam, caramba,
esse elogio foi dedilhado, coisa mai'linda.
obrigado.


De Cristina a 23 de Agosto de 2008 às 02:57
Meu querido Rui

Reafirmo o quanto gosto de estar aqui em sua casa, e a forma como expõe teu olhar, sigo teus olhos, que me levam a experimentar as quatro estações num só dia.
E hoje o teu querer as reuniu para uma ciranda e me convidou a participar, e fui bem rápido chamar teu xará para nos fazer companhia. E agora me ofereces este belo fim de noite..., faltam-me as palavras para agradecer este carinho, retribuo cantando para ti baixinho a canção do 14 Bis (Toada). Segue a letra já que não consigo te entregar a música.
Vem morena ouvir comigo essa cantiga
Sair por essa vida aventureira
Tanta toada eu trago na viola
Pra ver você mais feliz

Escute o trem de ferro alegre a cantar
Na reta da chegada pra descansar
No coração sereno da toada
Bem querer
Tanta saudade eu já senti
Morena mas que coisa tão bonita
Da vida nunca vou me arrepender
Escute o trem de ferro alegre a cantar
Na reta da chegada pra descansar
No coração sereno da toada
Bem querer
Tanta saudade eu já senti
Morena mas que coisa tão bonita
Da vida nunca vou me arrepender
Vem morena
Vem morena
Vem morena
Vem
Morena ouve comigo essa cantiga
Sair por essa vida aventureira
Tanta toada eu trago na viola
Pra ver você mais feliz
Escute o trem de ferro alegre a cantar
Na reta da chegada pra descansar
No coração sereno da toada
Bem querer
Um montão de beijos e que venha o sábado não é amigo, afinal acreditamos ser possível.




De Cristina a 23 de Agosto de 2008 às 03:00
Oi Samuel, meu querido Cantigueiro , passei para deixar beijinhos de sexta, e confessar que ando em sua casa e gosto muito.


De Daniel de Sá a 23 de Agosto de 2008 às 01:59
Nada a acrescentar, meus caros compinchas. Só uma explicação para esta foto que é da minha responsablidade ter aparecido no Sete Vidas. Nela a Cristina está vestida é de guarani, não de palhaço, mas eu na altura optei por esta porque, de palhaço, ela fica irreconhecível, embora continue linda.


De Cristina a 23 de Agosto de 2008 às 03:03
Oiiiiii Daniel querido, acho que todos aqui sabem que moras neste meu coração brasileiro não é?
Linnnnnnnnndo é vc meu anjo.
Beijos.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas