Sábado, 23 de Agosto de 2008
Piu!!!
Sábado, 23 Ago, 2008

Suponho que estas coisas tenham mesmo que acontecer, senão como é que a gente explicava às nossas criancinhas o que é fazer política reles e lucrar com a desgraça alheia, para que as pobrezinhas desde cedo aprendam e cresçam a fugir dessa gente como devem fugir daqueles senhores que abrem as gabardines para mostrar o passarinho às meninas e aos meninos e a toda a gente? Todos caçam a inocência  alheia e, à má-fila, realizam-se nos resultados da comoção que provocam. Refiro-me, evidentemente, à triste figura feita pelo vice-presidente do PSD, José Pedro Aguiar-Branco, que veio pedir a demissão do ministro da Administração Interna porque tem havido muitos crimes. Pedir não, 'exigir' e 'imediatamente', foi bem claro. Lembrei-me logo do passarinho, não sei porquê.

 

Haverá razões, por certo, fundamentos, um supremo argumento, talvez, para uma tal exigência? Bom, Aguiar-Branco explicou esta sexta-feira à TSF que o pedido, perdão, exigência de demissão de Rui Pereira deve-se a um «falhanço» na política de segurança da «responsabilidade do PS» nos últimos dez anos. E explica melhor, enfim, ou tenta tentar explicar, aparentemente, atirando a eito: «O que é que vai acontecer entre este momento e aquele em que houver os tais dois mil polícias e as tais 42 mil armas a disparar?», alhou, para logo bugalhar, concluindo: «Essa situação é a confissão clara de que há um falhanço no que diz respeito à política nesta matéria, que nos últimos dez anos é da responsabilidade do PS». E pronto, demita-se o ministro, já, imediatamente, qual se faz favor qual carapuça.

 

Sabe Deus (e saberia o meu confessor, juro, se eu tivesse um) que o senhor ministro Rui Pereira está longe como Pequim de merecer a minha modesta aprovação, seja pelo (discutível, no mínimo) baixar do polegar em Campolide, seja pelas coisas que se lembra de dizer da sua ministerial boca para fora, material olímpico, a roçar as melhores marcas do imbatível Prime Minister Jim Hacker, de saudosa memória. É certo que o homem não me convence, a mandar nas polícias que não domina. Mas daí até bater palmas ao espectáculo deprimente de uma oposição reduzida a este ladrar de sarjeta às canelas do poder, inconsequente e rasteiro, vai uma distância que deixa Pequim já alizinho, mesmo, praticamente ao virar da esquina. Estou quase chinês, de rir amarelo com este PSD.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Samuel a 23 de Agosto de 2008 às 12:50
Ah... também estás amarelo?... Quer dizer que existe uma esperança de que esta coloração com que tenho acordado não seja afinal icterícia...

Obrigado e abreijos


De Rui Vasco Neto a 23 de Agosto de 2008 às 20:46
sam,
acordaste então a dar para o yellow... é côr que traz pouco de bom, ao que dizem está associada à cobardia e outras leituras escanifobéticas.
cura-te disso, amigo. Bebe chá, sei lá.
Da Gorreana, claro, pede ao Daniel que ele mora ao lado (por isso ele tem tanto chá).
aquele abraço


De Daniel de Sá a 23 de Agosto de 2008 às 17:11
Sam e Rui
Vocês não me dêem cabo do amarelo. Que será feito da "yellow rose of Texas" ou da beleza de uma criança vestida dessa cor, se a põem como sinal da náusea política em que estamos atascados?
(Bom, há uns amarelos mais amarelos do que outros, lá isso é verdade...)


De Rui Vasco Neto a 23 de Agosto de 2008 às 20:50
daniel,
tens a resposta aqui acima, dei-a ao samuel sem reparar que também era para ti.
seja como for, tu é que acabaste por responder, no fundo, ao desencantares a definição certa para amarelo: náusea.
mas por que raio terá a côr (para mim simpática e alegre) esse diacho de conotação, não me dizes?


De Cristina a 23 de Agosto de 2008 às 19:00
Oiiiiiiii Rui
Ihhhhh, o Brasil tá amarelo...Ah tá ! Foi por conta do ouro das meninas do Vôlei...Que susto!
Beijinhos querido.


De Rui Vasco Neto a 23 de Agosto de 2008 às 20:52
gata,
gadinho, viu?


De Anónimo a 23 de Agosto de 2008 às 19:26
Já gostei mais de te ler, pá. Andas com falta de inspiração ou quê? Escreves pouco, de vez em quando lá dás um arzinho da tua graça com um post melhorzinho, mas não tem nada a ver com o que postavas, pá. Qualquer dia estás igual aos outros todos, pá....


De Maria a 23 de Agosto de 2008 às 20:07
Anónimo
E se lhe oferecêssemos um irish coffee "?! :))))


De Rui Vasco Neto a 23 de Agosto de 2008 às 20:53
maria,
aceito, encantado.
pode ser com jameson, já agora?


De Rui Vasco Neto a 23 de Agosto de 2008 às 20:17
nóni,
a familiaridade que vossa excelência usou, no linguajar do comentário que vossa senhoria deixou, permite que se equacione a hipótese de o senhor ser um conhecido, talvez colega de escola, até, embora sinceramente, quer você acredite ou não, eu não esteja mesmo a ver quem tu és.
Pá.


De Rui Vasco Neto a 23 de Agosto de 2008 às 20:40
nóni,
esqueci-me, mas olha agora o meu sorriso
:-))))))))))))))
cumprimentos


De Anónimo a 23 de Agosto de 2008 às 21:46
Sempre achei lindo o teu sorriso!


De Saci a 24 de Agosto de 2008 às 02:34
Vai na volta e ele acha que o Rui Pereira é o cabecilha destes gangs todos.


De Anónimo a 24 de Agosto de 2008 às 06:56
Saci,
também acho, pá!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas