Domingo, 24 de Agosto de 2008
O meu Brasil português
Domingo, 24 Ago, 2008

O estatuto editorial cá da casa permite e encoraja estas leviandades, pequenas tropelias. Não havendo malandrice ou sexo (Deus nos livre) , fecha-se os olhos, já se sabe, ficam na conta da criatividade dos amanuenses, fundamental para esfolar a freguesia. É que dia de prosa que agrade é um consolo ver a sacola a transbordar tostões, a cada solavanco da carrinha da Prosegur que nos leva a massa (achei melhor assim, mais seguro do que ser eu a levar ao banco ou o Daniel a ir depositar ao Corvo, por ficar mais à mão) Eh, lá! Por falar em Daniel, já quase me esquecia, caramba, esta minha cabeça! Mandou-me ele uma nota que dizia assim: «Já que se tem vindo a falar do Brasil, envio-te este textozinho que escrevi para uma revista do Pico que no número mais recente foi feita no Brasil, pelos meus amigos Assis Brasil e Lélia Nunes. (Não percebeste como é que uma revista do Pico foi feita no Brasil? Então é porque não percebes nada de ilhas nem do Brasil.)» E pronto. Toma lá que já almoçaste. Por isso eu me lembrei do estatuto, e da criatividade dos escribas, e das tais leviandades, tropelias, para não lhes chamar outra coisa, pois foi, está certo, foi isso... Então está bem, pronto. Vá lá.

 

Em baixo: "O meu Brasil português"

Sete vidas mais uma: Daniel de Sá

 

 

O Brasil da minha infância era: “Amazonas, Manaus; Pará, Belém; Maranhão, São Luís; Piauí, Teresina; Ceará, Fortaleza...” A voz de minha mãe recitando como um poema. Ensinara-lhe a escola, mais de um século depois do “Fico”. Remorsos do colonialismo ou saudades do Império?

 

O Brasil da minha infância tinha Oscar Niemeyer plantando uma cidade no mato. Millôr Fernandes e o Amigo da Onça. Rachel de Queiroz na última página. Vasco da Gama campeão. Fla-Flu, e Palmeiras, 1 – Corinthians, 1. Seu Mané Garrincha que ainda era do Botafogo antes que o Botafogo fosse de Garrincha. O Brasil da minha infância não era dos coronéis. Depois foi e ficou mais triste. E “O Cruzeiro” também. Só o Zé Carioca continuou feliz e fazendo felicidade. E eu sempre escrevi o ditado escapando ao castigo da D. Úrsula. Porque não me esquecia do “c” dos “factos”. Hoje é que os doutores pensam que a gente é burra e querem mudar as “ortoleis” da “heterografia”, para não errar. Se a D. Úrsula fosse viva, iria ao ministério e corria todos à reguada. Cinco vezes por cada palavra trocada, duas por cada acento em falta.

 

O Brasil da minha infância cresceu comigo. Continuou a ter o povo dos cafezais de Portinari, mas também o povo de Zumblick porta-bandeira do Divino. Porque foi ficando cada vez mais a sul. Até ao pampa que a gente por cá diz “as pampas”. Com castelos do Assis Brasil e rios que têm as margens imóveis. Com o vento da Lélia Nunes. Aquele vento Sul que fazia travessuras nas saias das meninas. E os rapazes à espreita, à espera de revelações.

 

O Sul onde há saudades da ilha. Da ilha dos Açores, que são nove. E Santa Catarina imagina-se também ilha, só para ser mais parecida à Terceira ou a São Jorge.

 

Ficaram por aqueles fundos do Brasil o Espírito Santo e falas da ilha que são nove. Um Divino com sotaque tropical e vozes com requebros de tons rubros. E a gente pasma: como Deus é grande! Bem disse Eça de Queirós que o “Brasil brasileiro” tinha tudo de bom e tudo de menos bom que os nossos avós levaram consigo. Só não sabia que Deus é brasileiro também. Mas Eça não podia saber tudo.

 

Ficou-nos esta sina de permanecermos unidos. De termos a mesma lágrima quando o escrete perde ou quando o Brasil ganha. Porque somos irmãos. Até pusemos no dicionário palavras antes só ouvidas nos matagais guaranis ou nos sertões tupis.

 

Continuamos por cá. Entre mar e céu, entre marés e montanhas. Divinos, quase. As coisas ou nós? Tudo. Uma espécie de panteísmo pressentido. Desde o “cagarro” de Santa Maria ao “manezinho” da Ilha. Até à ilha outra, e até quase ao sul de todo o Sul, em Porto Alegre, cidade do Rio Grande.

 

Vocês continuam por cá. E nós estamos aí.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Vavá Estraisse a 24 de Agosto de 2008 às 02:15
Seu Rui, esse cara aí está precisando ser jogado fora. Como pode escrever sobre o Brasil sem falar no Grêmio? E logo que seu Assis é Grêmio até o tutano da alma. Falou no Cruzeiro, mas esse é só letras, que ninguém chuta, entendeu? Esnobou, é isso. Falou mas não disse. E tem mais. Ninguém lembra o Brasil sem dizer pelo menos três vezes bunda, tá? Deu aproximação, com aquilo do Vento Sul, mas foi só. Que é que você acha que os rapazes estavam fazendo de olho arregalado à espera do Vento Sul? Pra ver as bunda das minina, claro. E cadê Ipanema e Guanabara, o Morro e a cachaça? Cadê o Maracanã, que é nome de ave e lugar de massacre de todos os clubes do Mundo, exceto os danados dos uruguais em 1950? Assim não dá. Assim não deu.


De Rui Vasco Neto a 24 de Agosto de 2008 às 03:33
Ficaquieta, ó sororoba, num vem que não tem. Chega de botar defeito em seu De Sá, que nem pensa em bunda, sequer, quanto mais esnobar dela,
Vê se 'ocê se manja, ó criatura


De Vavá Estraisse a 24 de Agosto de 2008 às 14:52
Pôxa, sô, ocê tá brabo memo! Tem duas coisas que eu nunca entendi pra que serve: chuva no mar e portuga na Terra.


De Saci a 24 de Agosto de 2008 às 02:30
Não sei o que é melhor: se os textos do Daniel ou as introduções do Rui.

Que dupla!

( só acho mal o estatuto editorial da casa não permitir malandrice ou sexo. acho mal, pronto)


De Rui Vasco Neto a 24 de Agosto de 2008 às 03:34
minha senhora, estou que nem posso.
saio às arrecuas.


De Cristina a 25 de Agosto de 2008 às 04:56
Oi Rui e Daniel

Os dois estão imbatíveis. É delicioso mesmo quando entram nesta parceria. Beijos para os dois.


De Samuel a 25 de Agosto de 2008 às 13:09
Com faltas ou sem elas... é um privilégio ter textos desta "espécie" para ler na blogosfera , nem sempre muito fértil em classe.

Abraço


De Daniel de Sá a 25 de Agosto de 2008 às 17:05
Obrigado, Samuel. Quanto ao Vavá, esquece. O cara só quis xingar o Rui.


De Samuel a 25 de Agosto de 2008 às 19:52
Tinha entendido que o comentário do Vavá era a brincar... além de que falta mesmo é a da "mulata", que para além de ser (ao que dizem) uma invenção tuga , já traz "tudo" incluído... :)

Abraço


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas