Domingo, 24 de Agosto de 2008
O meu Brasil brasileiro
Domingo, 24 Ago, 2008

O meu Brasil brasileiro tinha as cores da ditadura ainda frescas de velhas nas paredes para me receber. Chego na posse de Tancredo Neves, vive-se o que parecia impossível pouco antes, ainda, com Figueiredo: o verde-amarelo ao rubro. E ainda mal me equilibrei na voragem de todo aquele imenso entusiasmo e confiança e já vou no mergulho nacional na dor e angústia pela doença súbita e fatal do Presidente eleito. Era a democracia que parecia agonizar, naqueles dias terríveis em que o Brasil inteiro fazia pouco mais do que rezar por Tancredo. Que se foi, ficando herói e sendo substituído por Sarney, assim colocado de empurrão pelo destino ao leme da mudança imparável deste Brasil anos 80.

 

O meu Brasil brasileiro um dia acordou fechado, tudo fechado, lojas, mercados, bancos, tudo. Era o Plano Cruzado, que do dia para a noite congelou todo o dinheiro em circulação e matou o cruzeiro com o primeiro dos vários tiros de misericórdia que acabariam por conduzir ao actual real. E o país reagiu como um todo, absorveu e adaptou-se, com o seu tradicional jeitinho, e tudo acabou em samba como sempre. Era o tempo de Brizola na cabeça, slogan do governador. Em S.Paulo era já Maluf que despontava mas ainda Jânio Quadros quem pendurava as botas na parede do seu gabinete e governava o Estado. O deputado federal Juruna, ícone de honestidade da revolta índia pelos seus direitos, aparecia na televisão nacional filmado no interior de um Banco, de casaco e gravata e saiote tribal, envolvido numa cena de pancadaria de criar bicho por acusações de corrupção. Joãozinho Trinta era o grande carnavalesco na Beija-Flor, Clóvis Burnay brilhava nos desfiles de salão e na Portela mandava um português,  Carlinhos Maracanã, presidente do Bangu FC e assumido patrão do Jogo do Bicho. Eurico Miranda sobressaía no grupo Monteiro Aranha e ainda sonhava ser presidente do Vasco da Gama, era António Calçada quem mandava, ao tempo. O bandido da moda, o inimigo público número um, era um tal de Escadinha, um líder de favela famoso por ter fugido da ilha onde estava preso, de helicóptero, enquanto os guardas pensavam que ele estava numa visita íntima autorizada com a sua namorada. Tinha vinte e poucos anos nessa altura, poucos mais viveu até morrer baleado, como muitos outros bandidos depois dele até hoje e até amanhã e depois de amanhã, seguramente. E o Brasil vai levando, penando e rindo à toa da vida, entre cana e futebol, fome e carnaval, plumas e paetês. E muito samba no pé.

 

O meu Brasil brasileiro aprendia com Cazuza a palavra AIDS, para não mais a poder esquecer. Na televisão brilhavam Chacrinha, Cid Moreira, Gugu, Jô, Faustão, Sílvio Santos, Edna Savaget na Bandeirantes, mais o inenarrável Bolinha e o seu Clube. Roberta Close estreava na Manchete e colocava a palavra 'transsexual' no dia-a-dia do povão. E Roberto Carlos já fazia o seu especial no fim-de-ano da Globo, como sempre. O meu Brasil brasileiro ofereceu-me o Rio de Janeiro para uma simbiose perfeita, três bons anos de paixão mútua que me levaram por caminhos de encanto impossíveis de descrever aqui, não é sequer o tempo ou lugar. Mas de vez em quando ouço o canto das sereias, ecos da Sapucaí, talvez. E sai-me dos dedos este Brasil que foi o meu. Brasileiro, definitivamente.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Cristina a 25 de Agosto de 2008 às 04:48
Meu menino Rui, agora atingistes em cheio este meu coração brasileiro, semeado e colhido no Rio de Janeiro. Ah o Zé Carioca...deve ser este que instiga os brasileiros a quebrar todos os protocolos e sempre acreditar que as coisas vão melhorar a seu tempo. E se custa um pouco mais , não há mal em sambar um pouco para espantar as tristezas.
Bom, já que falamos em samba, tuas palavras indicam que tens samba no pé, e que este Brasil também é teu, e já moras no meu coração.
Beijinhos querido e vamos lá para mais uma semana...


De Samuel a 25 de Agosto de 2008 às 15:58
O meu Brasil-brasileiro é feito apenas de quatro dias no Rio, para uma festa do 25 de Abril, em que uma multidão de actrizes e actores da Globo fizeram questão de estar presentes para ajudar à festa e "prestigiar", como eles dizem, a nossa actuação.
O meu Brasil-brasileiro é feito de uma grande pena de que os meus avós não tenham tido a grande ideia de ir para o Brasil e ficado por lá...


De Samuel a 25 de Agosto de 2008 às 16:00
...questão de "estarem"...


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas