Quarta-feira, 27 de Agosto de 2008
A Colónia de Santa Teresa
Quarta-feira, 27 Ago, 2008

 

Lepra. Nome feio, dos piores. Hoje já raro de ouvir, o que nem por isso significa que a doença de Hansen não existe mais. Ou, muito menos, que não existem mais leprosos, nome mais feio ainda. «Eu pensava que estas coisas só tinham acontecido em tempos bíblicos, quando muito há mais de um século, com gente sem alma no corpo e outros quase sem corpo para abrigar a alma. Creio que para muitos dos nossos amigos leitores será também uma surpresa total.» É Daniel de Sá quem me escreve e conta, em recado privado, a história por detrás da prosa que me envia. Trata-se de um texto escrito por Cristina Vianna, uma amiga comum que fala de lepra e de leprosos com uma autoridade legitimada pelo seu lidar quotidiano com essa realidade. Uma prosa do coração, mas com um rigor testemunhal. Um retrato com fotografia, esta que aqui vêem, de uma realidade tal e qual. Com estes rostos, sem tirar nem pôr.

A história de vida da Cristina, contada aqui, será um exemplo e uma inspiração, é certo, tão certo como não haver qualquer favor na reverência que se impõe. São adjectivos em permanente conquista numa luta diária com entrega total, corpo e alma, desta mulher que escolheu falar menos e fazer mais pelos outros. O seu amigo Daniel chama-lhe 'um palhaço de Deus' e é perfeito na definição. Terão sido pessoas assim, lamentavelmente poucas, que Deus terá inventado para fazer sorrir e amolecer o coração da gente, embrutecida pelo espectáculo non-stop deste circo de horrores, onde o belo mal se distingue, só à lupa, quase. Mas existe, conforme prova junta.

 

Em baixo: "A Colónia de Santa Teresa"
Sete vidas mais uma: Cristina Vianna

 

 

(Passei a fazer festas para os pacientes. Brincadeiras, música ao vivo, café colonial, bingo e muita brincadeira. A moça de cabelos longos é manicure, convidada junto com outros para cuidar dos cabelos, unhas e maquiagem para as festas", escreveu Cristina na legenda desta foto que mostra ainda na ponta direita Martinha, jovem estudante de enfermagem e ao centro, abraçada por todas, Maria, protagonista deste texto escrito pelo palhaço da foto)


 

 

A lepra roubava sonhos, e aqueles que fossem “escolhidos” certamente compartilhariam o mesmo destino sem escolhas. A colónia fora projectada para ser uma mini-cidade, um lugar só de ida, como um destino sem curvas ou bifurcações. Até o delegado, a polícia, todos eram hanseanos. Tinham uma moeda própria, assim como o comércio.
 
A primeira vez que visitei a colónia foi num sábado de primavera, numa manhã ensolarada. O lugar era tão imenso e tão belo, grandes jardins, lago com peixes, casas, algumas construções desactivadas, como teatro, delegacia, salão de festas, porém tinha guarita como num presídio e muitas grades de segurança bem antigas na cabine de visitas. Todas essas construções foram feitas por mãos hansenianas. Em alguns momentos cheguei a criar imagens em minha mente de pessoas com rostos colados nas grades tentando ver o mundo lá fora.
 
Eu, absorta naquela realidade, num mundo novo e singular, fui surpreendida por uma visão. Uma casinha azul, pequena, com janelas pintadas de branco e jardineiras floridas, e na porta a visão de um anjo, uma criaturinha pequenina e sorridente, com olhar maroto, terno, doce, traços delicados, semblante tranquilo, de alguém que venceu a vida e suas batalhas. Estava paralisada diante de Maria, e por um tempo fiquei segura dentro de seu olhar. «Bom dia. Vieste me visitar?» Eu apenas sorri, ainda não sabia que aquela era a maior verdade de nossa história. Parecia estar marcado este encontro. «Entre, fique à vontade.» Entrar naquela casa era como entrar na casa de minhas antigas bonecas, tão aconchegante, colorida, cuidada, e nas paredes recordações emolduradas que contavam uma história de amor. «Não me recordo quando contraí a doença, mas lembro-me de ir à escola, estender minha mão à professora e esta se recusar a segurar. Estava sempre isolada num canto da sala, com o passar do tempo não saía mais de casa e muitas vezes ouvi as vizinhas cochicharem: “Esta menina tem Lepra, vai morrer.”»
 
Maria arquivava seus sonhos, via o mundo por frestas entre as madeiras de sua casa, e tinha pouco contacto com gente. Contou-me que numa tarde, quando tinha vinte e dois anos, o carro da Vigilância Sanitária parou em sua porta, e ordenou que entrasse. Alguém havia denunciado. Entrou nele sem resistência, e nunca mais seus olhos encontraram novamente aquela paisagem dos jardins. Ela fora levada junto com outros infelizes até os portões da colónia, mandaram que descesse e disseram: «Vão apodrecer e morrer aí dentro.» Assim, sem escolhas, eram jogados lá dentro, sem direito a nada, sem nenhum contacto com o mundo lá fora. Lá fora ficava tudo, a juventude, a família, os sonhos, a dignidade, o copo na pia, a marca do corpo em seu colchão. Entravam naquele lugar para morrer. «Fomos amaldiçoados pela Igreja. Não podíamos ir à missa.», disse-me um dia Maria quando falávamos sobre fé.
 
A jovem Maria decidiu que não apodreceria e muito menos morreria, sem ter vivido, estava entre aqueles que partilhavam a mesma sorte, iria então tomar as rédeas de sua vida, e viver, esse fora um dos segredos confessados, o querer viver, e aprender a ser feliz com suas condições. No início do século XX ainda não existia nenhum tipo de tratamento. Os pacientes eram rejeitados por suas famílias e jogados na beira de estradas. Viviam de esmolas e ajuda de senhoras da sociedade. A partir de 1924 o Governo decidiu assumir a questão e, fortalecido pela ideia de que tirando o doente das ruas ou estradas estaria salvaguardando a sociedade sadia, decidiu pela internação compulsória. Assim, o indivíduo, com a simples suspeita da doença, já era "marcado", quando não mesmo "caçado" e isolado, compulsivamente, num hospital-colónia na época chamado de Leprosário.
 
Foi assim que aconteceu com Maria e também com José. Este chegara à Colónia aos oito anos. Transformou-se em um homem lindo, moreno, alto, olhos verdes, aprendeu a arte da carpintaria. E viria a casar-se com a costureira e bordadeira Maria na colónia. Tiveram oito filhos em 57 anos de casamento. Quando as crianças nasciam, não era dado o direito nem de serem vistas pela mãe: eram levadas para um orfanato. Os seios latejavam o desejo de amamentar, o colo materno ficava vazio. Após alguns anos algumas eram trazidas para visita, ainda assim não eram tocadas, ficavam atrás das grades para serem vistas. Muitas vezes chegava a notícia de que a criança não vingara. Assim aquele casal recebera a notícia cinco vezes.
 
Muitas vezes durante nossas conversas, Maria fechava os olhos, suspirava fundo e sorria recordando o flerte, o namoro, o primeiro beijo, os bailes, e por incrível que pareça os anos felizes que viveram juntos. Quando descobriram tratamento para a patologia, os portões foram abertos, mas poucos foram embora, a maioria havia perdido os vínculos familiares, e alguns não tinham sobrenome, sequer.
 
Cristina Vianna

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Daniel de Sá a 27 de Agosto de 2008 às 19:56
Pois é, Rui, esta é uma das tais introduções excelentes a que nos elevas. Magnífica.
Só uma nota sem importância. Bota-de-elástico como sou, mudei o que havia a mudar do Português de lá para o de cá, o de antes do acordo, com o qual não estou de acordo. Não sei se a Cristina estará de acordo com a mudança, mas sei que não se zangará. É que ela nem sonha (por enquanto) que este seu testemunho espantoso foi publicado aqui.
Desculpa, Cristina.


De Cristina a 27 de Agosto de 2008 às 22:58
Daniel
Eu te amo muito.


Poema do Amigo Aprendiz.

"Quero ser teu amigo. Nem de mais nem de menos.

Nem de tão longe, nem de tão perto.

Na medida mais precisa que eu puder.

Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida,

da maneira mais discreta que eu souber.

Sem tirar-lhe a liberdade, sem jamais te sufocar.

Sem forçar tua vontade.

Sem falar, quando for hora de calar.

Sem calar, quando for hora de falar.

Nem ausente, nem presente por demais.

Simplesmente, calmamente, ser-te paz.

É bonito ser amigo, mas, confesso: é tão difícil de aprender!

E por isso, eu te suplico paciência.

Vou encher este teu rosto de lembranças,

Dá-me tempo de acertar nossas distâncias..."

(Fernando Pessoa)
* Não tenho muita certeza do autor.
Beijos no coração.



De cristina a 27 de Agosto de 2008 às 22:30
Oi, digo esse quase como um sussurro.
Rui, dialogar é conhecer através da palavra, é revelar-se ao outro, em sua essência e qualidade. E tem sido assim contigo, esta introdução fora magnífica, respeito e gosto tanto deste espaço (sua casa), que perco as palavras para traduzir o que sinto.
Este assunto é tão importante para mim que não podes imaginar, não conseguimos erradicar a Hanseníase (Lepra) no Brasil. E esta colônia para ter uma idéia ainda hoje, abriga 44 pacientes, os primeiros ainda estão por lá. E todos os anos têm novos casos. Luto por conta da Educação em Saúde, todos os programas construídos pelo governo, nunca abrangem Educação, e acredito que este seja o princípio organizador para internalizar idéias , entrei na colônia para um estágio de psiquiatria, e me deparei com aquela realidade “Loucos são fabricados”, e depois esquecidos.
Meu querido Rui, o corpo talvez seja o mais belo traço da memória da vida, um arquivo vivo, uma inesgotável fonte de desassossego e prazeres. E eu jamais esquecerei um corpo Hanseniano . Nosso maior obstáculo aqui, é o despreparo médico para reconhecer os sinais antes que avancem as seqüelas.
Ainda estou na luta amigo, um montão de beijos neste coração.



De Thais Naomi(filha da Cris) a 27 de Agosto de 2008 às 23:21
Bom,de tudo me orgulho muito dos trabalhos da minha mãe e de hoje ver essa história publicada aqui,um lugar que pra ela é muito especial.
Vi minha mãe la dentro,vi ela em um personagem,mas personagem algum devolveu aquelas pessoas as partes que lhe foram arrancadas.Ninguem falava de tal maneira com eles como ela,eu vi ela devolver um sorriso em casa rostinho sem esperança.Vi com que ela fizesse aquelas pessoas se sentirem gente de novo,a ter vontade de se arrumar pra ir ali tomar um café colonial..da qual para ele já era um banquete!
É duro ver tal realidade,uma realidade excluida por pura ignorancia humana.Vi minha mãe fazer o que ninguem tem coragem,e ainda por vontade própria.Acho que eu conheci a pessoa mais incrivel desse mundo,e agradeço a Deus por isso.
Agradeço também,pelo espaço neste lugar que agora também me é especial.
Obrigada pela surpresa a minha mãe Daniel!
Um grande beijo.
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Bom,de tudo me orgulho muito dos trabalhos da minha mãe e de hoje ver essa história publicada aqui,um lugar que pra ela é muito especial. <BR>Vi minha mãe la dentro,vi ela em um personagem,mas personagem algum devolveu aquelas pessoas as partes que lhe foram arrancadas.Ninguem falava de tal maneira com eles como ela,eu vi ela devolver um sorriso em casa rostinho sem esperança.Vi com que ela fizesse aquelas pessoas se sentirem gente de novo,a ter vontade de se arrumar pra ir ali tomar um café colonial..da qual para ele já era um banquete! <BR>É duro ver tal realidade,uma realidade excluida por pura ignorancia humana.Vi minha mãe fazer o que ninguem tem coragem,e ainda por vontade própria.Acho que eu conheci a pessoa mais incrivel desse mundo,e agradeço a Deus por isso. <BR>Agradeço também,pelo espaço neste lugar que agora também me é especial. <BR>Obrigada pela surpresa a minha mãe Daniel! <BR>Um grande beijo. <BR class=incorrect name="incorrect" <a>Thais</A> Naomi .


De Thais Naomi a 27 de Agosto de 2008 às 23:43
Rui,me desculpa pelos erros em seu blog,podes apagar?
sou novata,as únicas coisas que eu sei bem é orkut e msn!
um beijo.


De Maria a 28 de Agosto de 2008 às 00:00
Lepra é um nome tão feio que lhe passaram a chamar morfeia. Há lepra em Portugal.


De Cristina a 28 de Agosto de 2008 às 02:45
Olá Maria
Trocaram muitas vezes a terminologia, aqui no Brasil na década de 80, os programas de saúde a batizaram como Hanseníase, em homenagem ao descobridor do microrganismo causador da doença Gerhard Hansen. Fizeram na tentativa de suavizar os estigmas que acompanham a patologia.Não deu muito certo, até os dias de hoje as pessoas ainda confundem, acreditando que a Hanseníase é uma nova doença.
No Brasil a doença avança a passos largos, estão registrados cerca de 50 mil por ano,isso nos coloca quase a frente da Índia, no pódio.
É isso querida.Beijos


De Samuel a 28 de Agosto de 2008 às 00:39
História e texto espantosos!
No lugar de ficar aqui a tentar multiplicar adjectivos, dedico aos três e a esta história, uns versos de um "colega" com jeito (Nicolás Guillén), musicados por outro "colega" com futuro (Pablo Milanés).
Abreijos (Cristina, Rui e Daniel)


"De Que Callada Manera"

De qué callada manera
se me adentra usted sonriendo
como si fuera la primavera
yo muriendo
y de qué modo sutil
me derramó en la camisa
todas las flores de abril.

¿Quién le dijo que yo era risa siempre
nunca llanto?
Como si fuera la primavera
¡no soy tanto!
En cambio que espiritual
que usted me brinde una rosa
de su rosal principal.

De qué callada manera
se me adentra usted sonriendo
como si fuera la primavera
Yo muriendo.
Yo muriendo.



De Cristina a 28 de Agosto de 2008 às 02:48
Boa noite Samuel
Lindo! Lindo! Lindo!
Um montão de beijos neste coração maravilhoso.
E lhe dedico novamente aquela canção, e aproveito para agradecer o vídeo.
Mais beijos


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas