Quinta-feira, 28 de Agosto de 2008
À atenção dos senhores do Sapo, fachavor, evidentemente. Tadita.
Quinta-feira, 28 Ago, 2008

Pois foi tudo munto bom e munto agradável e tudo e tudo e tudo. Afinal sempre foram uns quantos milhares de pessoas a mais que apareceram assim de repente, de surpresa, nem deu tempo para preparar um chazinho ou assim, uns scones de alfarroba, nada de nada, enfim, foi uma afobação mas passou-se, pronto, quem dá o que tem já se sabe. Isto é uma vida, é uma vida, é o que isto é. Mas agora que já passou a revoada do destaque nos blogs do Sapo e que a enchente já vai vazando (ficaram só dois senhores e uma senhora coxa que andam lá para baixo, nos posts mais antigos, também não sei a fazer o quê, sinceramente) temos aqui um ou dois pormenorzinhos que eu gostaria de colocar à atenção de vexas. A saber o seguinte.

 

A gente cá na casa até gosta munto de receber visitas, isso nem está em causa, a bem dizer somos até umas pessoas munto abertas e tudo e tudo. De maneiras que o que lá vai, lá vai. Pisarem o gato acontece, não tem mal, o chão lava-se e o canário há-se voltar a cantar, paciência, se não morreu do susto os soluços hão-de passar como chegaram, sem mais. Os três vasos partidos do alpendre também é com'ó outro, mais a bicicleta do Daniel, que já estava velhota e tinha os dois pneus furados mas mesmo assim desapareceu, com o gêpêésse novo que ele adorava. Mas paciência, já se sabe, também não há problema com a ração do Gastão que eu vi uns senhores a petiscar, que diabo, temos que ser uns para os outros, isto é assim mesmo. Nada disto tem importância, fazem o favor de aparecer quando quiserem, tudo se arranja, haja saudinha. Só tem uma coisinha que eu assim a modos que se faz favor, pois prontos, é só o que me deixa mais apreensivo e mais nada, daí esta cartinha a vexas. Passo a explicar, finalmente.

 

Trata-se da tia Geraldina, coitada, que vivia carrancuda e sem dar pio, sentada no seu cadeirão de baloiço na sacada da ala norte há mais de quarenta e oito anos, desde que ficou encalhada, tadita, em pleno Estado Novo, a bem dizer sem uso. Não se riam, mas foi depois de toda a gente descobrir que o Oliveira, o seu prometido de menina e moça, tinha afinal um caso com o Luisinho da farmácia, foram os dois apanhados em flagrante no urinol da estação no dia do terramoto, imaginem o abalo (as pessoas com os nervos já se sabe, foram fazer xixi e deram com aquele lindo serviço, muitos nem fizeram). Foi uma escandaleira, não se falava de outra coisa, a tia Geraldina fechou-se em casa e levou quase vinte anos até se sentar no cadeirão cá fora, debaixo dos olhos do bairro e de olhos baixos no chão, mais outros dez para deixar de desmaiar quando um homem lhe dizia bom dia ao passar na rua em frente. Agora andava mais ou menos, tadita, até já tirava o véu aos sábados e tudo. Pois desde o primeiro dia de destaque no Sapo que a tia remoçou, agora canta à tardinha, coisa rara e nunca vista, parece outra depois da enchente, como quem descobriu as queijadas de Sintra e ficou em estado de choque gastro-uterino. É claro que estou preocupado.

 

O que se passou não sei, mas sei que ainda não era meio-dia quando a vi de passo trocado e olhar ausente, saia meio descomposta e blusa mal apertada, a escapulir-se de fininho de um link assim mais escondido, coradinha e toda despenteada mas com o ar mais consolado deste mundo e um sorriso pateta pregado no rosto. Depois, logo de seguida, vejo sair do mesmo sítio um mocetão campónio, de calção largo e camiseta de alças, faces também afogueadas, que mal me viu virou à esquerda e desapareceu num ai, ninguém mais lhe pôs a vista em cima. Eu cá achei estranho, lá isso achei, mas pronto, isto as coisas são como realmente, já não me cheirou bem logo aí. Mas agora que tenho a tia Geraldina de cabeleira loura e leque, com um mini-vestido vermelho do tempo do charleston, franjinhas e decote até à cinta, sapatinho de salto agulha logo às sete e meia da matina e olhos postos e pregados na porta do sitemieter, num cio à espera que saia, com a mesma expressão do lobo mau quando viu o capuchinho, aí eu começo a ficar seriamente preocupado. Em pânico, mesmo.

 

Que diabo, sempre são noventa e sete anos, faz noventa e oito em Novembro, tadita, se aguentar esta pedalada, salvo seja. É que se ao menos ela não se metesse com a freguesia, se ficasse quieta com as mãos, a coisa ainda passava, talvez, mas só hoje à tarde apalpou ela três senhores e rasgou a camisa a um outro rapaz que conseguiu fugir a custo, tadito também. Parece esta onda de assaltos que anda agora para aí, uns atrás dos outros, tenho até receio que a confundam e me matem a velhota um destes dias, agora com os atiradores especiais e tudo, é um perigo, a sério. Vá lá que ela julga que os snipers são chocolates com cereais, tadita, antes assim. Sempre é diabética.  

 

De maneiras que eu pensei cá para mim que talvez os senhores do Sapo pudessem arranjar uma maneira de contactar o rapaz em questão, não sei, talvez pelo ipê dele ou assim, só para ver se ele não se importava de aparecer por cá de vez em quando para uma visitinha, assim como quem não quer a tia, perdão, não quer a coisa, tadita, que pouco mais tem na vida. Sempre era uma caridade que se fazia e a caridade é uma coisa munto, munto bonita, a gente vai para o céu e tudo e tudo e tudo. De maneiras que era isto e pronto, a modos que pois é assim e munto obrigadinho por tudo. Em meu nome e da tia Geraldina pois um grande bem-haja. Pronto. Tadita.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De ângela a 28 de Agosto de 2008 às 10:30
Parabéns!


PS: quanda falas na Tia Geraldina, sabe-se lá porquê lembrei-me da Guilhermina...


De Rui Vasco Neto a 28 de Agosto de 2008 às 11:53
lita,
tadita! só pela idade, porque de resto de encalhada não tinha nada...:-)))

(espero que o elevador novo funcione bem, 200€ ainda é dinheiro)


De ângela a 28 de Agosto de 2008 às 12:25
Nem me digas... Dava para umas mini-férias simpáticas...
Sabes que "Geraldina", Guilhermina", não sei, é parecido.
Mas, reconheço, deve ter sido por causa da idade.
Bjs


De Joanina a 28 de Agosto de 2008 às 22:21
GE-NI-AL !!...
Jo


De Rui Vasco Neto a 30 de Agosto de 2008 às 01:35
jo,
brigado, baratita. Não foi só a Lala que veio pelo teu blog, tem sido uma enchentezinha também, a tia Geraldina até ficou cheia de esperança outra vez... não se faz, mas foi um prazer conhecer-te.

a gente vai-se lendo.


De Joanina a 31 de Agosto de 2008 às 02:18
Rui,
Eu lamento muito ter posto a tia Geraldina em alvoroço novamente! Não era essa a minha intenção!! Mas quem sabe a "sorte" ate não lhe vem bater a porta outra vez... e tudo, e tudo e tudo!!?
A serio, achei demais! Em termos de humor, do melhor que tenho lido, por isso não resisti a partilhar com quem visita o meu blog! Parabéns !
... E foi MESMO um prazer conhecer-te!
A gente vai-se lendo, com toda a certeza, (que eu agora tambem ja não te desamparo a porta do sitemeter)! lol
Bj da Jo


De Lala a 29 de Agosto de 2008 às 19:50
Olá.
Nunca cá tinha estado.
Vim a convite de Joanina, e só tenho uma coisa a dizer.
ADOREI
Vou vir cá muitas vezes, se me deixarem, claro.
Bjinhos.
Lala


De Rui Vasco Neto a 30 de Agosto de 2008 às 01:36
«bute!», diria Eça se fosse vivo. Há provas do contrário?


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas