Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008
Simplesmente Genial!
Sexta-feira, 29 Ago, 2008

Cá para mim eu vejo assim: há o 'normal', que nivela a zeros, depois há para baixo e para cima, certo? Se é para baixo desce do 'quase aceitável mas mauzito' para o 'mau mesmo', 'péssimo', 'execrável', 'merdoso' e por aí fora, quer dizer, por aí abaixo. Se é para cima é bem melhor e mais agradável a gradação. Começa no 'bom' da palmada nas costas e pronto, tá a andar, passa ao 'óptimo', já cá sem palmadas, antes um mirar de interesse e respeito, e daí para cima é um verdadeiro consolo seguir e descobrir o que é 'genial' ou mesmo o raro 'sublime', apenas por exemplo, que lá tão no alto nem o céu é limite para o genuíno talento de um artista.

 

Vem esta conversa toda a propósito destes dez minutos de puro talento, genial e sublime e por aí fora, quer dizer, por aí acima, sem limite que eu consiga vislumbrar depois de ver três vezes e ainda querer mais e mais. A história de "Achmed, the dead terrorist" é do humor mais requintado e conseguido que eu já vi, mesmo considerando que a minha referência natural de ventriloquismo é o José Freixo a fazer o Donaldinho nos programas do Júlio Isidro. "Bom dia Donaldeeee!!", diza o Zé, "Bom dia Zéééééé!!" dizia o Donald, cinco vezes, seis, sete e a gente ria-se muito e silabava ven-trí-lo-quo para aprender a dizer bem e depressa. Pois bem, Achmed, the dead terrorist, ou antes "Premature detonation & 72 virgins", título original desta prestação hilariante, é um outro assunto completamente diferente e sem qualquer comparação possível. Isto embora o humor boçal pudesse dizer que "é como comparar o cú com a feira de Castro", uma alusão que eu nunca atingi na totalidade mas que aqui se aplicaria na perfeição.

 

Achmed, the dead terrorist é um raro prodígio de gargalhada. O que é logo surpreendente à partida, se pensarmos no tema escolhido para fazer rir o mesmo público-alvo do terror. Mas Jeff Dunham conquista a plateia logo à chegada com este seu Achmed, que começa por ser um boneco brilhante na sua concepção estética e linguagem visual. A imagem de um vulgar e estafado esqueleto, em tosco, ganha vida e uma personalidade carismática com a animação de apenas dois pequenos adereços: olhos e sobrancelhas. O resto é história, ou melhor, a história, os textos perfeitos, com uma surpreendente margem de manobra e salvaguarda da ténue linha que demarca e define o bom gosto ao brincar com terrorismo. As vozes, perfeitas também, os movimentos da mão que anima, idem. O timming exacto, impecável, nem de mais nem de menos, o difícil equilíbrio do riso e do siso no conseguido ponto G.

 

De 'Genial', claro.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Samuel a 29 de Agosto de 2008 às 12:48
"Prontos"... está giro... mas o Donaltim é outra coisa!


De Rui Vasco Neto a 30 de Agosto de 2008 às 01:58
sam,
nem mais.
:-)


De Pirate a 29 de Agosto de 2008 às 13:45
É de facto genial caro Vasco...
Este dead terrorist contribuir para atenuar a fobia do medo ocidental, é uma espécie de terapia de massas humoristica...

PS
Lá assustaste o Júlio Pereira que foi ao vinho com o Fernandinho tocar cavaquinho para outro lado...ora bolas o secretário geral da segurança afinal, é outro :-)


De Rui Vasco Neto a 30 de Agosto de 2008 às 01:59
zé,
pois, terapia de massas...
:-)


De Daniel de Sá a 29 de Agosto de 2008 às 16:38
O Herman José não se lhe compara. Nem sequer o Alberto João ou o Mário Lino.


De Rui Vasco Neto a 30 de Agosto de 2008 às 01:59
homem, nem eu!!!


De Pedro Gonçalves a 30 de Agosto de 2008 às 00:03
Assim que puder veja o "Arguing With Myself" do Jeff Dunham.
Simplesmente genial.


De Rui Vasco Neto a 30 de Agosto de 2008 às 02:00
pedro,
segui a dica, já vi duas partes do arguing.
brilhante, como avisou.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas