Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008
Crónica de uma guerra anunciada
Sexta-feira, 29 Ago, 2008

Todas as guerras são más, todas as guerras são cruéis. Não sou lírico ao ponto de acreditar que o Homem consiga viver sossegado e contente em sociedade sem a ameaça de um cacete atómico pelo lombo se arriscar pisotear os limites da ganância (já ditados generosos pelo Poder) que justificam toda a maldade de que se é capaz neste mundo de merda pelo miserável tostão. Haverá situações-limite em que a única resposta estará na força, aceito resignado, pese o nunca esclarecimento por esta via. Mas também quem é que quer esclarecer seja o que for numa guerra, não me dizem? De resto, a tendência Outouno-Inverno das guerras aponta para matar de longe e seguir os estragos pela TV, isto já desde a invenção dos mísseis, o que quer que haja a dizer sobre esse assunto é para ser dito por especialistas acreditados, tipo Moita Flores ou Nuno Rogeiro, não é agora qualquer um que chega e diz coisas quando se está numa guerra.

 

Depois há a questão dos danos colaterais, das chamadas vítimas inocentes que deixam de o ser porque ninguém tem autorização para ser inocente quando os uns matam os outros à nossa volta. Temos que ser alguém, que diabo, uma guerra condena-nos a existir, uns e outros, enquanto não morremos, a bem ou a mal. Mas logo uns acham que somos dos outros e outros decidem que somos uns e sem que digamos um ai ou façamos um gesto eis-nos declarados inimigos de meio mundo em redor. Odiar é mais simples do que parece. Numa guerra morre gente e a gente acha natural porque faz parte e é assim, guerra é guerra, já se sabe. E acaba por ser assim mesmo, na prática, não se pode semear ventos e não esperar uma boa colheita de tempestades pela frente. Por isso a guerra só deve ser hipótese quando colocada em absoluto extremo, depois de bem explicadinha a destruição que vai acarretar para o viver de todos, uns e outros. Todos os mesmos, apenas uns, em tempo de guerra.

 

Outro factor é a política das forças armadas, policiais e militares. O legítimo desejo de um soldado é combater, por isso foi para soldado. Pode ser discutível, mas é legítimo que quem tem a sua razão de existir numa suposta eficácia enquanto combatente queira mostrar serviço, servir a pátria e combater bem, eliminando o inimigo. É a sua vocação, é mais, a sua obrigação. Nenhum desses soldados, acredito, gostará que necessariamente existam vítimas de guerra, danos colaterais, um facto e factor incontornável em qualquer conflito, Mas todos entendem a situação como parte integrante da circunstância, consequência natural que vem com o trabalho. E não deixam (não podem mesmo deixar) que isso lhes tolde o discernimento estratégico ou afecte a sua capacidade de combater, a sua eficácia letal, ou mais uns inocentes poderão morrer pelo caminho, às mãos dos outros. E é uma bola de neve, sempre maior, só que não branca mas tinta de sangue.

 

O Procurador Geral da República fez ontem uma comunicação à nação, via nota de imprensa com dez pontos que se resumem num objectivo, uma só palavra mágica: eficácia. Mesmo pagando mais caro, seja, diz o PGR, mas quer eficácia «através de acções concertadas entre o Ministério Público e os órgãos de polícia criminal, o que sempre se tem pretendido, mas nem sempre se tem conseguido». E anuncia que serão criadas «unidades especiais para combater a criminalidade especialmente violenta, que funcionarão nos DIAP’s Distritais, dirigidas por Magistrados do Ministério Público especialmente vocacionados para essa investigação».

 

Pinto Monteiro lança ainda uma espécie de desejo para que o «legislador proceda aos ajustamentos legais que se mostram necessários para combater a criminalidade violenta». E vai mais longe, mais duro ainda no tom de voz: «o hiper garantismo concedido aos arguidos colide com o direito das vítimas, com o prestígio das instituições e dificulta e impede muitas vezes o combate eficaz à criminalidade complexa». Tudo isto no culminar desta espécie de semana promocional dos assaltos&afins no Pingo Doce, com a bandidagem à solta pelas redacções nacionais e o povo a exigir justiça e mão firme, já não o mesmo que gritou "Barrabás, Barrabás" mas seguramente aquele que encheu a Vasco da Gama para a feijoada do 'Fairy' ou que espremeu as derradeiras gotas de vida a Sousa Franco, com tanta manifestação generosa de carinho popular e espontâneo em tempo de paz na terra entre os homens de boa vontade.

 

As guerras não aparecem por acaso, seja neste texto seja na vida real, onde só devem aparecer como último dos úlimos recursos. E neste texto só aparecem para assim pedir reflexão sobre os tais recursos e oportunidade das guerras, desta que se anuncia para Portugal em particular. Porque é uma guerra isto que se anuncia e qualquer guerra implica morte e destruição de tudo o que verdadeiramente importa nesta vida, a começar pela paz, é importante dizê-lo até à exaustão enquanto é possível. Se Pinto Monteiro fosse um chefe Sioux ou Cherokee do velho oeste, ontem traria um machado à cintura e estava tudo dito à grande nação índia. Sendo PGR no Portugal socrático, entendeu atacar forte no "hipergarantismo" usando manilhas de trunfo como o "prestígio das instituições" para assim propor cortar as vazas ao crime, deixando no ar que desta forma ganha o jogo de caras, sem espinhas. É o tal jogo de que falávamos que vai chegando a pouco e pouco, a tal guerra que se anuncia, uma igual às outras, só que desta vez na nossa rua, onde somos todos uns. Até os outros.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Pirate a 29 de Agosto de 2008 às 14:13
Não ganha o jogo de caras, aliás não é liquido que alguém ganhe o jogo de caras, numa sociedade cada vez mais injusta e desigual, mas o "grande chefe Sioux PGR Pinto Monteiro" tinha que dizer e/ou propor alguma coisa, uma vez que o "presssideeente da Junta" tem andado em quase absoluto silêncio, só aparecendo nos media ou para distribuir Magalhães às criancinhas com chips da Intel ou para tecer elogios à delegação olímpica cá do bairro, quando preferiu estar de férias em Minorca em vez de ter estado presente em Pequim (que chatice!)...
Alguém tinha que tranquilizar o povo com alguns ansioliticos em sound byte...


De Samuel a 29 de Agosto de 2008 às 14:46
É uma pena que tanta gente, por causa de uma campanha manifestamente orquestrada (?) de promoção, como dizes, da criminalidade violenta, fique imediatamente disposta a perder o que demorou séculos a conquistar, por muito "hipergarantismo" que lhe queiram chamar.


De Daniel de Sá a 29 de Agosto de 2008 às 16:36
Por que razão, por que raio, por que demónio, os mais altos responsáveis pela justiça entendem que ela está mal e nada fazem para que fique um pouco menos mal?


De Alfredo Gago da Câmara a 30 de Agosto de 2008 às 03:49
O crime aumenta com a fome, mas quem com fome é acusado de crime, é menos criminoso de quem lhe causou a fome.
Alfredo Gago da Câmara


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas