Quarta-feira, 3 de Setembro de 2008
Correio Lunar
Quarta-feira, 03 Set, 2008
Chegámos todos bem e na graça de Deus. A viagem foi um nadinha cansativa, mas suportável ainda assim. A Clarinha vomitou, é sempre a mesma coisa quando andamos de foguetão. Acho que é dos balanços. O gato fugiu da gaiola e nem queiram saber a confusão que arranjou com a falta de gravidade. Só conseguimos apanhá-lo porque ficou esborrachado contra o vidro mesmo em frente ao nariz do piloto, que era uma senhora muito simpática e que faz esta carreira desde o princípio, já viu de tudo e está habituada. Mesmo assim andámos todos a tirar os cócós do bichinho que se agarraram ao tecto e foi por um triz que não tivemos um acidente com um asteróide quando tínhamos acabado de entrar na antiga Láctea 255, que é agora a Alameda Láctea Presidente Sócrates, mesmo em frente à rotunda de uma das Ursas (nunca sei qual delas é, confundo muito estes caminhos novos). De qualquer forma isto aqui é tudo muito bonito, tal e qual os Lencastre e Silva nos tinham dito, quando voltaram de comprar o terreno deles. Só tenho pena de não nos terem deixado trazer as digitalfilm, mas o terrorismo espacial acabou com esses pequenos luxos. As viagens agora são muito lentas, por causa dos limites de velocidade. Chegamos a demorar três, quatro horas ás vezes, para chegar da Ota à Lua. Já me aconteceu demorar seis horas, mas foi em transporte militar e fizemos escala na Grande Líder Schwarznegger durante quase hora e meia para descarregar dez caixas de mísseis de bolso e quatro barris de vírus e bactérias letais. Desta vez até foi aceitável, menos de duas horas e meia e alunávamos no Hillary Clinton Space Center, a poucos minutos-luz da baixa. Passámos no McDonalds e viemos logo para o condomínio, que os miúdos não se calavam com a casa nova. O avô ainda queria dar uma voltinha para conhecer a cratera Maria Cavaco, mas como já era tarde e não havia táxis resolveu deixar para depois. Mando-vos estas fotografias que tirei da janela do meu quarto. É uma zona lindíssima, como podem ver e está tudo ainda muito em bruto, faz lembrar o nosso Algarve. Os vizinhos mais próximos são cubanos e compraram um lote lá mais para o pé do Mar da Palha, que ainda fica longe daqui mesmo em linha recta. São uns senhores muito simpáticos, metade de uma família que aguarda a chegada da outra metade que ficou para trás à espera de autorização de saída por parte do governo de Cuba. Estou certo que já falta pouco. Ainda da última vez que os vi eu lhes disse para terem calma, que Fidel já não pode durar muito agora, que diabo. Assim que puder vou tentar telefonar, embora as chamadas sejam muito caras. A tia Teresa perguntou se já havia Internet por aqui, mas parece que nem TV Cabo existe, só se apanha a RTP Memória, a CNN e a LaFériaTV. Ainda não é rentável para as grandes companhias, disseram-lhe, embora os lotes se estejam a vender muito bem, principalmente aqui na nossa zona. Disseram-nos até que, depois do Bairro Comendador Tino de Rans, esta é a zona lunar que mais tem valorizado desde a morte de George Bush. Não vos maço mais por hoje. Gosto muito de vocês todos e é difícil não ter saudades vossas. Sempre que vejo um pôr-de-terra no horizonte eu venho cá para fora (embrulhado numa mantinha que roubei do foguetão) e penso em tudo o que deixei para trás. Ás vezes é complicado segurar as lágrimas, que pairam à minha roda sem parar. Mas quando issso acontece concentro a atenção no trabalho e acabo por me esquecer de tudo o resto. É uma das vantagens da agricultura, como sabem, e no próximo mês já temos as vindimas, graças a Deus. Mal tenha um bocadinho livre escrevo outra vez. Cumprimentos ao nosso pessoal. E adeus a todos que eu estou na lua. Não me chateiem que eu agora estou na lua.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Samuel a 3 de Setembro de 2008 às 12:38
"Ás vezes é complicado segurar as lágrimas, que pairam à minha roda sem parar."

É uma bênção para o espírito... :)


De Pirate a 3 de Setembro de 2008 às 15:25
Espero que a alunagem tenha sido suave...não te esqueças de mandar um tinto gravidade zero, para me pôr fora de órbita :-)


De Sinhã a 3 de Setembro de 2008 às 23:45
E o que vais plantar na lua, Ruizinho?:-)


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas