Quinta-feira, 4 de Setembro de 2008
A confirmar-se, não se tratará de invasão de território estrangeiro?
Quinta-feira, 04 Set, 2008

«O ex-primeiro-ministro espanhol, José María Aznar, desmentiu em comunicado oficial as notícias que davam conta que seria ele o pai do filho da ministra da Justiça francesa que está grávida. A ministra  confirmou ontem de manhã que está grávida, mas não quis revelar a identidade do pai, segundo escreveu o Le Monde.

Até agora, os porta-vozes da ministra, que é solteira, tinham-se negado a comentar os rumores da gravidez, que apareceram depois de a ministra ter revelado um ventre ‘avultado’ no primeiro conselho de ministros da rentrée política.»



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Daniel de Sá a 5 de Setembro de 2008 às 00:00
Ó Rui, já ouvi chamar muitos nomes a essa parte da anatomia, mas "território" é que nunca.


De Rui Vasco Neto a 5 de Setembro de 2008 às 00:11
Não te choca a invasão, portanto, a agressão desabrida e unilateral, repetida, insistente, a dureza das armas, as bombas biológicas largadas no território invadido, qual guerra étnica, com possibilidade e eventualidade de repovoamento (à guisa do feudal direito de 'prima nocte') mas lá território é que nunca ouviste chamar... hum... interessante, muito interessante.
Ora diz lá mais.


De Daniel de Sá a 5 de Setembro de 2008 às 00:27
Prima nocte? Nem pensar!

Um senhor não descuidava
O direito de pernada.
E a pobre lá se calava,
Não podia dizer nada.

E o pobre do namorado
Ficava esperando a vez,
Com caminho desbravado
Pelo senhor tão cortês.

Mas a ministra francesa
É boa terra invadida,
E com erva, com certeza,
Que antes já fora comida.


De Rui Vasco Neto a 5 de Setembro de 2008 às 14:23
daniel, daniel,

És cruel com a mulher
invadida por espanhóis
como um Portugal qualquer
há muitos, mas muitos sóis

Só por isso (e porque é boa)
maneirinha, trés jolie,
um mimo na flor da idade
digo-te em boa verdade
pode vir cá a lisboa
que encontrará por aqui
toda a solidariedade

E mais, desde que eu possa
ser de alguma utilidade
que a mim não me faz mossa
mais esta paternidade
(já vai faltando é idade
que o resto não rest in peace
é só a idade, já disse
mas que coisa, que chatice!)

De modos que decidi
pensei muito no que li
sobre esta miss Dati
e no que foi dito aqui
por comentadores vários
em dois ou três comentários.
Pois com a vossa licença
cá vai a minha sentença:
Não vejo pecado mortal
nem carece penitência
pela queca, que é normal,
nem pelo puto, afinal.
Foi comida? Paciência.



De Samuel a 5 de Setembro de 2008 às 11:10
Eh homem de dês! Deixa a Rachida da senhora em paz. Agora Dati para aí?!
Aliás, se a coisa tivesse sido em espanhol, ela estaria "embaraçada". Ela parece-te embaraçada?


De Rui Vasco Neto a 5 de Setembro de 2008 às 14:25
sam, coño,
por supuesto que no!!
pero que guapa eres, no?

(eu sei que vou levar na carola do mestre por escrever em ... em..... bem, prontos, assim parecido com espanhol)


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas