Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008
E se a Igreja se calasse?
Quarta-feira, 10 Set, 2008

O 'caso Kippenberger' já foi assunto aqui no 7Vidas, embora muito por alto, numa leve abordagem que sugeria a reflexão sobre a bondade e valor pedagógico de uma eventual proibição pura e dura, por parte da Igreja católica, de toda e qualquer manifestação artística com a qual a vetusta sensibilidade do Vaticano pudesse sentir-se ferida. Sendo que não existe bitola segura e imparcial para aferir a ofensa, nem escala de rigor para medir o pecado a metro. Qual é então o pecado maior, foi questão deixada em aberto nessa altura. Passaram dez dias, entretanto. Sei, pela correspondência privada que trocámos, que o assunto mereceu séria reflexão para o meu amigo Daniel de Sá, que hoje repega o tema com mão segura, a mesma que escreveu este texto. Que me recuso a adjectivar. E que me orgulho de publicar. Abençoado aniversário. 

Em baixo: "E se a Igreja se calasse?"

Sete vidas mais uma: Daniel de Sá

 

 

Há cerca de setenta anos o meu avô marceneiro esculpiu em madeira um Cristo crucificado. Esse crucifixo não foi nem será nunca considerado uma obra de arte porque o meu avô não tinha estatuto de artista. Mas Martin Kippenberger tinha. Por isso o sapo que ele pregou numa cruz é tido como arte. Intocável, portanto. Apesar de ser uma obra objectivamente feia (bem sei que o belo e o feio não são critérios para definir o que é arte) e feita com a única intenção de provocar. Aliás, toda a curta vida deste artista germânico foi um contínuo acto de provocação. E a provocação como propósito é que não é característica necessária da arte. Qualquer objecto artístico continua a ser arte, ainda que provoque ira ou despeito. Mas isso não lhe acrescenta um átimo de valor. Se for uma provocação justa, pode aumentar o valor moral ou ético da obra, mas não o artístico.

 

Há pinturas ou esculturas esteticamente pavorosas que são obras-primas absolutas, como a série dos Desastres de Guerra, de Goya, ou a Guernica, de Picasso. Mas o sapo de Kippenberger é uma estupidez gratuita, uma peça que chega a causar asco pela inestética e repulsa pelo significado que não tem. E, quando a intenção é ridicularizar, propósito nesta obra ainda mais aparente do que o da simples provocação, então a arte deixa de o ser, passando a pedra de arremesso contra a dignidade alheia.

 

Responsáveis católicos italianos insurgiram-se contra a obra de Kippenberger. E logo vozes libertárias, inconscientes talvez do paradoxo da acusação, invocaram a liberdade de criação para vituperar a Igreja por se mostrar ofendida com o sapo na cruz. Nem sequer é preciso explicar em que consiste o paradoxo de se permitir a qualquer artista a total liberdade de expressão, negando-a à Igreja, e quase só a ela, quando se trata de discordar de obras de que seja alvo por ridicularização. E vem logo à conversa a Inquisição, como má memória para a Igreja se calar para sempre, nem que seja a respeito de uma pintura da Virgem em que o artista utilizou excrementos de elefante ou de um Cristo de Terence Koh com um pénis monstruoso em erecção, que se encontra exposto no Centro Báltico de Arte Contemporânea de Gateshead, na Inglaterra. (Aliás, este artista tem várias imagens sagradas deformadas deste modo, incluindo figuras femininas.) Como se Portugal, por exemplo, por ter feito cerca de quatro milhões de escravos não pudesse nunca mais pronunciar-se sobre os direitos humanos.

 

Mas será que a Igreja deveria mesmo calar-se? Talvez devesse, admito. Mas por outras razões. Porque, quando ela critica ou condena uma pintura, uma escultura, um livro ou seja lá o que for, a discussão centra-se na crítica e na condenação e perde de vista a obra. O caso do Evangelho Segundo Jesus Cristo foi, entre nós, paradigmático. Quase ninguém se atreveu a fazer-lhe uma crítica a sério, tal foi a revoada de condenações à reacção de Sousa Lara e de outros sectores católicos. Ninguém pareceu interessado na distorcida perspectiva histórica, na maçuda qualidade narrativa, na vulgaridade dos lugares-comuns, que fizeram deste livro uma obra que não está ao nível do talento de Saramago.

 

Por isso estou convencido de que o silêncio da Igreja será mais útil em casos semelhantes. Talvez a discussão da obra sob uma perspectiva meramente artística acabe por demonstrar que muitas vezes a arte moderna está ridiculamente nua.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Rui Vasco Neto a 10 de Setembro de 2008 às 23:14
danieel,
há uma pergunta fundamental que pede resposta, mais ela que eu: não achas justo que a imagem de que falas esteja à vista de todos para o correcto, individualizado e fundamentado juízo de cada um, a que cada um tem direito de berço? Ou entendes que basta a tua palavra, ou a minha, ou a do outro?
Esta é a questão, o resto tem muitos restos, tantos quantas as sentenças, estas tantas quantas as cabeças.
Não deixa de ser um grande texto, mas tenho outras dioptrias, para mim a coisa está desfocada, um nadita. Quase dois.
Abração, ó da Maia.


De Daniel de Sá a 11 de Setembro de 2008 às 01:09
Leste com atenção o último parágrafo? Leste o que eu disse acerca do "Evangelho", de Saramago?
Tu mesmo fizeste uma crítica excelente à má qualidade da obra. Mas que ficou como marca no teu texto? A crítica à crítica do bispo de Bolzano.
Estas reacções da Igreja, embora respeitáveis como opinião da parte ofendida, acabam por gerar mais fumo do que fogo, sendo ela sempre o alvo (neste caso um alvo a negro) final dos contra-ataques. Que, na maior parte dos casos, são de uma falta de imaginação, ou de cultura, absolutamente aflitiva. Palavra de honra que sou capaz de te desafiar para uma sabatina sobre os erros da Igreja e as suas figuras repelentes, e tenho poucas dúvidas de que te apresntarei muitos mais casos do que aqueles talvez que tu conheces. O que não é vantagem, porque estudei a História da Igreja em Teologia e tenho continuado a estudá-la por minha conta e gosto. Mas não era isso que estava em causa.


De jv a 12 de Setembro de 2008 às 00:00
E daqui a cem anos, será arte?


De Anónimo a 13 de Setembro de 2008 às 14:23
Nem daqui a mil.


De jv a 14 de Setembro de 2008 às 00:49
Eu reconheço a minha ignorancia em questões de arte.
Há alguma muita reconhecida que a mim me escapa.
Claro que há outra que me diz muito...
Quando passo na rotunda do monumento da autonomia, por exemplo, acho aquilo uma aberração, mas conheço gente que vê algum significado «naquilo». Tenho que aceitar a opinão dos outros... é elementar.
A arte sobre matéria religiosa é susceptível de condicionantes que se reflectem diferentemente naquilo em que acredita.
Para uns poderá ser um elemento de ruptura para outros uma obscenidade...para outros ainda, como no meu caso, nem uma coisa nem outra.
O tempo tem sido um elemento fundamental na validação artística.
E daqui a dois mil anos?
(com um certo ar de «pensamento rupestre» duma determinada época) Poderá escapar?



Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas