Terça-feira, 16 de Setembro de 2008
Matreco
Terça-feira, 16 Set, 2008

Trago-vos a vida de um colega, desta vez. Dois colegas, se contarmos com o autor da história dessa vida, Luís Novaes Tito, profissional de barbearia com nome feito na praça (à custa de muito escanhoar) e amigo cá da casa. Ao ponto de me ter feito oferta desta prosa, para juntar à festa deste aniversário, em que nos conta a vida de Matreco, o tal colega a que me referi no início da conversa. Pois este colega Matreco é o segundo felino a ter honras de vida contada com mão de mestre, aqui no 7Vidas (o primeiro foi Malino, de Daniel de Sá, lembram-se?). Mas Malino não queria ser deputado, como este novo colega com 'seis vidas queimadas'. «Um dia, caro Rui Vasco, escreverei as memórias do Matreco», diz-me Luís Novaes Tito em recado privado. «Para já e porque as sete vidas dos gatos são como as cerejas junto a minha à vossa voz com esperança de que, mesmo no “no-sense”, não venha a ser dissonante. Segue com um abraço e com a vaidade de ter sido seleccionado como Blog-amigo dessa casa», remata o meu convidado de hoje. Siga a festa, portanto. E olhem só p'ra mim todo vaidoso também!

 

Em baixo: "Matreco"

Sete vidas mais uma: Luís Novaes Tito

  

 

Matreco, felino riscado de bigodes rijos, tinha por particularidade deitar-se sempre de costas viradas para os convidados, rabo enrolado sobre a coxa direita e fingido, como só o Matreco sabia fingir, de olhos verdes fechados para pensarem que dormia.

 

O Matreco nunca chegou a Deputado. Preferia sair para as gatas em noites de farra sem dar nas vistas e por lá foi perdendo vida após vida entre brigas e disputas pela miúda mais gira das vadias do bairro.

 

O Matreco era vivaço, sabido. Em tempos de abundância formou sindicato, fez-se líder, alambazou-se de petiscos, encheu a pança e intitulou-se doutor, daqueles com Dr.

 

O Matreco está a ficar velhote. As artroses já não lhe permitem veleidades maiores. Deixa-se ficar de costas viradas, olhos verdes fechados, de rabo enrolado sobre a coxa direita. Sabe-se acordado porque quando dele se fala roda as orelhas na direcção do som que pronuncia o seu nome, curioso por saber o que dele contam.

 

Com seis vidas queimadas o Matreco que nunca chegou a Deputado deixou-se de gatas e sonha em ter sossego na vida que lhe resta. Está acomodado e já gosta de festas.

 

 

Luís Novaes Tito

(Blogger d' "A Barbearia do Senhor Luís")

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Sinhã a 16 de Setembro de 2008 às 17:58
fiesta: venga! :-)


De Rui Vasco Neto a 16 de Setembro de 2008 às 20:56
sinhã,
no hay como la fiesta, verdad?


De Daniel de Sá a 17 de Setembro de 2008 às 09:55
Só espero que este Matreco goze a reforma, e não acabe como o meu pobre Malino.


De mdsol a 17 de Setembro de 2008 às 21:42
Cliente habitual da barbearia (sim, que a pluralidade reinante trás senhoras e cavalheiros satisfeitos com os serviços...) cheguei aqui. Parabéns pela "iniciativa" ao autor do blog e parabéns ao sr . Barbeiro por mais este bocado de humor bem escrito!
: )))


De LNT a 19 de Setembro de 2008 às 23:50
Pobre Malino.

O Matreco é mais sabido e embora já goste de festas sabe esgueirar-se, do orelhas ao avesso, quando pressente que a coisa lhe pode ser fatal.

Falhou a deputação, já se sabe, mas com menos paleio e mais acção gozou bem a vida.

A todos e em especial ao anfitrião, um ronrom.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas