Segunda-feira, 16 de Março de 2009
Mais um, menos um.
Segunda-feira, 16 Mar, 2009

Foi em Novembro de 2005 que este caso aconteceu. Hoje, quatro anos passados sobre a estranha morte de um jovem durante um curto internamento para habituação à metadona, sabe-se praticamente o mesmo que na altura sobre as causas do sucedido, ou seja, nada. Foi mais um caso, mais um pingo desta imensa nódoa social, nunca limpo mas arquivado, juntamente com os outros, muitos outros. Escrevi este artigo, publicado no 'Jornal dos Açores', quatro meses depois da morte de Rui Marrucho e volto a publicá-lo agora, quando já são quatro os anos passados. Sem respostas, porque respostas não há, convenhamos. O que vai havendo é cada vez mais perguntas sobre este maldito assunto, mais dúvidas sobre todas as certezas que se dizem conseguidas até aqui. E mais mortes, sempre mais mortes, todas estúpidas, como esta que este texto recorda. Porque sim.


 

É um documento deveras impressionante, a carta aberta publicada no jornal Expresso da Nove da passada sexta feira, de uma mãe que procura saber quais foram as causas da morte do seu filho, ocorrida durante um internamento de quatro dias do malogrado jovem na Clínica S.João de Deus para fazer habituação á metadona. De resto, a história é toda ela deveras impressionante. Estranha. A começar pelo fim, a morte de um pouco mais que garoto por causas que não se descortinam. A ausência de explicações credíveis e consistentes por parte da instituição. A ausência de explicações credíveis e consistentes por parte seja de quem fôr, já que nem a uma cópia do relatório da autópsia esta mãe teve acesso. A vida que se foi e a desresponsabilização que ficou. Os quase quatro meses que já passaram sobre o facto. E os três outros casos de mortes registadas em circunstâncias semelhantes neste período, no mesmo local. É obra.

 

Eu não conheço a D. Fernanda Marrucho, signatária da carta, tal como não conhecia o Rui Marrucho, o seu filho morto. O que eu conheço é a realidade da toxicodependência em Portugal e as suas consequências na vida de todos nós. E conheço o preconceito que permite que estas coisas aconteçam, sejam abafadas e de preferência esquecidas em nome dos interesses inconfessados de quem de facto ganha dinheiro com o tráfico e com o consumo de drogas.

 

Falar de toxicodependênca tornou-se um lugar comum de mau gosto, a todos os níveis. E essa é razão pela qual a inteligência está de todo arredada da discussão do fenómeno cada vez mais preocupante do consumo de drogas duras em Portugal. Nos dias que correm, a droga faz vender jornais, eleger políticos, aprovar orçamentos milionários, construir carreiras, vender medicamentos, lavar receitas, abrir clínicas de tratamentos miraculosos e mais, muito, muito mais. Agora digam-me, por favor: quem é que vai querer acabar com uma coisa assim tão lucrativa? Quem vai querer dar passos decisivos para mexer no ganha pão de tanta gente? Isto sim, é a toxicodependência. A dependência dos tóxicos. Uma pirâmide de milhões cuja base assenta nas costas sempre largas do consumidor, para quem está guardado o julgamento moral dos seus actos, que de tão feios e miseráveis que são, possuem o confortável condão de concentrar todas as atenções e canalizar todas as revoltas, deixando campo livre para tudo e para todos que garantem a sobrevivência do vício, alimentando-o na sombra..

 

Eu não conheço a Clínica S. João de Deus e não conheço todos os pormenores que fazem a história daquilo que realmente aconteceu. Mas sei que ninguém morre de habituação ou desabituação á metadona. E sei que ninguém morre por falta de droga. E desconfio que vai morrendo mais gente fruto da estupidez, ganância e incompetência dos outros, que por consumo próprio de substâncias ilícitas.

 

A carta aberta de Fernanda Marrucho é o retrato da nossa vergonha. Uma vergonha que ninguém sente, porque estamos a falar de droga e de drogados e ninguém quer nada com esse tipo de gente. E ninguém é ninguém, mesmo. Nem os pais que têm filhos na mesma situação, escondidos algures em clínicas privadas para que os vizinhos e amigos não saibam e não comentem. Nem a Ordem dos Médicos, que não se atreve a assumir que sabe quanto se rouba a pais desesperados e tão doridos que pagam tudo e tudo aceitam, em troca da miragem de uma cura que pode ser que seja desta vez. Nem o Ministério Público, onde se fazem carreiras a encher prisões com traficantes da treta, só para a estatística, deixando de fora quem manda de facto só porque dá mais trabalho e menos números no final. Nem o governo, que tem medo de sujar os punhos de renda do debate democrático se tiver que mexer na merda e ela transbordar para o lado menos conveniente, salpicando quem apoia, paga, financia, investe, desenvolve e é gente de bem, acima de todos os salpicos. Tal como está, a toxicodependência sempre permite que a classe política mantenha o equilíbrio, sentada na tampa da ordem pública que faz o mundo cheirar bem e ser bonito e separa os uns dos outros. Há problemas no esgoto? Os ratos que os resolvam entre si. Os ratos morrem? Mais um, menos um, ninguém quer saber.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Raposinha Confusa a 16 de Março de 2009 às 22:28
Estamos portanto na mesma?
Ainda falamos do outro assunto?
Aquela história de que os paizinhos é que são os culpados porque não vigiam o que os filhinhos bebem?





De Rui Vasco Neto a 17 de Março de 2009 às 20:05
sim, basicamente. Não?


De Samuel a 16 de Março de 2009 às 22:56
Forte e em cheio!

Abraço


De Rui Vasco Neto a 17 de Março de 2009 às 20:05
Obrigado, sam. O outro pregava aos peixes...


De jv a 17 de Março de 2009 às 00:29
Claro que o acima exposto é uma dura e crua realidade.
As soluções em nenhum sítio se mostraram suficientes para resolver mínimamente este problema, e todas elas têm sido polémicas.
Penso que se devia ser o mais pragmático possível na minimização dos efeitos desta epidemia na sua globalidade.
Sendo polémico, «mais um, menos um» ( também tenho o direito de o ser), vou deixar aqui a minha opinião e julgo que com ela se poderiam acabar com muitos problemas, desde o principal e o mais responsável por esta desgraça que é sem dúvida o tráfico, e dos seus grandes interesses que tornam possível e prolongam esta tragédia.
Primeira medida: criação de centros, organizados e devidamente estruturados, com assistência competente, onde se pudessem fornecer drogas livremente e gratuitamente a quem por essa forma de vida, «livremente» optasse, com TODAS as suas consequências, que passariam a ser exclusivamente suas deixando de se envolver injustamente o outro, que somos nós todos.
Segunda medida: Investir em centros especializados, totalmente gratuitos, para quem conscientemente se quisesse tratar.
Acabando o tráfico e com a legalização sustentada pelo estado, acabar-se-ia com este negócio monstruoso e com todas as suas consequências.
Terceira medida: podem começar a me crucificar.



De Rui Vasco Neto a 17 de Março de 2009 às 20:06
ter a capacidade de fazer uma análise lúcida já é maravilha pura, perante o panorama de loucura geral... pela minha parte obrigado, jv.


De mifá a 17 de Março de 2009 às 01:52
Aí está uma análise bastante lúcida, Vasquinho. ( pena que às vezes este rapaz desarrazoe e amue e desapareça...)

( e , olhe que não, JV. Apenas não subscrevo o advérbio "gratuitamente" pois acho que devia ser paga por quem a consome - a preço de custo e não especulativo - tal como eu pago o meu tabaco.
Os contribuintes não têm que pagar os vícios dos outros nem quem os tem deve querer que lhos paguem. Questão de justiça e de dignidade. Quanto à gratuitidade dos tratamentos , de acordo. Não é de uma questão de saúde pública que se trata?!)


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas