Sábado, 21 de Março de 2009
Dá cá e até já!
Sábado, 21 Mar, 2009

De entre os grandes embustes da era moderna, as empresas de telecomunicações conseguem o golpe mais genial de todos, digo eu. E de entre as operadoras nacionais, na minha opinião, é a TMN aquela que se destaca pela competência que vem revelando neste domínio do crime quase perfeito, suave, vaselinado, imperceptível. Lucrativo, muito lucrativo, claro. E absolutamente impune, o que é uma proeza notável, há que convir. Eu cá sou fã, acompanho a equipa.

 

O segredo estará nas importâncias, suspeito. É que não chega bem a ser uma porrada, é antes uma cacetadinha, pronto. Não será bem um roubo, é mais uma bicada, uma zinha para não doer nem dar muito nas vistas, de preferência. Veja-se o exemplo mais recente, já a render, que ilustra na perfeição esta arte de ganhar milhões com o velho golpe dos tostões, muitos e muitos tostões. Tostões dos outros, claro. A novidade vem toda nas facturas deste mês, que chegaram ontem mesmo aos clientes empresariais da TMN.

 

Sem qualquer aviso ou notificação, prévia ou actual, a empresa entendeu alterar todos os seus tarifários empresariais aumentando o custo das chamadas telefónicas e Internet em valores estudados caso a caso e com efeitos imediatos em todos os contratos. Falamos de aumentos de apenas alguns cêntimos, é certo, mas aplicados em todos os parâmetros de todos os tarifários, incluindo banda larga. Um exemplo, à sorte: chamadas internacionais, zona 1 (Europa), passam de 0,157€ para 0,174€, uma diferença de 0,017€, (na casa das décimas de cêntimo) mas o suficiente para um cliente empresarial médio, de entre os muitos milhares de clientes empresarias da TMN, ter um acréscimo de cerca de cem euros à sua factura habitual do mês. Cem euros, num só cliente, considerado 'médio'.

 

Vamos pensar agora em quantos clientes, de entre os seis milhões que fazem a carteira da TMN, terão contribuido com os seus tostões para esta bela golpada. E em quantos desses repararão nesses quantos euros a mais nas contas, referentes a um aumento não anunciado e muito menos publicitado, metidos no meio de extensas facturações de empresa. E, já agora, pensemos em quantos dos que repararem farão seja o que for com a informação excepto pagar e calar, porque a vida continua e as coisas são assim mesmo. É ou não é bem pensado, digam-me lá? Tudo considerado, fica mais que exposta a infracção legal, consumada numa jogada comercial como as outras, a tal bicadinha que vai passando, vai passando, até acabar por ser habitual primeiro e legal depois. E a vida continua.

 

Acontece que esta alteração está a ser aplicada em contratos que dizem, em bom português, que não poderá existir qualquer alteração de tarifário durante a vigência daquele acordo. O contrato diz explicitamente que nem o cliente pode desistitr nem a empresa pode aumentar os preços excepto em casos que o IVA tenha aumentado ou diminuido, o que evidentemente não é o caso. Pois nada disto parece ter incomodado particularmente a TMN, pelos vistos. As facturas estão na rua, os novos tarifários estão na internet e poucos foram os clientes que até agora reclamaram da facturação recebida. Tudo indica que a coisa vai correr sobre rodas, que vai ser um atropelo suave, por assim dizer. Não há dúvida, quem sabe sabe e o resto é conversa. E até já, evidentemente.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De jv a 21 de Março de 2009 às 23:36
E assim grão a grão vai a galinha enchendo o papo.
Claro que os ovos serão xxxxxl, não faltará quem os vá cozinhando, em brando lume, para que niguém se queime.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas