Quinta-feira, 4 de Junho de 2009
As tardes de Mário
Quinta-feira, 04 Jun, 2009

Ao arrepio das expectativas de todos aqueles que esperariam encontrar Tony Carreira, Ágata ou mesmo Quim Barreiros a abrilhantar a emissão de hoje d'"As tardes de Júlia" na TVI, a produção do programa optou por convidar o Dr.Mário Soares, também artista, para uma conversa em tom intimista sobre a Europa e sobre este novo conceito de ser um europeu. Um desafio interessante, atendendo ao perfil do convidado, pouco dado a este género de programas onde o discurso político é interrompido a espaços por concursos de treta e mensagens publicitárias de inteligência grau zero. No entanto Mário Soares aceitou o convite e lá esteve, que eu bem vi com estes dois e bem ouvi com o par dos outros, não foi coisa que me tenham contado e de que se possa duvidar. Aconteceu, de facto, que eu vi.

 

Igual a si próprio, o ex-Presidente da República portuguesa aceitou o convite de Júlia Pinheiro e lá marcou presença naquele espaço de entretenimento televisivo primário, onde toda e qualquer mensagem é reduzida à expressão mais básica e elementar da comunicação, uma pobreza confrangedora que é a nossa realidade enquanto país e povo, lamentavelmente. Assim, Soares não cantou, não dançou, não tocou piano e sobretudo não falou francês, graças a Deus. Mas nem por isso deixou de corresponder ao que de si era esperado enquanto convidado especial de um programa onde a banalidade tem um registo muito próprio e altamente apreciado pela audiência. E nesse registo é da mais elementar justiça reconhecer que Soares não desiludiu, antes pelo contrário, destacou-se pela positiva ao fazer ouvir a sua banalidade acima dos guinchos da apresentadora, conseguindo até fazer passar aqui e ali um ou outro conceito mais elaborado de cidadania e de cultura política e social. Uma coisa é certa, em jeito de balanço final desta prestação televisiva de Mário Soares: podem até estar longe, já, as noites de glória do ex-presidente. Mas enquanto existirem as tardes de Júlia temos homem, está visto, por muitos e bons anos. Temos homem.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De anónimo a 4 de Junho de 2009 às 20:45
Olh'ó rancorrrrrrrr ................................. (nota-se) ......


De Daniel a 4 de Junho de 2009 às 22:43
Rui, ai Rui, querem ver que também és daqueles que pensam que o MS daria um bom artista de variedades!.. E tu ainda vês e ouves a TVI? E, se calhar, o jornal da MMG... Vai tomando uns comprimidos para prevenir a depressão.


De sarrabal a 5 de Junho de 2009 às 01:07
Não vi e tenho pena. Muito boa gente não aceitaria tal convite. Mário Soares aceitou. Só lhe fica bem. Acho eu.

Abraço da Sol

(Quanto ao resto, Rui?)


De Samuel a 5 de Junho de 2009 às 13:25
Merche Romero já está a preparar-se...


De casino de juegos de apuestas a 10 de Julho de 2009 às 18:23
No puedo creer que, opciones políticas a parte, alguién del calibre de Mario Soares haya compactuado en participar de un programa tan medíocre... Le han pagado al menos?


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas