Segunda-feira, 15 de Junho de 2009
Jovita e o suco da barbatana
Segunda-feira, 15 Jun, 2009

Num esforço comovente, para não dizer confrangedor, os responsáveis da candidatura socialista de Jovita Ladeira à Câmara de Vila Real de Santo António publicaram no seu jornal de campanha, O Forum, um texto subordinado ao tema 'uma análise à 'verdadeira essência dos nossos outdoors', uma lauda que merece ser lida e relida e que, estou certo, fará escola em todos os estabelecimentos de ensino de marketing político.

 

A abordagem em si é de chorar de emoção, para começar: «(..)o PS decidiu descodificar as mensagens inscritas nos outdoors de campanha da candidatura da deputada Jovita Ladeira e divulgar, junto da população, a essência do pensamento que esteve na origem da sua criação, começando por dar um claro sinal de transparência informativa e ideológica.(..)». Daqui para a frente só melhora, acreditem, é descodificação atrás de descodificação até à descodificação final: «(..)O fundo escolhido para os outdoors de Jovita Ladeira é de cor azul com nuances que pretende fazer transparecer uma ideia de movimento, iluminação e modernidade, para além da serenidade, verdade e fidelidade de sentimentos que a própria cor azul transporta.(..) Nada foi portanto deixado ao acaso, aparentemente tudo foi ponderado por estes especialistas de marketing que Obama deixou fugir para o Algarve: «(..)No que respeita ao slogan escolhido – Gosto desta Terra – é uma mensagem autêntica, exigência da própria candidata, pelos laços afectivos que mantêm com VRSA há muitos anos, onde cresceu e trabalhou, não sendo possível ficar indiferente às oportunidades perdidas de progresso e desenvolvimento(..)» Sem comentários, não há palavras, de facto.

 

Deste ponto em diante o assunto é coração, o coração de Jovita, claro, recrutado para a campanha por esta explicação técnico-filosófica: «(..)Para vincar bem esta relação afectiva foi desenhado um coração tricolor, sobre o slogan, símbolo de emoções, carinhos, dedicações e amores, pretendendo-se ainda deixar uma mensagem subliminar de que a candidata é uma pessoa de 'esquerda', zona onde se localiza o coração de todos(..)» Tudo dito sobre corações? Ainda não, ainda não: «(..)E se repararem com mais detalhe para o coração inscrito no outdoor da candidatura socialista podem observar que este se subdivide em três corações de cores distintas. Pois cada um deles representa o afecto que Jovita Ladeira nutre por cada uma das freguesias do concelho(..)» Bem, está então explicado. As palavras finais são tão boas como as iniciais, talvez um pouco mais de ir às lágrimas, pelo apelo directo que fazem a cada um de nós, em particular: «(..)Observem e vejam quanto há de genuinidade, de emoção, de compromisso e de expressiva vontade realizadora, deixando para um segundo plano a competência criativa que também é merecedora de ser sublinhada.(..)» Desisto, estou convencido. 

 

E pronto, esta é a verdadeira essência da verdadeira essência da verdadeira essência dos outdoors do PS em VRSA. O chamado 'suco da barbatana'. Ora depois disto digam-me, por favor: não parece mesmo que alguém anda lá pela sede de candidatura da D.Jovita, de caçadeira na mão, a disparar contra os próprios pés? Ou será tudo ingenuidade e incompetência? Aguardam-se com ansiedade as próximas mensagens subliminares. É o universo da alta ciência política que chegou à cidade para entreter a populaça. Como fazia o circo, dantes.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De Samuel a 15 de Junho de 2009 às 11:44
Aquilo deve ser pessoal que não conseguiu emprego a escrever os programas de espectáculos de dança contemporânea, performances, instalações...


De Rui Vasco Neto a 15 de Junho de 2009 às 11:49
sam,
adoro essse teu sentido de humor, serias minh'alma gémea, atrevo-me a imaginar, não fossem os pelos nas pernas e a escassa feminilidade que Deus te deu. Mas seja, eu aqui e tu aí, vamos mudando o mundo, sim, mas separados.
abraço-te, ó grande pá!


De jv a 15 de Junho de 2009 às 22:14
Então, a política não é um produto comercializável ?


De Daniel a 16 de Junho de 2009 às 01:37
Rui, meu caro Rui, penso que andas a inventar coisas. Como é que uma Jovita pode inspirar tal texto? Só numa cabeça pervertida, e não há nenhuma dessas no PS. Como se notou pelas acertadíssimas escolhas para candidatos a nível nacional e regional. Ou, como diria o Samuel, nem de propósito conseguiriam fazer pior.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas