Sábado, 22 de Agosto de 2009
Um Nobel na Maia
Sábado, 22 Ago, 2009

O meu amigo Daniel de Sá é assim mesmo, se não levar uma cutucadelazinha de vez em quando lá se esquece dos amigos e pronto, passam meses sem que se saiba do mestre. Mas num repente ele está de volta, como se nunca tivesse ido a lado algum, como se nada fosse nada e a sua escrita fosse tudo, tudo aquilo que importa. E não é que no fim das contas é exactamente assim, sem tirar nem pôr? Veja-se a história que traz de desagravo, tipo ramo de flores, por exemplo. «Vai com foto e tudo para que conste que é verdade o que lá digo. Pelo menos no que toca ao tocar. A casa onde o bisavô do Craig Mello viveu antes de emigrar, e onde nasceram vários dos seus tios-avós, é a que fica rigorosamente porta com porta em relação à minha. Vai um abraço. Sem condições.» Viram, viram? Agora digam-me, faço o quê, digo o quê, depois disto? Pfff. Um maganão, é o que ele é. Um amigo, grande. E depois escreve bem com'ó caraças, que é o que irrita mais.

 

Em baixo: "Um Nobel na Maia"

Sete vidas mais uma: Daniel de Sá

 

 

Um conto de fadas ou de fados?...
Se as fadas existissem, talvez há um pouco mais de um século alguma se tivesse condoído de um esforçado carroceiro que, duramente, trabalhava para sustentar a família que lhe ia crescendo ano sim ano não. Ela poderia tê-lo feito enriquecer de um momento para o outro. E o novo rico passaria a andar de landó e viveria feliz num palácio doirado. 
 
Os fados costumam levar muito mais tempo a cumprir-se. Eugénio de Mello cansou-se da pobreza, e partiu sem saber bem para onde. Prometiam-lhe a abundância para si e para os seus. Que já eram tantos que lhe recusavam a entrada dos cinco filhos. Deus facilitara-lhe ligeiramente a vida, chamando para Si um dos pequenos. Mas ainda assim Eugénio teve de fingir que um deles fazia parte de uma família amiga, que o declarou como seu na chegada a um mundo dito novo mas que tinha leis estranhas. Eram os Estados Unidos da América, uma pátria feita por emigrantes. Que só começou a enriquecer quando, no século XIX, uns milhões de alemães, de irlandeses e de judeus a procuraram como se todos eles buscassem a Terra Prometida. Levaram-lhe o rigor da organização, a força do trabalho, a poupada administração das finanças.
 
Os fados foram compondo a sua obra. Eugénio trabalhou nos caminhos-de-ferro, o seu filho Frank, o primeiro dos vários que ainda haveriam de nascer na América, foi plantador e vendedor de árvores de Natal. O seu neto James, ou Jim, como ele assina, licenciou-se em Paleontologia quando aquele em que se cumpriria o conto que poderia ser de fadas já havia nascido: Craig, que em criança gostava mais dos grandes espaços livres e de passeios de bicicleta do que da monotonia do estudo. Mas foi por esses caminhos que começou a formar-se o espírito do cientista. Que, durante anos, trabalhou com amigos sábios e tão curiosos como ele até uma descoberta que lhe valeria o prémio Nobel aos quarenta e seis anos de idade. Com a simplicidade própria da verdadeira sabedoria, Craig Mello diz que esse longo e árduo trabalho foi explicado por algumas estações de televisão americanas em uns segundos apenas…
 
Foi então que a fama estranhamente lhe despertou o desejo de conhecer a humilde terra de que provinha uma parte da sua linhagem. Acompanhado pelo pai, a mãe, a mulher, as duas filhas, um irmão e uma sobrinha, cumpriu-o no dia nove de Julho. Teve uma recepção entusiástica nessa que é um pouco a sua terra, a Maia. Acolhido no belo Solar de Lalém com a música do Belaurora, não recusou o convite de se juntar ao grupo, tentando marcar o ritmo. Depois peregrinou pelas ruas onde o bisavô viveu, e comoveu-se olhando as casas em que Eugénio de Mello morou, a pia do seu baptismo e as imagens e os altares perante os quais terá rezado. Mas, antes de entrar na igreja, sentara-se nas escadas do adro, tal como o resto da comitiva, que incluía o Presidente do Governo Regional dos Açores e sua Mulher, para assistir a uma inesperada exibição de uma marcha de São João. A Junta de Freguesia saudou-o como era devido e merecido, e declarou pai e filho, simbolicamente, cidadãos honorários da Maia. Os descendentes de Eugénio de Melo e de Maria da Glória, sua bisavó, ofereceram-lhe um jantar em que tanto parecia estarem a ser homenageados aqueles como o Nobel e a sua cativante família. Parte da ementa fora escolhida pelo próprio Dr. Jim Mello, que se lembrava do fervedouro que a avó fazia e dos chicharros que fritava ou assava. Era meia-noite, hora dos momentos mágicos, quando se despediram.
 
Craig voltou à pátria onde nasceu. Continuará a partilhar a sua sabedoria com os alunos e a dividir o seu tempo com a investigação científica. E o pai, que foi director assistente do Museu Smithsonian, em Nova Iorque, não deixará de cultivar, como Frank de Mello, as árvores que vende pelo Natal.
 
 

 (foto: Rui Matos / Ver Açor)


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De carlos pina a 22 de Agosto de 2009 às 18:12
É um grande prazer voltar a ler o Daniel de Sá aqui neste blog. Aliás é bom voltar a ler este blog, também tem estado meio devagar, não é ó Rui Vasco? Assim é logo outra coisa, não pode parar, um homem como você não pode parar. Pense sempre nisso porque você é único, genial, mas tem que o mostrar aos outros também. Um abraço CP


De jv a 22 de Agosto de 2009 às 21:01
«Com a simplicidade própria da verdadeira sabedoria,» manifestam-se aqui neste texto dois dos mais dignos representantes da minha Maia, um de corpo inteiro, o autor do texto, o outro, Craig Mello, que pela experiência aqui vivenciada neste dia e pelo imaginário das histórias repassadas na sua família, sentiu verdadeiramente, que aqui sempre pertenceu, como a mim me confidenciou.
Num registo extraordinário,(porque não, a sua publicação aqui ? ) tornou-se cidadão honorário da Maia quando já antes « ao assistir a uma inesperada exibição de uma marcha de São João» se tinha tornado cidadão afectivo da mesma.
É esta afectividade, pópria dos meios pequenos que nos torna diferentes e realmente grandes.
O Daniel reflecte tudo isto magistralmente nos seus escritos, tornando-nos únicos.



De sinhã a 24 de Agosto de 2009 às 21:12
cutuca mais vezes. :-)


De Samuel a 25 de Agosto de 2009 às 12:36
Belo! A ciência não explica tudo... e o cientista sabia-o quando procurou o seu passado.

Abraço.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas