Quarta-feira, 7 de Outubro de 2009
Uma questão de leitura?
Quarta-feira, 07 Out, 2009

Há quatro deputados ao parlamento nacional cujas identidades ficarão hoje finalmente apuradas, depois de conferidos os votos dos emigrantes que hoje são anunciados em Lisboa. São quatro nomes importantes, muito importantes mesmo, para o equilíbrio de poder que terá de ser negociado diariamente, no hemiciclo de S.Bento, por um Sócrates refém da nega popular à desejada maioria absoluta e por isso mesmo obrigado a estender a mão às mãos que para si se estendem sempre, ávidas de poder sempre. Daí que esses quatro deputados sejam absolutamente decisivos, nesta altura. As suas identidades ainda não são conhecidas, à hora em que vos escrevo estas linhas, mas há um dado que já é sabido e que, não sendo surpresa total, constitui uma preciosa indicação sobre o estado de espírito deste eleitorado emigrado: os valores da abstenção. Que são os mais elevados de sempre, adianto, chegando aos 92%!!!! no círculo fora da Europa e atingindo os 78% no círculo europeu. Eu vou repetir, mas não há engano: são 92%, noventa e dois por cento de abstenções, ou seja: 92% dos possíveis votantes abstiveram-se de o fazer, abriram mão desse seu direito, enfim, ou não sentiram essa sua obrigação, como queiram, pode ler-se das duas maneiras. Mas quantas leituras existirão para justificar estes 92% de abstenções, não me dizem?



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De jv a 7 de Outubro de 2009 às 23:07
Vou dar um exemplo de familiares meus que residem no Canada.
Todos eles são cidadãos que têm dupla nacionalidade e são normalmente pessoas que votam nas comunidades onde estão inseridos.
Ao questionar alguns familiares mais activos politicamente, alguns até com responsabilidades políticas, o porquê de não votaram nas nossas eleições foi afirmado de imediato que não sentiam ser justo poderem influenciar políticas em que não estão directamente envolvidos, podendo prejudicar de alguma maneira aqueles que directamente dependem das escolhas por quem vão ser governados, indo mais longe, considera imoral esta situação, apesar de estar razoavelmente informado do que se vai passando em Portugal.
O porquê de outros não votarem, prende-se com alguma desinformação, desinteresse pelo que cá se passa e também por as mesas de voto na maioria dos casos se encontrarem por vezes a centenas de km.



De La Belle a 8 de Outubro de 2009 às 00:17
Off Topic

Parabéns por estes dois anos de setes vidas. Vi-lhe os primeiros passos e ainda aqui estou. Ainda aqui estamos todos. A comemorar mais um aniversário das vidas do gato.

(Há muitos textos brilhantes guardados no baú do arquivo. E que tal colocar hoje, em dia de festa, os melhores a arejar na varanda?)





De Pisga-te a 10 de Outubro de 2009 às 15:00
Por mim, acho muito bem que não votem. Nem deviam ter esse direito. Se emigraram, vão decidir a nossa vida aqui ?


De sinhã a 10 de Outubro de 2009 às 18:42
não, não digo, Ruizinho.

(a democracia é assim mesmo).:-)


De Samuel a 12 de Outubro de 2009 às 17:30
Como diz o "pisga-te" e infelizmente muita gente pensa, se emigraram, não emigrassem! Danem-se, cambada de malandros que, em alguns casos, não só escaparam à fome, como estão bem na vida! Agora queriam vir "interferir" nos nossos destinos, votando para as nossas eleições (curiosamente, elegendo apenas 4 deputados, quer a abstenção seja de 92% ou 2%... mas isso o "pisga-te" não deve ter percebido), eleições nas quais também quase não levantamos o rabo para ir participar?!!! Era o que faltava!!!
Curiosamente, sobre os milhões e milhões de dólares, marcos, francos, rands e agora euros, que sucessivas gerações de emigrantes foram enviando para Portugal, os pisgates " desta vida já não pensam o mesmo. Os milhões das remessas dos emigrantes não interferem com os nossos "destinos"...
Realmente... de que vale a democracia, ao pé de um bom maço de notas?


De com luva de pele a 13 de Outubro de 2009 às 11:56
( Samuel,Samuel , já te - permita-me - disse que adoro a tua mordacidade?! )


De Rufino a 18 de Novembro de 2009 às 16:17
http://batemtodos.blogspot.com/2009/11/um-blog-censura-pela-camara-municipal.html


De fgm a 27 de Novembro de 2009 às 16:58
a revolução começou

www.terrasonora-nunoviana.blogspot.com


De sarrabal a 1 de Janeiro de 2010 às 00:33
Na amizade a ausência não conta. Por isso mesmo, embora com a sua ausência tão prolongada aqui do seu blog, venho desejar-lhe, do coração, um Bom Novo Ano 2010. Felicidade, saúde e tudo o mais que desejar lhe seja facultado neste novo ano.

Beijinho, Rui!

Sol


De Isabel a 3 de Fevereiro de 2010 às 10:52
O que e feito do Rui? Nunca mais nos brindou com os seus excelentes artigos!


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas