Quarta-feira, 14 de Abril de 2010
O sexo dos anjos
Quarta-feira, 14 Abr, 2010

Procissão ainda no adro, o assunto 'pedofilia na Igreja Católica' vai fazendo a ordem do dia, dia após dia e todos os dias, na cadência de cada nova revelação, uma e outra a seguir a uma outra sempre mais escabrosa do que a anterior. Sempre mais inacreditável, tanto quanto dolorosamente real.  É todo um mar de podridão que ameaça finalmente romper a barragem de cinismo e hipocrisia que vem suportando as águas até hoje, contido todas as revoltas por conta dos sempiternos mistérios da Fé, num jogo de vergonhas que só ganha quem não tem. E veja-se como são altas as paradas, neste começo: se uns meros salpicos já fazem escorrer tanta reputação de santidade para o esgoto dos vulgares humanos, então não quero nem imaginar a desgraça que se adivinha para o dia em que os telhados se partirem num estrondo de cacos, os diques cederem e a verdade flutuar, finalmente, lado a lado com os corpos inchados dos carrascos, vítimas de si próprios. Mas por ora o tempo é de chocante revelação, apenas. É tempo de digerir, devagar e a custo, aquilo que os nossos olhos sempre viram mas que o nosso coração sempre negou por força do horror inimaginável que implicava uma visão clara e objectiva da realidade. Mas agora, com o espírito atormentado e confuso, a comunidade cristã faz o natural: dobra o joelho e pede contas à Fé, posto ter depositado na alvura papal toda a sua derradeira esperança na santidade possível a um ser humano. Branco mais branco não há, crescemos a aprender. É por isso da boca de Sua Santidade que a Igreja viva aguarda uma palavra de orientação, um sinal de que vê e de como vê toda esta tragédia. Também a História aguarda para ser escrita, que o tempo é de novo capítulo em vários possíveis. Os olhos do mundo inteiro, católico e não católico, estão postos em Bento XVI e em tudo o que faça ou diga. Pois e afinal que diz o Papa a esta comunidade angustiada dos seus fiéis? Pouco, muito pouco. E sobre os casos recentemente denunciados de pedofilia na sua Igreja? Sobre esses diz nada, rigorosamente nada de concreto. Apenas um ou outro recado subtil, muito subtil como o da passada segunda-feira, em Castelgandolfo e durante o Regina Caelis, quando Sua Santidade recordou a todos os sacerdotes que «recebemos a missão de anjos» enquanto mensageiros de Jesus Cristo. A subtileza é inegável, há que convir. E o recado para todos os efeitos ficou dado, na minha modesta opinião. Afinal não tem discussão, o sexo dos anjos, nunca teve. Nem vai ter com este Papa, pelos vistos.

 

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De sinhã a 27 de Abril de 2010 às 14:28
substitua-se o papa pelo sexólogo. :-D

olá ruizinho.:-)


De Júlia a 12 de Julho de 2010 às 13:47
Este é um daqueles pontos aflitivos...Como é que uma instituição que se diz espiritual e de serviço a Deus, não empreende nada contra estes casos, não pune responsáveis, não faz um pedido de desculpas?? Como é que uma instituição que se diz ser o guia para Deus na Terra não se apega aos padrões morais do seu Livro Sagrado?? Demasiado ocupados a criar dogmas que não prestam atenção a estes pequenos "pormenores"? Acredito que haja pessoas sinceras que sofrem com esta situação e de bom grado a gostariam de ver esclarecida - claro está que nem todos os padres são "farinha do mesmo saco". É uma pena que as altas Instâncias não se queiram pronunciar acerca deste caso. Tantos anos de Teologia para resultar numa incapacidade de aplicar os padrões bíblicos , sim, porque eu acho que eles dizem que se regem por estes. É uma vergonha que não vai acabar aqui.


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas