Quarta-feira, 1 de Junho de 2011
Os dias mundiais deste mundo
Quarta-feira, 01 Jun, 2011

Talvez por ser meio do contra, dizem, esta coisa dos dias mundiais disto e daquilo sempre me incomodou um nadita, confesso. É que vem o dia mundial da árvore e toda a gente ama a natureza, vem o dia mundial da SIDA e toda a gente esquece o preconceito, vem o dia mundial da música e vira o disco e toca o mesmo e eu na minha, sem saber o que fazer com o resto do ano em que anda tudo nas tintas para a nobreza de princípios que fez acontecer as efemérides e a borrar a opa usada no dia da festança nacional. Isto até para o ano, claro, todos os anos. 

Assim, por norma de mau feitio só dou feriado ao cepticismo quando chega o Dia Mundial da Criança, talvez pela indiscutível justeza do destaque ou talvez pela secreta esperança que ainda vou alimentando, muito em segredo, de que este mundo dos homens venha algum dia a entender a sério que só cuidando dos rebentos se poderá vir a obter colheita de jeito e sem tanta fruta podre como a que em tanto por aí se tropeça, no passo a passo dos dias a caminho do futuro.

Seja pelo que for, a verdade é que todos os anos o meu coração celebra este dia que supostamente deveria recordar à humanidade esse direito inalienável que todos os homens têm de ser meninos em tempo próprio, condenando ao eterno despropósito a dedicatória de Soeiro Pereira Gomes nesse 'Esteiros' que tanto marcou a minha aprendizagem da alma humana, mais um curso que nunca terminarei. Este ano não foi excepção e iniciei as festividades a preceito, lembrando o rosto de cada um dos meus filhos ao nascer. Depois estiquei a festa ao procurar o bébé que todos fomos em cada ser que hoje cruzou o meu caminho, mesmo no meio deste imenso desencontro em que vivemos. E só guardei os foguetes quando vi esta notícia de hoje, dia 1 de Junho, Dia Mundial da Criança. Aí toldei-me de luto e anuviei o entusiasmo e a fé na minha espécie. Só por aguardar confirmação de um juízo superior mantive a esperança intocável, nem permiti que ela ouvisse uma palavra sobre o assunto. Por isso e por outra razão, mais egoísta, mais minha e só minha: é que para o ano há mais, mais dias, mais crianças, mais mundo. Mais e melhor, quero acreditar.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De LNT a 1 de Junho de 2011 às 22:27
Sempre oportuno. Sempre boa leitura. A falta que faz ser mais assídua.
Abraços


De F:S:T. a 1 de Junho de 2011 às 23:22
Caro Rui Vasco Neto:
Leio muito na Internet e nos livros que me acompanham há muitos anos e quero dizer-lhe que poucas vezes aparece um estilo inconfundível e tão rico como o seu. Ou um português tão correto, tambem. O que eu vi do seu trabalho na televisão não se compara com a qualidade e oportunidade do que escreve. Os meus sinceros parabens e continue a oferecer-nos estes artigos deliciosos que me fazem lembrar os seus melhores tempos de jornalista do Tal e Qual. (ainda me lembro do homem do Canadá, sabia?)
Os meus parabéns

Ferrnando Torres



De Rui Vasco Neto a 2 de Junho de 2011 às 18:50
meu caro Luís,
uma das coisas boas na sua amabilidade é que nunca é forçada, não lhe conheço favores na opinião e já o leio há muito, como sabe.. Por isso as suas palavras me deixam duplamente feliz.
Siga a dança, temos par.
abraço
-------------------------
caríssimo Fernando,
embora a memória me falhe o registo do seu nome não restam dúvidas que sabe do que fala, recordo-me bem do caso que refere (Caixa Ecoinómica, Toronto, certo?) e sim, foi um dos meus cavalos de batalha no T&Q.... entre muitos outros que lembro com muita saudade, foi e será sempre o 'meu' jornal.
gosto em lê-lo por aqui
abraço

rvn


De Anónimo a 2 de Junho de 2011 às 21:29
Cito Fernando Torres, com o qual estou inteiramente de acordo: "um estilo inconfundível e tão rico ... a qualidade e oportunidade do que escreve".
A gaivota delicia-se com a forma como brincas com as palavras.
P


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas