Segunda-feira, 4 de Julho de 2011
Fernando sim, nobre pouco.
Segunda-feira, 04 Jul, 2011

E pronto, chegou finalmente a confirmação oficial do que se aguardava sem surpresa e sem emoção: Fernando Nobre não vai regressar à Assembleia da República para cumprir o mandato de deputado para que foi eleito. Menos de um mês após as legislativas de 5 de Junho o deputado independente eleito pelo PSD sai de cena pela porta dos fundos da dignidade parlamentar, depois de dizer uma coisa e o seu contrário e de protagonizar uma das mais tristes figuras de que há memória num candidato ao segundo lugar da hierarquia do Estado, mesmo um tão putativo como este foi. 

E acaba por ser pena, no fundo. Porque neste país em desespero de gente séria Fernando Nobre teve tudo para ser o nome, houve um tempo e uma circunstância em que parecia reunir todas as condições para ser o tal. Hoje caiu o pano, desempenho pífio, nem se fez notícia. É assim, foi assim. Não tinha nobreza, afinal.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De maria a 4 de Julho de 2011 às 18:25
A sede do poder sobe à cabeça de alguns. De pior maneira. E o resultado foi isto a que assistimos. Não lamento, não precisamos de gente assim no poder.



De quo vadis 'nobreza'? a 4 de Julho de 2011 às 18:39
o gaijito nunca me convenceu!!!


De Pirate a 5 de Julho de 2011 às 12:57
O homem queria ser presidente à força, o que é que se há-de fazer?
Não queria ser um "mero deputado" queria ser presidente da AR.
Não sei porquê este triste episódio, num aina mais triste país em pré bancarrota faz-me lembrar aquele sketch do Herman José:
"...eu...eu...eu... é que sou o presideeente da junta " LOL


De Alfredo Gago da Câmara a 5 de Julho de 2011 às 18:37
Tal é a sede que o povo português tem de uma uma mudança apartidária, em busca de alguém honesto, coerente e firme, que, num primeiro aparecimento , conferiu a Fernando Nobre cerca de seiscentos mil votos (mais de 14%). Depois... Foi uma desilusão completa. Que pena! Mas foi bem melhor que lhe saltasse a máscara antes de chegar ao poder.


De Piedade a 5 de Julho de 2011 às 19:09
"Pífio" ... é o termo certo ! Só agora é que caíu o pano ? Céus ... na minha Farm já se sabia disto há tempos :))


De se bem me lembro... a 5 de Julho de 2011 às 20:34
Antes rainha uma hora do que duquesa toda a vida...


De Rui Vasco Neto a 6 de Julho de 2011 às 23:35
caríssimos, é um prazer ler-vos por aqui.
ora vamos por partes,

miss mary,
bem apreciado e melhor concluído; estamos de acordo no essencial.

quo isso,
pois.

das caraíbas,
convenhamos que o homem até tem pinta de presidente da junta e mais até, afinal não estamos aqui a lidar com um borrabotas, propriamente, trata-se de um ser humano de excepção e senhor de um cv de respeito, há que não esquecer...
eu cá vou mais na tese da cegueira do poder (a que se referia o comentário da maria) e da manipulação do ego também, uma rasteira comum nas andanças dos bastidores do poder, que neste processo Nobre não esteve sozinho, longe disso, não lhe faltaram mãos a empurar para a frente garantindo que iam para cima, sempre em frente até cair, já sem mãos para agarrar...
tudo somado, (isto que se sabe e o muito que fica por saber) resulta neste infeliz episódio que agora urge esquecer, afinal Nandito já levou no toutiço, ficou mal na fotografia e ficará péssimo num ou dois parágrafos da História de Portugal, às tantas já chega, agora só tem é que fazer umas léguas num desertozito assim para amigos e tocar a vida para a frente, que muito zurzir também enjoa e sobretudo não serve nenhum objectivo nobre em termos sociais; ora nós não queremos que nos falte nobreza no agir, certo? não a nós que estamos de dedo apontado para quem falhou exactamente nesse pormaior, certo?
moral da estorinha?
ai pirata pirata, esta coisa de viver às vezes tem cá umas voltaspá, uns zigs em vez duns zagspá.... que é do catanopá, do catano.
olha abraço-te, pronto.
e seja o que Deus quiser.
pá.

fredo,
pois é, essa ânsia é que faz o classificado que coloquei aqui no 7Vidas... já viste?
é um D.Sebastião, fredinho, nada menos serve.
ou então um Alfredo, gago e de uma câmara assim lá p'rás ilhas... isso é que era.

pi,
fio.
gostaste? fico feliz.

nemésio,
ou antes marquesa com amores de cadela pura, como a das suas memórias, se bem se lembra...

caríssimos,
em bem dizia: foi mesmo um prazer, como se esperava. Ora voltem sempre, quando quiserem.

rvn


De amnésica a 8 de Julho de 2011 às 03:01
( Não, não me lembro: apanhei cada amnésia com o nemésio, cada "pancadão" com o cortes-rodrigues, vi-me grega com o egípcio, e como se tudo isso não bastasse, o preconceito e a estupidez da família e das "catatuas do club", encarceram-me numa clínica. Tás a ver porque só me lembro que não me lembro? A propósito o que quer dizer rvn,?)


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas