Quinta-feira, 7 de Julho de 2011
Confissões de uma pila doida
Quinta-feira, 07 Jul, 2011

É mais uma estória de doença e bizarria, se quisermos ver assim. Porque no facto é tão somente mais um crime, é certo que particularmente repulsivo na intenção canalha mas depois estupidamente desastrado na execução e no final apenas porco. Falo deste episódio, noticiado naturalmente pelo Correio da Manhã que nos conta a triste história de Marco M., 29 anos, um predador sexual que atacava em cemitérios e que anteontem foi finalmente detido pela PJ de Vila Real em Sande, Lamego, onde residia.

É sabido que Marco atacava pelo menos desde Abril de 2009, data da primeira queixa apresentada e a que se seguiram mais quatro, a última das quais em Março deste ano. Todos os dados apurados são extremamente parecidos no relato da execução demente. Uma das vítimas, uma senhora de 70 anos de idade que visitava o cemitério de Corvelinhos, em Peso da Régua, conta o que aconteceu quando lhe surgiu pela frente aquele rapaz nu da cintura para baixo e de sexo erecto vindo na sua direcção. «Estive a arranjar a campa do meu filho e quando ia a sair vi aquele rapaz. Atirou-me ao chão, tentou tocar-me mas magoou-se e consegui fugir nesse instante». Sabe-se agora, pela confissão do próprio, que Marco terá ficado para trás a masturbar-se como de resto fez em todos os outros ataques, cinco tentativas de violação e nenhuma consumada. Em todas actuou de modo igual, meio nu da cintura para baixo e meio louco da cintura para cima. Sobre todas fez uma confissão patética e detalhada, todos os patéticos detalhes do desempenho criminoso de um caso clínico, quase mais que um caso de polícia. E digo quase, atenção, que nem por isso este Marco M., 29 anos, predador sexual e desiquilibrado mental resulta menos criminoso e até perigoso em algum grau. Seguramente que é uma coisa e outra e não será pouco, sequer. Mas há que distinguir quem sai magoado e batido em combate de um recontro com uma anciã de 70 anos, da bestialidade in factu com danos de outro nível provocados por sociopatias infinitamente mais sérias, uma distinção que foi de resto levada em conta pelo juiz de instrução deste caso, a julgar pela medida mínima de coacção aplicada ao infeliz.

Bem ou mal venha quem julgue diferente (uma sentença por cabeça, já diz o povo) esta que é mais uma estória de doença e bizarria, particularmente repulsiva na intenção canalha e logo no local escolhido para o crime, é certo. Mas um crime que é depois estupidamente desastrado na execução, valha-nos isso. E que é no final o exacto retrato do seu autor: apenas porco.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Comentários:
De monica a 8 de Julho de 2011 às 01:22
ola sr rui assim que possa responda ao email que lhe mandei, obrigado.


De receita eficaz e barata a 8 de Julho de 2011 às 01:36
Ai sim? Pois eu acho que a besta não podia escolher melhor o lugar de ataque:era só cavar uma vala, atirá-lo para lá e deixá-lo... de um dia para o outro (ou por prazo mais dilatado). A ver se não lhe passava a tara. E não estava a custar-nos despesas com internamentos, medicação, etc,etc...
Para doido, doido e meio...


De sinhã (açorda, não) a 8 de Julho de 2011 às 18:59
pila? as pilas que são pilas têm personalidade e carácter. :-)


De Alfredo Gago da Câmara a 8 de Julho de 2011 às 23:06
A pila não era doida, o tipo é que era. Ainda bem que quando ela se levantava, o fulano caía. Talvez capado o gajo se aguentasse em pé e de forma inofensiva. Chissa !!!


De anuncios classificados a 18 de Março de 2014 às 14:43
que pila tao doida


Comentar post

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas