Sexta-feira, 29 de Maio de 2009
Mais um
Sexta-feira, 29 Mai, 2009

«O jogador de futebol Cristiano Ronaldo ganhou mais um título entre os tantos que já colecciona na sua carreira. Desta vez, não é uma taça, mas sim a eleição do homem mais sexy do mundo, escolhido pelos leitores da revista gay Gay Times. O português foi escolhido pelo público homossexual e o resultado será divulgado na edição de Junho da GT, segundo o The Sun. O motivo dele ter ganho foi o facto de ele usar calções curtos e apertados. Além disso, o seu bronze desperta o interesse dos gays, segundo a revista.»

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (1)

Cavaco, doce metáfora
Sexta-feira, 29 Mai, 2009

Cavaco Silva está hoje em Aveiro, 'terras de ovos moles mas gente rija', como definiu um Presidente bem disposto e finalmente desenvolto no papel de estrela da companhia. Ontem esteve no Jardim Zoológico, que fazia anos, e aí fez questão de partilhar com a comitiva aquela determinada vez, em África, em que esteve rodeado por uma manada de búfalos, o perigo da situação, o que ele disse, o que disse D.Maria, o que fizeram os dois, enfim, todos os detalhes da aventura na savana servidos ao país em tom de memória de avô. E hoje seguiu afoito, explicando a quem o escutava em Aveiro, devagar e com gestos, que 'a hóstia que recebe os ovos moles tem de ser cortada a direito', qual pai-nosso que pacientemente se ensina ao cura. E a assistência bateu palmas, o que é costume, mas com prazer, o que já não acontece tantas vezes, reconheça-se. Cavaco esteve bem.

 

Pois eu que ainda sou do tempo do Almirante da primavera, eu que em liberdade já os vi com e sem monóculo, sisudos a fazer piscinas no palácio, risonhos a palhaçar em cima de uma tartaruga ou simplesmente soporíferos com os seus discursos, eu que me lembro do Cavaco da Figueira da Foz e que daí para cá tanto escrevi sobre a sua manifesta falta de jeito para abrir a boca, com ou sem bolo-rei lá dentro, não posso em consciência deixar de tirar o chapéu a este homem novo que aparece a viver um estado de graça para o qual muito andou e trabalhou, reconheça-se. Não gosto mais, não gosto menos, penso igual do político e das suas ideias. Mas lá que Aníbal Cavaco Silva é hoje um caso ímpar no panorama dos servidores públicos e da política nacional, isso é algo que reconheço sem esforço e até com algum prazer, na doce metáfora: uma espécie de hóstia, entre ovos moles, para cortar a direito, será?



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Muito bom
Sexta-feira, 29 Mai, 2009

 

(Ana Vidal, aqui)



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (1)

Ainda a grande martelada do senhor doutor juiz Gouveia de Barros
Sexta-feira, 29 Mai, 2009

«Os pequenos fragmentos da nova vida de Sandra mostrados pela televisão aterrorizam. A família bebe às claras. A casa está desarrumada. De um quarto de criança com papel de parede cor-de-rosa e Barbie, a Sandra foi transferida para cima de um forno: o colchão não tem lençol e a cortina está pendurada num fio metálico», escreve a jornalista Iúlia Kalinina.

 

«Sandra habituar-se-á de qualquer forma à nova família. Aprenderá a comer sopa, a dizer palavrões e a fazer as necessidades numa retrete de tábuas, tapando o nariz com os dedos. Depois começará a beber com a mãe para fazer companhia. Nada de horrível, pois, na Rússia, milhões de crianças vivem com os pais alcoólicos, levam murros e dormem em tarimbas. Mas crescem russos, nossos, e não uns portugueses quaisquer».



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 28 de Maio de 2009
Se um elefante incomoda muita gente...
Quinta-feira, 28 Mai, 2009

... esta espécie de desculpa incomoda muito mais.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 27 de Maio de 2009
O possível, o provável e o evidente.
Quarta-feira, 27 Mai, 2009

É possível que o Dr.Gouveia Barros, o senhor doutor juiz que recentemente mandou a pequena Alexandra para a russa que a pariu, seja até um profissional competente e mesmo uma pessoa de bem, em termos pessoais e humanos. Isso é possível, claro que sim, porque afinal tudo é possível. Tal como é também possível que aquele magistrado tenha avaliado o caso da pequena Alexandra sem considerar todas as implicações futuras da sua decisão na vida daquela criança, também isso é possível, claro que sim, porque afinal tudo é possível, certo?

 

As possibilidades são assim mesmo, imensas, inúmeras, incontáveis, porque afinal tudo é possível neste mundo onde as pessoas têm filhos porque fazem sexo, embora na maior parte das vezes até nem façam sexo para ter filhos, simplesmente acontece e pronto. Tal como depois acontecem estes dramas humanos a que asistimos como quem assiste à novela das oito e ao filme das nove, quase como se fosse a mesma coisa ou muito parecido. São assim mesmo as pessoas, confundem as coisas, é natural. Mas não deviam ser assim os juizes, já que têm treino e formação para distinguir o trigo do joio, supostamente, pelo menos. Este senhor doutor juiz também deve ter essa capacidade, é possível que a tenha, porque tudo é possível, claro. Mas uma coisa é certa, para lá do que é possível ou não: as imagens que o país teve oportunidade de ver da pequena Alexandra a levar umas palmadas porque se atreveu a dizer o que a russa que a pariu não queria ouvir são um sinal inequívoco daquilo que vai ser o futuro daquela criança, diga o senhor doutor juiz o que disser, hoje ou amanhã, sobre a sua decisão de ontem. Porque tudo é possível, é certo, menos os milagres, que continuam a ser improváveis. Para não dizer impossíveis, evidentemente.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (4)

É certo que foi preciso empurrar, mas finalmente...
Quarta-feira, 27 Mai, 2009

...«Dias Loureiro renunciou ao Conselho de Estado»

 

 

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Tarde piaste
Quarta-feira, 27 Mai, 2009

O ministro do Trabalho sente-se incomodado com as imagens que viu da menina russa que foi acolhida nos seus primeiros anos de vida por uma família de Barcelos. Ao comentar a decisão da Justiça que entregou a menina à sua mãe biológica, que entretanto, foi viver para a Rússia, Vieira da Silva limitou-se a dizer que «foi uma decisão do tribunal».O ministro do Trabalho acrescentou ainda que «se me perguntam se me incomoda a situação, naturalmente que sim».



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Quinta-feira, 21 de Maio de 2009
Baralhar e voltar a dar
Quinta-feira, 21 Mai, 2009

É um exercício interessantíssimo, muitas vezes com resultados surpreendentes, até. Já não sei quando nem como começou esta private joke de baralhar e voltar a dar, palavras que fazem um título de notícia, por exemplo. Sendo certo que hoje a coisa sai-me já por instinto, impulso inconsciente cujos resultados práticos eu registo mentalmente sem dividir com ninguém, no mais das vezes. Agora mesmo, ao ler este título do JN, lá saltou a gracinha do costume. Ora vejam, diz o original que: «Teixeira dos Santos afasta possibilidade de descida dos impostos»;  mas eu dou por mim a considerar a hipótese de ser «Imposta a possibilidade da descida e afastamento de Teixeira dos Santos» o que até nem me parece assim parvoíce de todo, que me dizem? Que me trate, talvez?



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (4)

Adeus
Quinta-feira, 21 Mai, 2009

 

João Benard da Costa (07/02/1935  -  20/05/2009)

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Quarta-feira, 20 de Maio de 2009
Deus os fez, a crise os uniu.
Quarta-feira, 20 Mai, 2009

Facto, um: Alberto João Jardim é sempre um poço de surpresas, ponto. Facto, dois: nem todas serão más, digo eu, outro ponto. E este seria mesmo um ponto final sem qualquer discussão se não faltasse aqui dizer qual a surpresa desta vez, de resto o ponto a que passo agora e sem mais conversa.

 

Decidiu o Presidente do Governo Regional da Região Autónoma da Madeira mandar fazer uma lei que proíbe as empresas, da região e que apresentem lucros significativos nas suas contas anuais, de optarem pelo despedimento de trabalhadores como apenas mais uma medida de gestão, desta feita supostamente legitimada pelo omnipresente fantasma da crise. Esta é uma situação que Jardim considera tão 'inaceitável' que resolveu avançar com esta iniciativa legislativa que será agora sujeita à apreciação dos deputados da República, de cuja aprovação depende, para que possa então vir a ser aplicada naquela região autónoma. E isto só para começar, depreende-se, que aqui o céu é o limite.

 

Para mim, independentemente do que venha a suceder no final e em termos práticos com esta proposta de lei de Alberto João, há aqui um pormenor interessantíssimo e que me delicia, que me deixa curioso, confesso, e que por si só dá ao assunto o estatuto de história, venha ela a dar no que der. Ora, pensem comigo, se tendo sido exactamente esta uma bandeira recente do Bloco de Esquerda, publicamente defendida por Francisco Louçã com a sua costumeira convicção de justeza, não será agora de esperar da parte dos bloquistas o elogio público desta visão política e social de Jardim? Teria toda a lógica, convenhamos, pois se pensam igual, um e os outros em perfeita sintonia nesta matéria, quer no diagonóstico, quer na solução... e eu cá só vejo uma pessoa para essa tarefa, uma só de entre todas as figuras que compõem o estado-maior do Bloco, até pela relação (chamemos-lhe assim) que já mantêm os dois, pelo conhecimento que já levam um do outro, de tanto levarem um com o outro. Vai ser bonito de se ver, talvez até um nadita comovente, que digo eu, mesmo de ir às lágrimas, Alberto João Jardim e Daniel Oliveira finalmente unidos num mesmo abraço, sorrisos rasgados, um pensamento comum, uma mesma linha de acção, a descoberta da partilha na mais improvável das alianças políticas. Unidos pela crise, quem diria. Unidos pela crise.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (3)

Terça-feira, 19 de Maio de 2009
Sexo, pelo amor de Deus.
Terça-feira, 19 Mai, 2009

«Algumas pessoas, quando ouvem falar no carácter sagrado do sexo no casamento, imaginam imediatamente que esse tipo de sexo tem de ser desprovido de alegria, brincadeiras e posições atraentes», escreve o padre Ksawery Knotz no seu livro, 'Sexo como Você não Conhece – para Casais Casados que Amam Deus', uma publicação que explica como fazer para que o sexo entre casais casados não seja enfadonho, e sim «apimentado, surpreendente e cheio de fantasia»..«Cada acto, um tipo de carícia ou uma posição sexual, com o objectivo de excitar é permitido e agrada a Deus.».



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (3)

Segunda-feira, 18 de Maio de 2009
A natureza humana, esse mistério
Segunda-feira, 18 Mai, 2009

Neste como em qualquer tempo, as questões relativas ao Ensino e ao Conhecimento deveriam merecer de todos nós uma particular atenção, sobretudo agora que a sociedade global terá já aprendido que só pela cultura se muda alguma coisa, de facto, na vida das gentes que connosco co-existem neste mesmo tempo e espaço. Pois é exactamente nesse contexto que me parece verdadeiramente imperdível o colóquio sobre Educação que está agendado para a próxima sexta feira no Instituto Piaget, em Lisboa, com a presença de Edgar Morin, autor de um dos livros mais inspiradores e didácticos que li nos últimos tempos: «O Paradigma Perdido  -  a natureza humana» (ed.EuropaAmérica).

 

Como muito oportunamente nos fez Tomás Vasques o favor de seleccionar, aqui, Edgar Morin adianta o que se pode considerar um breve mas elucidativo resumo daquilo que ele próprio vem pregando sobre Ensino e Conhecimento, há perto de quarenta anos, nestas palavras retiradas de uma sua entrevista à agência Lusa: «O que proponho é fornecer as ferramentas de conhecimento para serem capazes de ligar os saberes dispersos. Conhecer apenas fragmentos desagregados da realidade faz de nós cegos e impede-nos de enfrentar e compreender problemas fundamentais do nosso mundo enquanto humanos e cidadãos e isto é uma ameaça para a nossa sobrevivência. Está demonstrado que a capacidade de tratar bem os problemas gerais favorece a resolução de problemas específicos.» Parece tão simples, posto assim, não é? Pois é. E eu sei porquê. Porque no fundo, no fundo, é mesmo tudo bem simples, na essência. A gente é que gosta de complicar, acreditem. Por isso marque na agenda, faça esse favor a si próprio: próxima sexta feira, Instituto Piaget, Lisboa, Edgar Morin, ou a maravilhosa aventura do conhecimento explicada por quem sabe o que diz a quem souber e quiser ouvir.

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (3)

Domingo, 17 de Maio de 2009
Sim, em Portugal a esperança tem rosto.
Domingo, 17 Mai, 2009

«Milhares de quenianas decidiram fazer greve de sexo em protesto contra as divisões entre o primeiro-ministro, Raila Odinga, e o presidente, Mwai Kibaki, que, segundo as mulheres, estão mais preocupados com questões de protocolo e precedência do que com os problemas reais do país. A mulher do Chefe de Governo já veio a público dizer que apoia esta greve.»

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (2)

Sábado, 16 de Maio de 2009
Entradas de leão
Sábado, 16 Mai, 2009

«Alguém, penso que o Cardeal de Retz, escreveu um dia que «quando os que mandam perdem a vergonha, os que obedecem perdem o respeito». A ter sido mesmo ele, porque a memória me vacila, afirmou-o há uns quatro séculos. E no entanto é assim que todos nos (des)encontramos nos dias que correm: Entre a vergonha que nos suscitam uns e a vontade de respeitá-los que nos despertam outros. Digo vontade porque, por enquanto e na parte que me toca, não passa disso. Ainda.»

 

(do meu colega e amigo João Villalobos, aqui)



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (2)

A Carraça
Sábado, 16 Mai, 2009
Já fazia algum tempo, demasiado até, que a escritora Soledade Martinho Costa não arriscava uma perninha cá por estas Vidas, sete como dizem ter os tarecos e os miaus da história como eu. Lá nos vamos lendo um ao outro (com o prazer do costume) na correspondência privada que trocamos, valha-nos isso. Mas em boa hora apareceu esta 'Carraça', bom exemplo do olhar curioso que esta autora reserva ao mundo que a rodeia e da arte com que o regista em palavras. Assim marca a minha amiga Sol mais uma vez a sua presença nesta casa de letras, local de péssima fama, como é sabido, atribuída à visita regular e confirmada de loucuras várias que por aqui se juntam com inconfessáveis propósitos de mentes talvez dementes, até, nunca se sabe. O que é por si só e desde logo um garante de que estamos todos no sítio certo, digo eu. Não?
 
 

Em baixo: "Coisas da velha do arco: 'A Carraça'"
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa

 
 
Viviam juntos na mesma casa há já uns anos. Tinham vindo do Norte. Coisas de negócios, falências, necessidades, originaram a sua vinda para o Sul (Algarve). Objectivo? Reorganizarem a vida, que dinheiro já tinham tido com fartura. Marido e mulher, dois filhos, na casa dos vinte e poucos anos, e os pais do primeiro. 
Laurinda, a mulher do Saraiva, com quarenta e três anos, bonita, vistosa, cabelo negro, curtíssimo, olhos grandes, da mesma cor, rosto com traços a fazerem a inveja de muita mulher. Arranjada, decotada, moderna, sexi. Como tinha aptidão para a cozinha, arranjou trabalho num hotel como cozinheira. O Saraiva, que fora empreiteiro nos bons tempos, conseguiu trabalho no mesmo ramo. O filho acompanhou-o. A filha casou logo depois e o problema dela ficou resolvido. Voltou para o Norte. O pai do Saraiva, casado pela segunda vez, estava aposentado. 
Laurinda, apanhado o jeito de confiar em mim, fazia-me confidências sempre que vinha, nas folgas, limpar as escadas e os patamares. O casamento estava por um triz. Durava há vinte e cinco anos. Já não aguentava mais. Os problemas tinham surgido logo após o casamento: o marido eram noitadas, mulheres, dinheiro esbanjado, copos. Maus-tratos físicos, não. Psicológicos, muitos. Tinha ciúmes da Laurinda, criticava-lhe o vestir, o calçado, as pinturas. No Algarve as coisas não melhoraram. Pelo contrário. Laurinda chegava a sair de casa a meio da noite, em pijama, para ir acabar o sono (se é que o tinha começado) em casa de pessoa amiga.
- É uma tristeza a minha vida! – Dizia-me. E acrescentava decidida: - Vou deixá-lo. Arranjo casa e vou-me embora. E já o devia ter feito há muito tempo!
 
O Saraiva sabia dos propósitos da mulher. Chorava junto de quem tinha paciência para escutá-lo. A Laurinda era a mulher da sua vida. Nunca tinha amado outra mulher daquela maneira. «Se ela me deixar, mato-me, pode ter a certeza!», confessou-me certa vez. Impressionaram-me as suas palavras e as suas lágrimas. Implorou-me que intercedesse por ele junto da Laurinda. Falei com ela. Respondeu-me:
- É o costume. Ele faz sempre a mesma coisa. Chora, diz que se mata, mas é mentira. Gosta agora de mim! Se gostasse não me fazia a vida num inferno. Ajudava nos gastos da casa e não se embebedava!
Fiquei confusa. Tantas tinham sido já as confidências, que acreditei na Laurinda.
Certo dia contou-me que tinha arranjado casa:
- Finalmente, vou ter uma vida descansada! – Afirmou.
O filho foi com ela. Na casa que deixou ficaram os sogros e o marido. Tempo depois, os sogros voltaram para o Norte e o Saraiva ficou sozinho. Nas conversas que tinha dizia que deixara de beber. Chegou a oferecer a um dos seus amigos duas garrafas de aguardente de medronho «porque já não fazia sentido tê-las em casa». Homem de olhos tão verdes como nunca vi, começou a andar mais aprumado. Volta não volta, afirmava: «A bebida é que me fez perder a mulher. Por isso, acabou-se!». 
Com um pé dentro, outro fora do desemprego, habituado durante anos a ser patrão, o Saraiva não tinha grande vocação para empregado. Por esta altura, foi fazer um trabalho numa propriedade em Monchique. Chegada a hora do almoço, a pessoa que o contratou convidou-o a acompanhá-lo ao restaurante. Conhecedor da situação do Saraiva no que tocava a bebida, mandou vir uma garrafa de água e outra pequena de vinho. E logo o Saraiva:
- Ó senhor engenheiro, mande vir antes uma garrafa de litro. É que dias, não são dias!
E enquanto o senhor engenheiro bebeu metade de um copo de vinho tinto, o Saraiva bebeu o restante. Ao saber disto, pensei: «Lá se foram as boas intenções do Saraiva.». Com efeito, ninguém o vê a cair de embriagado, mas que tem sérios problemas com a bebida, isso tem. Coisa que vem de longe. Ainda que afirme (como é costume em casos similares) «não ser um alcoólico».
 
Noutra ocasião em que encontrei o Saraiva, diz-me ele para meu espanto:
- Hoje vou almoçar a casa da Laurinda!
Dias volvidos anuncia-me, alegre que nem um passarinho:
- Esta noite não dormi em casa. Fiquei em casa da Laurinda!
Será possível, perguntei a mim própria. Só tive resposta quando a Laurinda me confirmou que sim.
- Mas, então… – Argumentei.
Diz a Laurinda a rir:
- Mas há lá pessoa mais maluca do que eu? Não há! Pois é. Vai lá comer e tem direito a sobremesa e a café! Já me apareceu com a roupa para eu dar um jeito e esta parva que está aqui tratou-lhe de tudo. É uma autêntica carraça. Está bem como bem. Melhor do que nunca!
Concordei. Entretanto, o Saraiva acabou por deixar a casa onde habitava sozinho. Tempo depois voltei a falar com a Laurinda. Confirmou novamente:
- Ah, pois, agora almoça, janta e dorme lá em casa. É o que eu digo, não tenho juízo! Mas que hei-de fazer? Apareceu-me com a mala da roupa e mais uns sacos. O meu filho cedeu-lhe a cama e tem lá dormido. E não me dá um tostão. Na outra casa ainda pagava uma parte da renda, agora nem isso. Eu sempre sou muito parva! Mas já lhe disse a ele: olha que é por pouco tempo. Trata da tua vidinha, porque qualquer dia ponho-te a tralha toda na rua. Já o avisei! 
Cá para mim, devem ser os olhos verdes, verdes, do marido – ainda que não seja propriamente um «gato». E também os vinte e cinco anos de casamento. E também os filhos. E também o neto que vai chegar um dia destes. E também o amor, quem sabe o afecto, que liga ainda a Laurinda ao Saraiva, por mais que ela diga que não.
Se o Saraiva não sair de casa da Laurinda, como parece ser sua intenção, a Laurinda só tem uma hipótese: começar de novo à procura de casa. O problema está em que o Saraiva costuma dizer: «Eu, por aquela mulher, vou até ao fim do Mundo!».
Dadas as circunstâncias, acredito. Assim como acredito que deve haver poucos casos como este. Mais. Supondo que a Laurinda arranje uma casa «no fim do Mundo», com a prática que o marido tem em «falar-lhe ao coração», quando a Laurinda lá chegar, já o Saraiva lá está à espera dela!

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (2)

Terça-feira, 12 de Maio de 2009
Eh pá, tchau, hã..
Terça-feira, 12 Mai, 2009

Por tudo o que me deste,
inquietação, cuidado,
um pouco de ternura,
é certo, mas tão pouco...

noites de insónia
pelas ruas como louco
obrigado, obrigado

por aquela tão doce
e tão breve ilusão
embora nunca mais
depois que a vi desfeita
eu volte a ser quem fui...
Sem ironia, aceita
a minha gratidão.




publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (13)

Sábado, 9 de Maio de 2009
Donkey!!
Sábado, 09 Mai, 2009

Só mesmo um burro deixaria a pasta do computador dentro do carro, na noite de Alfama. À porta do 'Mesa de Frades', para ser mais exacto. Na noite do dia da liberdade, para que não fique qualquer dúvida sobre a data, quando um dia contar esta minha burrice aos meus bisburretos. Pois desde esse dia que não venho por aqui, que não vejo correio, que não blogo, que nada faço em teclado algum, por manifesta falta de hardware. Até hoje, quando me telefonam a dizer que um dos meus posts passou a barreira nunca antes ultrapassada neste blog dos 100 comentários. Aí não resisti, vim meter o nariz, vim ver como é para poder contar como foi, fiel ao princípio básico da minha profissão. É o que vou fazer agora, com calma. Vou ver como é. Depois passo por aqui para contar como foi, ok?

 

Então até jazz.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (6)

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas