Quinta-feira, 28 de Outubro de 2010
Bom dia. Hoje eu estou que nem posso com tanto esforço, caramba!
Quinta-feira, 28 Out, 2010

«O primeiro-ministro José Sócrates anunciou hoje, em Bruxelas que o Governo vai «fazer mais um esforço» para que o acordo para viabilizar o Orçamento de Estado seja possível. ««O Governo vai fazer esse esforço e tenho a certeza que com a boa vontade de todos chegaremos a um acordo», disse José Sócrates à entrada de uma reunião dos líderes da União Europeia. O primeiro-ministro não explicou no entanto em que consiste o «esforço» que o Governo vai realizar. «É cedo para vos dar pormenores», disse.»

 


tags:

publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (4)

Sexta-feira, 22 de Outubro de 2010
O Don do Bombarral
Sexta-feira, 22 Out, 2010
  


publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 21 de Outubro de 2010
Bom dia. Hoje eu queria mais tempo.
Quinta-feira, 21 Out, 2010

«Perto de completar os 88 anos, a actriz Maria Rey Monteiro faleceu ontem, em sua casa, em Lisboa, de causa natural. O corpo da actriz, natural de Lisboa e filha de Amélia Rey Colaço e de Robles Monteiro, estará hoje na Igreja do Santo Condestável, em Campo de Ourique.»



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Quarta-feira, 20 de Outubro de 2010
Bom dia. Hoje eu regresso às origens...
Quarta-feira, 20 Out, 2010

...deste blog. No princípio era assim, um bom dia não se negava a ninguém, todos os dias. E foram dois anos cheios de bons dias, bons e maus, muitos, muitos dias até que um dia... parei para descansar. Mas atenção que foi só muitos, muitos dias depois de ter começado, afinal sei de quem tenha descansado logo ao sétimo, mal acabou umas coisitas... enfim, personalidades diferentes, é certo, mas também cada um faz o que pode e o resto é conversa, essa é que é essa e mais nada. Essa é que é essa, estão a ver? Essa, a conversa, é essa que agora está de volta, oito vidas como os gatos ou lá o que lhe queiram chamar, o certo é que hoje eu digo 'bora lá noutra corrida, outra moeda, mais uma voltinha que já estou farto de estar calado. So, here's the deal: para já quero que tenha um bom dia, é o mínimo, para começar. E depois daqui para a frente vamos vendo, parece-lhe bem?

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (9)

Terça-feira, 19 de Outubro de 2010
Portugal quase inédito
Terça-feira, 19 Out, 2010

Eis Portugal em Outubro, dezanove, ano de dois mil e dez, século vinte mais um. Nós por cá como sempre, lá vamos cantando e rindo como é da nossa natureza. E levados, levados sim, claro, sina eterna ou o triste fado do hoje como sempre, como dantes. Por estes dias, em cima da grande mesa da Nação jogam-se os dados do processo político que acabará por parir, espera-se, o Orçamento do Estado para o ano de dois mil e onze. Espera-se, disse e disse bem. Quem espera desespera? É um facto, nunca o velho provérbio foi tão realista e verdadeiro como agora, nesta circunstãncia em que até já o embaixador da patroa América faz pública a preocupação, sua e do boss Obama, com este aparentemente infindável desnorte nacional: «A nossa esperança é de que Portugal consiga chegar a um consenso no que diz respeito ao Orçamento do Estado e siga em frente», disse o senhor Allan Katz sem explicar para onde mas decerto para São Bento ouvir. Em bom português também o Professor Alberto Castro, catedrático na Católica, explicou hoje para a geral e com particular clareza: «Se o OE não for aprovado vamos ter uma quebra brutal na nossa reputação. Isso tem custos tão altos que nessa altura vai ser melhor uma solução FMI», avisou. Uma a uma somam-se as vozes, de todos os quadrantes políticos e de todos os estratos sociais, que alertam para a eminência de um desastre há muito anunciado. Sabe-se quem fala, vai-se desconhecendo quem ouça. Nas ruas, nos transportes, nos mercados, a conversa vira o disco e toca o mesmo medo comum, já que é por todos e por demais sabido que sempre que o mar bate na rocha quem se lixa é o pequeno mexilhão e nunca o grande polvo do poder. Sempre, sempre, nunca, nunca. Sempre os outros, nunca os uns. Talvez por isso mesmo sejam tão deliciosamente actuais as palavras deste soneto escrito por José Régio, lá no distante ano de mil novecentos e sessenta e nove, em memória do seu amigo Aurélio Bengala e não, garantidamente, com o pensamento no Portugal socrático do futuríssimo ano de dois mil e dez. Chama-se 'Soneto quase inédito', este saboroso naco poético de antologia que não resisto a partilhar convosco aqui e agora, neste momento único da proverbial tonteira lusitana, em que a História se escreve com o rigor de hoje, sim, mas com palavras de ontem. Intactas de sentido, perfeitas de oportunidade. E portuguesas, bem portuguesas, deste Portugal quase, quase inédito.

 

 

Soneto quase inédito
Em memória de Aurélio Cunha Bengala

Surge Janeiro frio e pardacento,
descem da serra os lobos ao povoado;
assentam-se os fantoches em São Bento
e o Decreto da fome é publicado.

Edita-se a novela do Orçamento;
cresce a miséria ao povo amordaçado;
mas os biltres do novo parlamento
usufruem seis contos de ordenado.

E enquanto à fome o povo se estiola,
certo santo pupilo de Loyola,
mistura de judeu e de vilão,

também faz o pequeno "sacrifício"
de trinta contos - só! - por seu ofício
receber, a bem dele... e da nação.

JOSÉ RÉGIO
(Soneto escrito em 1969)



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 11 de Outubro de 2010
Againeste disse, puteitaos, má méne!!
Segunda-feira, 11 Out, 2010

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (10)

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas