Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sete Vidas Como os gatos

More than meets the eye

More than meets the eye

Sete Vidas Como os gatos

06
Mai08

A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)

Rui Vasco Neto
Estamos perto do final desta publicação de 'A ópera em Portugal', um trabalho do escritor Daniel de Sá, a estrear aqui no 7vidas, embora já na sua gaveta há uns tempitos: «Escrevi isto há uns anos, porque o meu filho precisava de saber umas tretas sobre a ópera em Portugal, estava a fazer o curso de Música na ESE de Setúbal e, como não havia nada publicado ...», diz-me em recado privado. Muito desenrascado, este meu amigo. Pois eu cá faço votos que os netos sigam Física Quântica, só para ver se o avô perde as peneiras.

Em baixo: "A Ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos"
Sete vidas mais uma: Daniel de Sá
         

Parte I : As origens da ópera

Parte II : Introdução da ópera em Portugal

Parte III : Primeiros tempos / o triunfo

Parte IV : Marcos Portugal: vida e obra

Parte V:  Os Intérpretes
Parte VI : O Teatro de S.Carlos


Para satisfazer o gosto pela ópera, que atingia praticamente todas as camadas sociais, foram construídos vários teatros nas principais cidades do país. Para além dos já antes referidos, obra grandiosa foi, no início do reinado de D. José, a Ópera do Tejo, destinada a rivalizar com as maiores e melhores da Europa. No entanto, o terramoto de 1755 destruiria o monumental edifício pouco tempo depois da sua inauguração.


Também há notícias de no Brasil se terem construído alguns teatros durante o domínio português, como a Casa da Ópera do Padre Ventura e o Teatro de Manuel Luís (este destinado mais ao teatro declamado), ambos no Rio de Janeiro. Mas foi D. João VI quem, em 1810, mandou construir o Real Teatro de São João, ainda hoje uma das mais notáveis salas de espectáculos daquela cidade, que passou a chamar-se Teatro João Caetano, em homenagem a um actor brasileiro.


No entanto, na história da ópera em Portugal é o Teatro de São Carlos, em Lisboa, que se tem mantido sempre como a sua principal referência. Embora quase quatro décadas depois do terramoto, foi para suprir a falta da Ópera do Tejo que um grupo de capitalistas tomou a iniciativa da sua construção. O intendente da Polícia Pina Manique, que criara a Casa Pia como uma forma de recuperar jovens delinquentes, contava que alguns dos seus lucros fossem usados em favor daquela instituição, pelo que deu todo o apoio a tal iniciativa. Assim se explica a extraordinária rapidez com que as obras decorreram, de tal maneira que, tendo sido iniciadas em finais de 1792, sete meses depois o teatro era inaugurado com a ópera La Ballerina Amante, de Domenico Cimarosa.

Foi autor do projecto o arquitecto José da Costa e Silva, que seguiu os modelos do Scala e do São Carlos de Nápoles, tratando-se o nome de uma coincidência em relação ao mais famoso teatro napolitano, pois que lhe foi atribuído em honra de D. Carlota Joaquina de Bourbon, mulher do príncipe herdeiro (D. João VI).


Nesse mesmo teatro, passou D. Pedro IV momentos de grande dissabor, pois que, realizando-se nele uma gala em homenagem à vitória dos liberais, depois da convenção de Évora-Monte, em 1834, o ex-imperador do Brasil foi obrigado a abandonar a tribuna real sob uma chuva de impropérios e de pesadas moedas de bronze, as chamadas patacas. Pelo Teatro de São Carlos têm passado as melhores vozes da cena mundial, sendo considerado por muitos um ponto de referência em qualquer carreira lírica.

(Amanhã: "Parte VII -  Um novo estilo")

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo

RTP, Açores

Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa

Poema renascido

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D