Quarta-feira, 25 de Junho de 2008
Maia
Quarta-feira, 25 Jun, 2008

O meu amigo Daniel de Sá escreveu-me ontem. «Meu caro: se te parece que temos leitores suficientemente pacientes e curiosos para ler isto, aqui vai à tua disposição. Se se notar interesse, tenho mais, a completar um pouco o essencial que há para dizer sobre a Maia». Respondi-lhe logo, mais lesto que a volta do correio. «Caríssimo: não me parece que tenhamos tais leitores, mas vou dispor dele na mesma, posto que mo deixas. E quero que saibas que estarei atento a todas as saliências e relevos suspeitos de serem sinais de interesse. Aviso-te mal ponha o olho num.» Juntei um abraço e enviei sem reler. Quando li fiquei preocupado, um bocadinho. Não é por nada, mas espero sinceramente que ele me tenha percebido bem.

 

Em baixo: "Maia"
Sete vidas mais uma: Daniel de Sá

 

 

 

 

O nome e o povoamento

 

 

Ao chegar a Santa Iria, vindo de oeste, avista-se de repente uma vasta paisagem onde sobressaem três formosas pontas. A do meio está muitas vezes soalheira enquanto as nuvens cobrem a ilha, e a linha de sombra marca o sopé das colinas onde há cerca de dez mil anos acabava a terra, antes de os vulcões lhe acrescentarem mais aquela fajã.

 

Foi talvez por haver notado essa particularidade que Gaspar Frutuoso escreveu “a Maia é um lugar bem assombrado”. Porque a sombra nota-se mais onde há mais luz. Com frequência a própria chuva não passa abaixo da ponte da ribeira da Gorreana nem da curva da Cruz do ramal da Lombinha, e o nevoeiro detém-se sempre a meia encosta dos pequenos picos a que Frutuoso chamou “serra da Maia”.

 

Vindos provavelmente por mar, os povoadores ficaram certamente convencidos de ter alcançado a sua terra prometida quando pela primeira vez viram esta paisagem de perto. Pouco depois fundeavam num ancoradoiro seguro e inesperado, porque a costa das ilhas raramente recebe assim os viajantes nuns braços de lava entre agrestes arribas. E sem dificuldade deram com abundantes águas, para os gastos domésticos e para mover os moinhos.

 

Foi Gaspar Frutuoso que nos legou o nome de quem chefiava o grupo de pioneiros: Inês Maia, segundo consta no original das “Saudades da Terra”. Terá sido com certeza uma senhora da burguesia, talvez viúva, nada mais se sabendo a seu respeito, nem sequer se já vivera algum tempo nesta ou em outra ilha. O seu nome, no entanto, parece indicar como origem – dela ou da sua família – as Terras da Maia, coração da nacionalidade e berço de heróis famosos, durante muito tempo fronteira entre cristãos e mouros. Esta povoação micaelense foi mesmo a primeira que, em Portugal, se chamou apenas Maia. A da ilha de Santa Maria surgiu um pouco mais tarde, devendo o seu nome a Catarina Fernandes – conhecida como “a Maia” por ser filha de João da Maia – que ali possuiu algumas terras. Quanto à cidade continental nortenha, o actual nome só lhe foi dado em 1902, quando o antigo lugar do Picoto, da freguesia de Barreiros, sucedeu ao Castelo da Maia como sede do respectivo concelho.

 

Estava-se provavelmente ainda no século XV, uma vez que em 1522 a Maia tinha já um desenvolvimento considerável. As primeiras casas terão sido construídas junto à grota da Lajinha, porque normalmente os senhores das terras cediam apenas um pequeno espaço para os trabalhadores agrícolas, sempre que possível de modo a que as traseiras das habitações dessem para uma grota ou uma ribeira, e assim não lhes fosse fácil aumentar o tamanho dos pequenos quintais. Muito perto, foi erguida a igreja, dedicada ao Espírito Santo, advocação que se mantém na actual, construída no mesmo lugar. A esse núcleo primitivo foram sucedendo outros, sempre paralelos, formando ruas na direcção de Norte a Sul, unidos por pequenas travessas. De modo que a tão peculiar malha urbana da Maia se terá devido mais à necessidade de poupar terrenos do que a uma intenção estética ou funcional. 

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas