Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sete Vidas Como os gatos

More than meets the eye

More than meets the eye

Sete Vidas Como os gatos

25
Jun08

Maia

Rui Vasco Neto

O meu amigo Daniel de Sá escreveu-me ontem. «Meu caro: se te parece que temos leitores suficientemente pacientes e curiosos para ler isto, aqui vai à tua disposição. Se se notar interesse, tenho mais, a completar um pouco o essencial que há para dizer sobre a Maia». Respondi-lhe logo, mais lesto que a volta do correio. «Caríssimo: não me parece que tenhamos tais leitores, mas vou dispor dele na mesma, posto que mo deixas. E quero que saibas que estarei atento a todas as saliências e relevos suspeitos de serem sinais de interesse. Aviso-te mal ponha o olho num.» Juntei um abraço e enviei sem reler. Quando li fiquei preocupado, um bocadinho. Não é por nada, mas espero sinceramente que ele me tenha percebido bem.

 

Em baixo: "Maia"
Sete vidas mais uma: Daniel de Sá

 

 

 

 

O nome e o povoamento

 

 

Ao chegar a Santa Iria, vindo de oeste, avista-se de repente uma vasta paisagem onde sobressaem três formosas pontas. A do meio está muitas vezes soalheira enquanto as nuvens cobrem a ilha, e a linha de sombra marca o sopé das colinas onde há cerca de dez mil anos acabava a terra, antes de os vulcões lhe acrescentarem mais aquela fajã.

 

Foi talvez por haver notado essa particularidade que Gaspar Frutuoso escreveu “a Maia é um lugar bem assombrado”. Porque a sombra nota-se mais onde há mais luz. Com frequência a própria chuva não passa abaixo da ponte da ribeira da Gorreana nem da curva da Cruz do ramal da Lombinha, e o nevoeiro detém-se sempre a meia encosta dos pequenos picos a que Frutuoso chamou “serra da Maia”.

 

Vindos provavelmente por mar, os povoadores ficaram certamente convencidos de ter alcançado a sua terra prometida quando pela primeira vez viram esta paisagem de perto. Pouco depois fundeavam num ancoradoiro seguro e inesperado, porque a costa das ilhas raramente recebe assim os viajantes nuns braços de lava entre agrestes arribas. E sem dificuldade deram com abundantes águas, para os gastos domésticos e para mover os moinhos.

 

Foi Gaspar Frutuoso que nos legou o nome de quem chefiava o grupo de pioneiros: Inês Maia, segundo consta no original das “Saudades da Terra”. Terá sido com certeza uma senhora da burguesia, talvez viúva, nada mais se sabendo a seu respeito, nem sequer se já vivera algum tempo nesta ou em outra ilha. O seu nome, no entanto, parece indicar como origem – dela ou da sua família – as Terras da Maia, coração da nacionalidade e berço de heróis famosos, durante muito tempo fronteira entre cristãos e mouros. Esta povoação micaelense foi mesmo a primeira que, em Portugal, se chamou apenas Maia. A da ilha de Santa Maria surgiu um pouco mais tarde, devendo o seu nome a Catarina Fernandes – conhecida como “a Maia” por ser filha de João da Maia – que ali possuiu algumas terras. Quanto à cidade continental nortenha, o actual nome só lhe foi dado em 1902, quando o antigo lugar do Picoto, da freguesia de Barreiros, sucedeu ao Castelo da Maia como sede do respectivo concelho.

 

Estava-se provavelmente ainda no século XV, uma vez que em 1522 a Maia tinha já um desenvolvimento considerável. As primeiras casas terão sido construídas junto à grota da Lajinha, porque normalmente os senhores das terras cediam apenas um pequeno espaço para os trabalhadores agrícolas, sempre que possível de modo a que as traseiras das habitações dessem para uma grota ou uma ribeira, e assim não lhes fosse fácil aumentar o tamanho dos pequenos quintais. Muito perto, foi erguida a igreja, dedicada ao Espírito Santo, advocação que se mantém na actual, construída no mesmo lugar. A esse núcleo primitivo foram sucedendo outros, sempre paralelos, formando ruas na direcção de Norte a Sul, unidos por pequenas travessas. De modo que a tão peculiar malha urbana da Maia se terá devido mais à necessidade de poupar terrenos do que a uma intenção estética ou funcional. 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo

RTP, Açores

Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa

Poema renascido

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D