Quinta-feira, 2 de Junho de 2011
Eu, ganso.
Quinta-feira, 02 Jun, 2011

Alguém cuja opinião eu muito respeito e oiço, sempre com redobrada atenção, disse-me esta semana que me bastaria a inteligência de um ganso para conseguir alcançar um determinado objectivo que me proponho atingir há vários anos sem sucesso. Mais explicadinho, que eu só tinha que ser ganso e seguir o bando e tudo correria às mil maravilhas para o meu lado. Eu cá embatuquei, confesso. Caí de quatro. Fosse um burro a dizer-mo e eu ficar-me-ia pelas bordas da fábula e fugiria de buscar sentido mais profundo em tão tresmalhada analogia. Mas não, longe disso, foi mais um mocho arraposado quem me falou, olhos bem abertos e esperteza em muito superior à minha, características que aliadas à inteligência prática de que é particularmente dotada a sua sub-espécie fazem deste bicho um animal de respeito, nesta selva em que existo e resisto. Daí que fiquei a pensar, a ruminar, bufando para dentro mas sem ceder ao grasnado de irritação que seria normal e expectável neste animaleco que sou em circunstâncias deste calibre. Mas não fiquei convencido, tenho que confessar. Arrepiado sim, convencido pouco, confuso muito. E um nadita irritado, assumo. 

Afinal tenho eu manias de fera com muitos quilómetros de National Geografic, papa-léguas em savanas e montes bem distantes do eixo Rossio-Entrecampos para dar agora por mim exposto neste espelho que me olha de frente e reflecte de esquina, rasando alguma lógica mas aterrando em cheio nos antípodas do meu imaginário, no deserto mais inóspito das minhas convicções!!! Pelo sim pelo não obriguei-me a considerar o argumento, ponderei até a possibilidade de acerto, por mero exercício de humildade. Mas nada a fazer, por mais voltas que dê à metáfora a analogia parece-me tão descabida e disparatada como da primeira vez que a escutei, pese a sapiência do bico que a palrou. Porquê? Passo a explicar.

Não é que eu não compreenda onde quer chegar a comparação, qual o sentido útil a retirar da relação de semelhança e até o superior alcance e objectivo do bitaite que agradeço, raso e reconhecido. Mas para o conseguir entender parece-me manifestamente escassa a inteligência que Deus deu às aves em questão, pelo que o palpite cai de maduro muito antes de me deixar verde de raiva, para começar a conversa. E depois há a questão das diferenças inultrapassáveis  -  e atenção que não falo de penas e pelos, braços e asas, pernas e pescoço, nada que se pareça. Falo sim da elegância que me falta e lhes sobra, da gansualidade que nos separa, da territorialidade que os caracteriza e a mim me passa ao lado, do hábito que têm de comer tudo o que lhes apareça pela frente enquanto eu me mantenho criterioso e cada vez mais esquisito no bicar (mesmo no Verão, quando a caça ronda descapotável e disponível) e, last but not least, falo do saboroso foie gras em que se transformam os seus dias no mesmo final que a mim me vai seguramente comer inteiro e intacto nestes maus fígados que me vão mantendo vivo e orgulhosamente resistente à padronização da raça, essa sempiterna tentação de todo o poder reinante em qualquer cadeia alimentar deste mundo de Deus e do Diabo.

Daí que digo não ao conselho, ganso nunca, decididamente obrigado mas não, obrigado. Tanso talvez vá sendo, aqui e ali, que a selva é densa e eu serei pitosga na visão de mim próprio e míope de espírito nas curvas da tentação. Isso sim, aceito. Mas o meu canto de cisne há-de ecoar para além do estampido da manada ou eu não terei vivido de todo, quando chegar a hora do balanço final das minhas penas. E se há moral a tirar deste lafonténico e bem intencionado palpite, eu cá só vejo uma e pouco mais de troco: é que até o bicho mais esperto e informado mete a pata, de quando em vez. E essa, sinceramente, já cá se sabia.



publicado por Rui Vasco Neto
link do post

De Alfredo Gago da Câmara a 2 de Junho de 2011 às 22:54
Meu querido amigo Rui
Que prazer tenho em ter a amizade de quem escreve o que acabei de ler. Sinto-me um pouco "agansonado".
Sendo, como bem me conheces, um boca rota... Ora aqui vai:
Talvez sejas um ganso tresmalhado de um bando que te fez perder o interesso, apenas pelo o azar de te terem dotado com a inteligência de um mocho que, de vez em quando, exibe penas de pavão.
Concelho: fala com o Ladino, o pardalito do Miguel Torga.
Abraço deste galinácio.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas