Segunda-feira, 2 de Junho de 2008
A pita do gorro vermelho, a kota comida e o baita dog marado...
Segunda-feira, 02 Jun, 2008

Mão amiga fez-me chegar esta delícia, este primor, este regalo. Trata-se da velha história do Capuchinho Vermelho e do Lobo Mau, (mais a Avozinha, evidentemente, a comida da história) mas na versão pós-acordo ortográfico de 2058. Exactamente, 2058, uma antevisão previdente, à cautela e atendendo ao mais que provável sobrecarrego de agenda que terei nessa data... Pois os senhores que leiam e depois que digam alguma coisinha, se assim vos aprouver. Tudo isto fachavor, bidentemente.

 

Tás a ver uma dama com um gorro vermelho? Yah, essa cena! A pita foi obrigada pela kota dela a ir à toca da velha levar umas cenas, pq a velha tava a bater mal, tázaver? E então disse-lhe:
- Ouve, nem te passes! Népia dessa cena de ires pelo refundido das árvores, que salta-te um meco marado dos cornos para a frente e depois tenho a bófia à cola!

Pá, a pita enfia a carapuça e vai na descontra pela estrada, mas a toca da velha era bué longe, e a pita cagou na cena da kota dela e enfiou-se pelo bosque. Népia de mitra, na boa e tal, curtindo o som do iPod...

É então que, ouve lá, salta um baita dog marado, todo chinado e bué ugly mêmo, que vira-se pa ela e grita:
- Yoo, tá td? Dd tc?
- Tásse... do gueto ali! E tu... tásse? - Disse a pita
- Yah! E atão, q se faz?
- Seca, man! Vou levar o pacote à velha que mora ao fundo da track, que tá kuma moka do camano!
- Marado, marado!... Bute ripar uma até lá?
- Epá, má onda, tázaver? A minha cota não curte dessas cenas e põe-me de pildra se me cata...
- Dasse, a cota não tá aqui, dama! Bute ripar até à casa da tua velha, até te dou avanço, só naquela da curtição. Sem guita ao barulho nem nada.
- Yah prontes, na boa. Vais levar um baile katéte passas!!! 

E lá riparam. Só que o dog enfiou-se por um short no meio do mato e chegou à toca da velha na maior, com bué avanço, tázaver? Manda um toque na porta, a velha 'quem é e o camano' e ele 'ah e tal, e não sei quê, que eu sou a pita do gorro vermelho, e na na na...'. A velha abre a porta e PIMBA, o dog papa-a toda... Mas mesmo, abre a bocarra e o camano e até chuchou os dedos...
O mano chega, vai ao móvel da velha, saca uma shirt assim mêmo à velha que a meca tinha lá, mete uns glasses na tromba e enfia-se no VL... o gajo tava bué abichanado mêmo, mas a larica era muita e a pita era à maneira, tásaver? 

A pita chega, e tal, e malha na porta da velha.
- Basa aí cá pa dentro! - Grita o dog.
- Yo velhita, tásse?
- Tásse e tal, cuma moca do camâno... mas na boa...
- Toma esta cena, pa mamares-te toda aí...
- Bacano, pa ver se trato esta cena.
- Pá, mica uma cena: pa ké esses baita olhos, man?
- Pá, pa micar melhor a cena, tázaver?
- Yah, yah... E os abanos, bué da bigs, pa ke é?
- Pá, pa poder controlar melhor a cena à volta, tázaver?
- Yah, bacano... e essa cremalheira toda janada e bué big? Pa que é a cena?
- É PA CHINAR ESSE CORPO TODO!!! GRRRRRRRR!!!! 

E o dog manda-se à pita, naquela mêmo de a engolir, né? Só que a pita dá-lhe à brava na capoeira e saca um back-kick mesmo directo aos tomates do man e basa porta fora! Vai pela rua aos berros e tal, o dog vem atrás e dá-lhe um ganda-baite, pimba, mêmo nas nalgas, e quando vai pa engolir a gaja aparece um meco daqueles que corta as cenas cum serrote, saca de machado e afinfa-lhe mêmo nos cornos. O dog kinou logo ali, o mano china a belly do dog e saca de lá a velha toda cheia da nhanha. Ina man, e a malta a gregoriar-se toda!!! 

E prontes, já tá...



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (10)

Bom dia. Hoje eu acho que Elvas diz o mesmo de Manuel Abrantes.
Segunda-feira, 02 Jun, 2008

«Manuel Abrantes diz que Elvas tem história de abusos.»

 

 



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (5)

Domingo, 1 de Junho de 2008
Momento de reportagem (emocionante)
Domingo, 01 Jun, 2008

A selecção nacional de futebol, perdão, a Selecção Nacional de Futebol (assim sim) chegou hoje a Neuchatel e o mínimo que se pode dizer a esse respeito é que foi porreiropá! Mas eu vou mesmo mais longe. Foi bestialmente emocionantepá, e só quem acompanhou pela televisão a aventura da chegada da nossa selecção, perdão, Selecção, é que sabe daquilo que falo. Pá.

 

Só para vos dar uma ideia, os jogadores da selecção nacional de futebol, perdão, da Selecção Nacional de Futebol sairam do hotel para o autocarro e do autocarro para o avião e do avião para o autocarro e do autocarro para o hotel. O que é incrível, não é? Quer dizer, não foi? Mas há mais, acreditem. Os jogadores da Selecção Nacional de Futebol foram saudados no aeroporto por milhares de portugueses, emigrados na Suíça, que não quiseram deixar de marcar presença na chegada dos representantes da pátria querida e saudosa, assim recebidos pela alma lusitana e com o maior entusiasmo. Também é certo que os nossos emigrantes vão poder ter o privilégio de assistir aos treinos da nossa selecção, desde que comprem o bilhetinho de treinos especialmente criado para esta gloriosa e inesquecível ocasião, exactamente a pensar neles (e nas suas bolsas, evidentemente); mas mesmo assim foi um gesto muito bonito e patriótico, disso não há dúvida.

 

É também bastante importante referir que a Selecção Nacional de Futebol foi acompanhada durante todo o percurso por várias equipas de reportagem de televisão, com directos seguidos de directos e todos em directo, directamente. Foi assim directamente graças à SIC, RTP e TVI que o país inteiro esteve passo a passo e minuto a minuto com os seus ídolos, todos juntos à saída do hotel, à entrada do autocarro, à entrada do hotel e à saída do autocarro, dentro do avião e à saída do mesmo, e ainda dentro e fora do autocarro e à entrada e à saída do mesmo, para além de lado a lado com o mesmo em mais do mesmo até ao hotel. Também enquanto seguia nesse autocarro, que era o mesmo, a Selecção Nacional de Futebol foi sempre acompanhada por quatro carros da polícia Suíça, cada um com quatro rodas, mesmo. E quando os senhores chegarem finalmente à inevitável conclusão de que tudo aquilo que eu escrevi até aqui não tem ponta de interesse, que destas escassas linhas não escorre sequer um pingo de informação que justifique o tempo e o esforço que os senhores tiveram de despender para as ler, então o esboço de irritação que sentirem nessa altura não passará de um pálido reflexo do estado semi-catatónico em que me encontro depois do chato e comprido supositório informativo que me foi imposto a propósito da selecção nacional de futebol, perdão, da Selecção Nacional de Futebol, esse momento de acuidade e relevância informativa só talvez superado pelo directo televisivo da transladação dos restos mortais da Irmã Lúcia. E assim finalmente nos entenderemos, escriba e seus leitores, no sempre fascinante milagre da comunicação. E da selecção. Perdão, Selecção.

 

Uma dúvida final, a terminar este momento de patriótica partilha: sendo bíblico, logo certo, que as bem-aventuranças cobrem a pobreza de espírito, os senhores já pensaram a confusão de bandeirinhas e cachecóis que deve ir pelo reino dos céus, neste momento?



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar | ver comentários (13)

Bom dia. Hoje eu já preparo um novo mês de notícias.
Domingo, 01 Jun, 2008



publicado por Rui Vasco Neto
link do post | comentar

Há gente assim, com vidas que nunca mais acabam. Seres com a estranha capacidade de se reinventarem mesmo no disparate. De renascerem sempre, após cada uma das muitas mortes que vão tendo em vida. Tolos, há outros que lhes invejam este castigo como se fora uma gracinha para entreter os amigos nas noites frias de inverno ou nas amenas cavaqueiras de verão. São os tolos quatro-estações, que por desconhecerem a primavera das ideias estão condenados ao outono da mediocridade para sempre.
mais sobre mim
vidas passadas

Piu

Crónica do Brufen

Eu, pombinha.

Falando com o meu cão

Chove, eu sei, mas tenho ...

Maria da Solidariedade

Hum, daí o meu dói-dói...

Portugal sem acordo

Não fui eu que escrevi ma...

Um dos

Abençoados 94, Madiba!

Sôdade

Não vás as mar, Tòino... ...

Ofertas FNAC: pare, escut...

Reflexão de domingo, perg...

É preciso é calma, já se ...

Definição de sacrifício n...

A questão

E pronto, eis que descubr...

.......

Bom dia. Se bem me lembro...

O princípio do fim

E, de repente.

Um azar nunca vem só

Diz que é uma espécie de ...

Força na buzina!!

Bom dia. Hoje chove em Li...

Depois do homem que morde...

Bom dia. É hoje, é hoje!!...

Boga ou Beluga?

arquivos

Junho 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Abril 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Restaurantes para fumadores
Consulte aqui a lista de restaurantes onde os fumadores também têm direito à vida.
sete vidas mais uma: Daniel de Sá
Um Nobel na Maia
Lagoa
Ribeira Grande
Vila Franca do Campo
Do Nordeste à Povoação
Dias de Melo, escritor livre
E se a Igreja se calasse?
O outro lado das tragédias
O meu Brasil português
A menina amarga (II)
A menina amarga (I)
Pelas cinzas de uma bandeira
O caso da Escola do Magistério
Uma confissão desdobrável
O gato e o rato
Contra a Inquisição
D.Diogo
Uma carta de Fradique Mendes
Acróstico
Monotonia
Maia (II)
Maia
Um nome acima de todos os nomes
Um palhaço de Deus
A ópera em Portugal - Conclusão (VIII)
A ópera em Portugal - Um novo estilo, Alfredo Keil (VII)
A ópera em Portugal - O Teatro de S.Carlos (VI)
A ópera em Portugal - Os Intérpretes: Luísa Todi e os Irmãos Andrade (V)
A ópera em Portugal - Marcos Portugal: vida e obra (IV)
A ópera em Portugal - Primeiros tempos / o triunfo (III)
A ópera em Portugal - Introdução da ópera em Portugal (II)
A ópera em Portugal - As origens da ópera (I)
Dois sonetos à maneira de Natália Correia
Duas garrafas de Macieira
As esponjas das lágrimas
Lição de Português
500 000 soldados
Depois do portão da casa
Auto da Mazurca
Auto da Barca de Bruxelas
Malino
Romance da Bicha-Fera
A Casa
Tremor de terra, temor do céu.
Cântico da mãe escrava ao filho morto
Passos Perdidos
A Lenda dos Reis
Daniel de Sá
Um sítio chamado Aqui
O protesto do burrinho
Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa
Poema renascido
Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo
RTP, Açores
As vidas dos outros
subscrever feeds
Sete vidas, sete notas