Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sete Vidas Como os gatos

More than meets the eye

More than meets the eye

Sete Vidas Como os gatos

09
Out07

Eles lá sabem?

Rui Vasco Neto
Qual é a diferença entre uma opinião de peso e um palpite bem ou mal intencionado? A primeira tem elevadas probabilidades de acerto e assenta em bases sólidas de ciência e conhecimento, enquanto que o palpite tem andaimes de aparência, cargo, simpatia, tom de voz ou cor de gravata e pode até acertar uma vez por outra, tudo pode acontecer. Ou seja: um tolo fashion bate aos pontos um perito andrajoso, é a moral da história. Mas eu aposto que até qualquer benfiquista, se em risco de vida, quer é que o médico seja competente seja ele sócio do Porto ou não (embora ás vezes chegue a duvidar do inverso. acreditam?!). Enfim.


Vem esta arenga a propósito desta história das linhas de muito alta tensão (MAT) que anda a deixar o país em estado de choque. Hoje mesmo o DN dá voz a mais um coro de meias explicações titubeadas pela segunda linha de responsáveis da Rede Eléctrica Nacional (REN) que se queixam, coitados, que enterrar as linhas MAT «custaria pelo menos o dobro», sendo que não existe em Portugal o enquadramento legal que defina as condições legais e técnicas a que teria de obedecer um eventual enterramento de linhas. E mais: ao contrário do que acontece com as redes de gás ou telecomunicações, não há uma lei que estabeleça as características da servidão do terreno, compensações ao proprietários privados e eventuais restrições ao uso da área. Cá está. Isto é uma opinião de peso. Técnicos de uma empresa investigaram os custos de um novo projecto empresarial e opinaram enquanto peritos. Eles lá sabem. Eu acredito. Enterrar as linhas custa comprovadamente mais caro que deixá-las como estão. Só que o assunto é outro. Quer-me parecer que os portugueses vizinhos da linhas MAT se estão bem nas tintas para as despesas da REN, quando o que está na mesa é um possível risco sério para a saúde pública. Eles, lá, sabem?


Bem, o senhor Ministro do Ambiente já veio dizer coisas sobre o assunto. Nunes Correia foi lapidar. Defendeu ser «claramente maioritária» a opinião dos especialistas que «recusam o impacto na saúde» das linhas MAT, mas avisou que o Governo «tem de estar atento» às opiniões contrárias. E assim deixou todos contentes e lá foi governar Portugal. Quem lhe ouviu a voz firme e viu o olhar decidido na televisão não teve dúvidas. Eles lá sabem. Alguma vez era possível uma coisa dessas ser perigosa e o governo deixar? O povo é sereno, ainda e sempre. E eles lá sabem.


Estava a coisa neste pé, opinião para cá, palpite para lá, mais disparate menos asneira, o Supremo Tribunal Administrativo a proibir e eles lá sabem, a linha Fanhões/Trajouce a continuar a funcionar e eles, lá, a saberem, enfim, tudo e todos na expectativa de um parecer credível, quando eis que surge a peça que faltava. José Penedos, o presidente da empresa dos 'eles' que disseram que custava o dobro enterrar os cabos, vem a público dizer que não faz mal tê-los no ar. Dizer não, garantir. O presidente da REN foi taxativo: «Não há prova científica que fundamente o pavor generalizado» em relação aos postes MAT colocados um pouco por todo o país. Diz ele que «nenhum estudo conseguiu, ao fim de anos de investigação, estabelecer a relação causa-efeito» e aponta a prática internacional para desfazer as dúvidas.



Mas a suprema garantia de José Penedos é outra. Ele que sabe, jura a pés juntos que não se importaria nadinha de viver perto de uma linha MAT. Não, não senhor: ele, que sabe, não vive perto de nenhuma, Deus nos livre, por acaso até não. Mas diz que não se importava nada de lá viver. «Não me sentiria ameaçado. Digo-o com a ciência de quem vive no ambiente da electricidade há muitos anos. Não há perigo», garante o presidente da REN. Eles lá, sabem. Nós é que não. Mas queremos saber, precisamos desesperadamente saber. O que nos remete para a tal questão da diferença entre opinião de peso e palpite, tolos e peritos, Benfica e Porto. Este senhor deve saber o que diz. Saberá mesmo? É normal que eles lá saibam. A proximidade de linhas de muito alta tensão pode originar cancro? Ele diz que não, garante que não, jura que não. Ele lá sabe. É um parecer científico? Tem 'a ciência de quem vive no ambiente da electricidade há muitos anos'. Ah, bom, assim é outra coisa. Não se fala mais nisso.



RVN




Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo

RTP, Açores

Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa

Poema renascido

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D