Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sete Vidas Como os gatos

More than meets the eye

More than meets the eye

Sete Vidas Como os gatos

03
Abr08

Os cavalos também se abatem

Rui Vasco Neto
De repente aconteceu. Anos e anos a fio a falar de corrupção no futebol, incontáveis testemunhos e acusações que se perderam da memória colectiva por nunca terem pisado palco processual, um mar de suspeitas nunca concretizadas em gota de prova, sequer. E de repente aconteceu. Duas concretizações, dois nacos de evidência esfregados na penca da nação. Onde? A norte, claro. Quem? Pinto da Costa e o Boavista, imaginem, quem diria. É um mundo cruel, eu sei.

É sobre o Boavista que pendem as acusações mais graves de coacção sobre árbitros e é o clube axadrezado que corre mais sérios riscos de descida de divisão. O clube assumiu ontem que foi notificado em três processos pela Comissão Disciplinar da Liga, todos arquivados pelos tribunais civis, um deles já sob o comando da equipa especial nomeada pelo PGR e liderada por Maria José Morgado. Apesar disso, a Comissão Disciplinar da Liga considerou existir matéria para procedimento disciplinar e o clube recebeu notas de culpa por alegada coacção consumada sobre as equipas de arbitragem nos jogos Benfica-Boavista (3-2), Belenenses-Boavista (1-1) e Boavista-Académica (0-0), todos da época 2003/04. Comprovada a culpa dos factos, o Boavista pode ser punido com a descida de divisão.

Já o Futebol Clube do Porto, a braços com seis pontos de castigo por (finalmente?) comprovada corrupção de arbitragens, parece colocar a hipótese de não recorrer de uma eventual sentença desfavorável, "aceitando" a perda de seis pontos ainda na presente época, o que não colocaria em causa o tricampeonato. É Pinto da Costa a gerir a crise, chutando o passado para o lado e de olho no futuro, confiante na tradicional inconstância e falta de memória do abençoado povinho pagante. Curiosamente, segundo o JN, se no Dragão há a ideia que será muito difícil escapar à penalização da Liga, também há a confiança de absolvição no plano criminal, quando Pinto da Costa for julgado por crime de corrupção desportiva, alusivo ao Beira-Mar-F. C. Porto (0-0), de 2003/04, um dos jogos constantes das notas de culpa da Liga. O outro desafio é o F. C. Porto-E. Amadora (2-0), da mesma temporada.

Ou seja: na práctica, verdade, verdadinha mesmo, ninguém está preocupado por aí além com esta bagatela judicial. Por mais que Maria José Morgado se torça na cadeira para não dizer o que pensa ou fazer o que lhe apeteceria, o facto é que a situação está perfeitamente controlada. Pelo Estado? Não, disparate, claro que não. Por quem manda na bola, os donos da relva, padrinhos do jogo, isso sim. Está tudo bem explicadinho, por exemplo, nos comentários do inacreditável Pôncio Monteiro, virgem ofendida, ontem aos telejornais. Ou, melhor, muito melhor, o próprio, o único, o inimitável, o imbatível, inacusável, o incomparável Jorge Nuno Pinto da Costa, em conferência de imprensa, que passo a citar: «Ninguém pode fugir ao seu destino. E o nosso destino é ganhar, quer queiram, quer não.» E está tudo dito.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo

RTP, Açores

Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa

Poema renascido

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D