Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sete Vidas Como os gatos

More than meets the eye

More than meets the eye

Sete Vidas Como os gatos

08
Out07

Maresia com fartura

Rui Vasco Neto
Hoje é dia de regiões autónomas na primeira página da informação nacional. Por razões diferentes, Açores e Madeira são hoje notícia. Da Ilha do Faial veio a lágrima espontânea do Presidente da República que, de visita ao arquipélago e ao pôr o pé nas cinzas frias, se recordou das imagens da erupção do Vulcão dos Capelinhos, transmitidas ao tempo na recém inaugurada RTP e não se fez rogado à comoção. Já da Ilha da Madeira as lágrimas vieram dos presididos. Mais uma vez. O secretário-geral do PS/Madeira, Jaime Leandro, vem a Lisboa com um "dossier de casos que indiciam corrupção na Madeira", uma compilação que será entregue ao procurador-geral da República. O encontro com o conselheiro Fernando Pinto Monteiro está agendado para quinta-feira, às 15.30. O funcionamento da fundação social-democrata, situações de licenciamentos que levantam dúvidas, a auditoria à Câmara Municipal do Funchal e o processo relativo a uma acção popular contra a construção de um megacentro comercial e residências na baixa funchalense, são algumas das referências constantes no dossier. O PS defende uma "investigação profunda às contas bancárias e ao património pessoal de determinados cidadãos" e o líder local do partido, João Carlos Gouveia, acrescentou ainda que nos últimos dias tem recebido "documentos e fotografias" que indiciam irregularidades. "Como não sou polícia vou remeter tudo para o MP", disse.

Nos Açores Carlos César também disse coisas e algumas delas indiciaram igualmente preocupações administrativas. No final de uma audiência com o Presidente da República em Angra do Heroísmo, o Presidente do Governo Regional projectou essas preocupações para o próximo processo de revisão do Estatuto Político-Administrativo dos Açores. “Espero que este Estatuto possa ser um elemento clarificador, no sentido de se pacificar e de se fazer uma pausa na polémica constitucional à volta das autonomias. Nós precisamos de, com clareza, conhecer as nossas competências e as competências dos órgãos da República, para que cada um possa fazer o melhor dentro do seu núcleo de competências suficientemente clarificado”, disse Carlos César.


Entre as duas notícias, ambas destaques de abertura na comunicação nacional, jaz todo o oceano de indiferença que separa Portugal Continental do Portugal Insular. Onde todas as esperanças morrem na praia. Acreditar que São Bento passa os dias a matutar nas tropelias de Alberto João ou que Belém não dorme de noite com as imagens da lava incandescente derramada sobre as vidas dos Picarotos, é o primeiro passo para derramar também una furtiva lacrima por conta da crença que amanhã tudo vai mudar no dia a dia dos não-eleitos que vão sobrevivendo nas Regiões Autónomas de César e Jardim. Os tais cujas esperanças, todas elas, morrem na praia dos olhares perdidos no horizonte da normalidade que os separa das vidas de Portugal e dos Portugueses."Somos herdeiros da maresia/que salga os olhos de olhar o mar /e temos rios de lava fria /que se recusam a desaguar", leu Victor Hugo Forjaz no mesmo chão e no mesmo instante da lágrima de Cavaco. Palavras açorianas, do poeta Emanuel Félix. O seu eco estará há muito esquecido quando amanhã, para a semana ou no mês que vem, o Presidente da República estiver a congratular o Rio Ave pela conquista de uma Taça, a comentar a intervenção da GNR na sexta demolição das barracas no Bairro da Miséria ou a congregar esforços político-partidários para qualquer uma das grandes questões nacionais. Que, reconheça-se, não passam pela realidade dos herdeiros da maresia, sejam os de César sejam os do jardim.

Que somos todos portugueses é um facto. Mas a cada um a sua herança, é outro facto sem discussão. E na verdade, alguns de nós têm avós que moram longe para burro, lá no meio do mar e fora de mão todos os dias, menos nos daquelas férias para mais tarde recordar. Ou quando é dia de Regiões Autónomas na primeira página da informação nacional, por abuso de poder ou visita do casal presidencial. Aí o país alastra de orgulho pátrio e o Telejornal abre das ilhas em directo. Que lindo, meu Deus, aquilo dos 'herdeiros da maresia'. Que salga os olhos de olhar o mar.


RVN





Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo

RTP, Açores

Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa

Poema renascido

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D