Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sete Vidas Como os gatos

More than meets the eye

More than meets the eye

Sete Vidas Como os gatos

25
Ago08

Esta Lisboa que eu amo

Rui Vasco Neto

Houve um tempo em que Lisboa tinha sardinheiras viçosas de orgulho luso nas sacadas do seu bairrismo alfacinha. E pregões de varinas, se andarmos para trás, para não falar de aguadeiros e marialvas, claqueiros e fava rica em alcofas, venha ver ó freguesa. Os eléctricos faziam tlim tlim e os de manhã cedinho tinham bilhete de operário, custava poucos tostões. O Pinga jogava na selecção, comiam-se cocós na Ferrari e a GNR intervinha a cavalo na estreia dos 'Sarilhos de Fraldas', com António Calvário e com o mulherio nacional a arrancar cabelos à porta do Odeon sem saber que gritava em vão por uma causa perdida.

 

Tudo isto não é triste mas é fado, tão somente. Esta Lisboa das tipóias e ché-chés já não existe há muito, foi-se nas mil madrugadas de ontem e só surge, sebastiânica, no doce nevoeiro cerrado que traz a digestão de muitos copos goela abaixo e muita conversa goela fora, em noite de amigos acabada na saudade do 'acabou-se!'. De resto, conservar as tradições em álcool é uma arte fadista, morra quem se negue e acho muito bem. Esta saudade é a diminuta perfeita e consequente deste acorde natural de ser português e estar vivo, um trinado das guitarras que somos hoje, todos nós, enquanto povo e nação. Só que a melodia que se escuta nesta Lisboa dos nossos dias tem tons diversos, variados, muita influência de cítaras e oboés estranhos, berimbaus e tantans, muito flautista e muito rato atrás, diga-se também em abono da tal.

 

A minha Lisboa de hoje é um embrulho estranho com uma bomba de preconceituosa indiferença terrorista lá dentro, que explode todos os dias em cada esquina do nosso viver. Os estilhaços atingem-nos a todos, mais ou menos fundo, directamente ou por interposto ferimento, dê a gente por isso ou não. Lisboa tem tantos feridos nesta guerra da modernidade como qualquer outra urbe de dimensão capital que, por mais não queira abrir os braços aos estrangeiros, acaba sempre por lhes abrir as pernas. Lisboa não sejas francesa, com toda a certeza não vais ser feliz, lembram-se? Pois cá estamos depois de séculos, com franceses só de calções e no Verão, mas a comprar todas as manhãs nos chineses e indianos, construindo casas com os guineenses e ucranianos, almoçando no bairro o que nos traz à mesa o moldavo de serviço. É de todos eles esta Lisboa? Pertence-lhes por direito esta cidade onde vivem e trabalham e são a cor viva do moderno 'colorido local'?

 

É esse o grande conflito nacional da cidadania, a partilha e usufruto qualitativos das ruas que são de todos mas onde só nasceram alguns, nestes tempos de aumento exponencial dos uns que, aos olhos dos outros, não merecem quinhão igual ao seu. Mendigos, ciganos, pedintes, drogados, pretos, amarelos, castanhos e outros mil que aqui chegam vindos de outros mundos. Gente que a gente quer menos gente que a gente é, ou julga ser. Sub-gente, é forte? E se forem pequeninos, são filhos como os nossos filhos, ou são filhos da puta? Só há filhos da gente e filhos da outra, na credenciação lusitana, nenhuns outros?

 

Corro Lisboa a olhar e saltito realidades como quem evita caca de cão, no passo de passeio. Dou um pontapé numa pedra e salta um preconceito, mais um, e outro e outro. E forço-me a pensar com o coração, sempre que a alma se veste alfacinha. Às tantas a gente quer tanto gostar de uma coisa que acabamos a amar a ideia dessa coisa e nada mais. Uma paixão pelo imaginário abstracto da paixão de cada um, é essa a imagem focada do bairrismo nacional. E quantas vezes se engrossam fileiras de loucura garantindo que só se quer fugir dela, tudo para defender esse preconceito a que chamamos bairrismo. Lisboa é dos lisboetas e é dos vadios, sim, porque vadios somos todos nós nesta sociedade mesquinha que se olha de lado até ver a etiqueta de cada um. Somos todos operários da mesma fábrica, porque ser povo é uma trabalhalheira, não é um emprego. E se fosse um emprego, acreditem, éramos todos chefes.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo

RTP, Açores

Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa

Poema renascido

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D