Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sete Vidas Como os gatos

More than meets the eye

More than meets the eye

Sete Vidas Como os gatos

05
Abr08

Morrer de humor

Rui Vasco Neto


O tempo voa, dizem. Parece que foi ontem que Herman José fazia a actualidade nacional, com o grande momento da proibição de exibição, pela RTP, de um sketch humorístico considerado ofensivo à luz da susceptibilidade da Igreja Católica. Se na altura já era algo descabido um tal pudor dogmático, hoje então só com muita dificuldade se encontra uma ponta de sentido naquele conceito de ofensa. Daí para cá mudou muita coisa, claro, passe a redundância. Mas a propósito do humor eu vejo mudanças delicadas, nesse fino sentir religioso de um mundo cada vez mais afastado, entre si, da essência do divino enquanto apostolado de fé, esperança e caridade que fosse desígnio do homem na sua passagem terrena. Enquanto vivência de Amor, de um amor fraternal que aproximasse os povos ao invés de os colocar uns contra os outros em cruzadas impossíveis e sangrentas. Quase nada disto ilustra o Divino, na práctica dos dias modernos da fé. Dele sobram apenas o bafo de uma vigilância carrancuda e austera, o tique da proibição como opção primeira, o escândalo do luzir do oiro e o tilintar das correntes que prendem os mastins de guarda aos portões da santidade. Com tais fiscais do respeito à letra, de olho na expressão do sentir de cada um e dentada pronta, não há de facto lugar para o humor. De resto, «todas as religiões são cruzadas contra o sentido de humor», dizia Savater, cito de cor. Só posso concordar.

Por humor se mata, hoje em dia. O episódio das caricaturas de Maomé ilustra na perfeição até onde pode ir uma suposta defesa do Divino, neste caso o Profeta. Como podia ser Jesus Cristo noutras circunstâncias, atrevo-me a especular. Brincar com o sagrado é cada vez mais uma roleta de consequências difíceis de prever, um atrevimento anunciado que pode levar a uma escalada de disparate bem mais caricata que a piada que lhe deu origem. Em última análise, pode-se mesmo morrer de humor, o que é triste e revelador do absurdo a que se pode chegar em matéria de preconceito religioso. Mas, aparentemente, continua a ser uma traquinice apetecível para os humoristas, como se pode comprovar pelo visionamento desta boy's/priest's/band que nasceu (acredito piamente) fadada para o sucesso. São 'Padres de Espírito', vê-se logo, de resto. Ora vejam, por favor. E depois digam-me, sinceramente, se vale a pena matar ou morrer por delito deste calibre.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sete vidas mais uma: Pedro Bicudo

RTP, Açores

Sete vidas mais uma: Soledade Martinho Costa

Poema renascido

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D